0 1 c Antônio Carrilho de Castro, Sibila sua avó Bernardes da Silveira

Maria Joaquina da Silveira, casada com Joaquim Alves Gondim é mãe de Sibila Bernardes da Silveira.

A Sibila é mãe de Maria Bernardes da Silveira, que é mãe do Boiadeiro Antônio Carrilho de Castro Filho.

E  o Boiadeiro Antônio Carrilho de Castro Filho é casado com SEQUINHA, Maria Teodora de Castro, bisneta do Capitão Domingos da Silva e Oliveira.

Veja mais sobre Antônio Carrilho de Castro aqui:

0 1 c Antônio Carrilho de Castro Filho – Boiadeiro casado com Maria Teodora de Castro, bisneta do Capitão Domingos

Maria Bernardes da Silveira também é mãe de Elisa Cândida da Silveira Castro casado com João de Aquino da Silva e Oliveira, neto do Capitão Domingos:

Ver sobre João de Aquino e seu pai João da Silva e Oliveira aqui:

https://capitaodomingos.wordpress.com/joao-da-silva-e-oliveira-filho-do-capitao-domingos/

MARIA JOAQUINA DA SILVEIRA é da família BERNARDES DA SILVEIRA, cujo tronco é BERNARDO DA SILVEIRA, veja mais sobre eles aqui:

==

MARIA JOAQUINA DA SILVEIRA, nasceu entre 1788 e 1793, e faleceu em Uberaba-MG em 1827 ou 1828. Foi casada com JOAQUIM ALVES GONDIM que faleceu em 1837 em Uberaba.   O LOCAL DE NASCIMENTO já posto em breve. o Foco dos Bernardes da Silveira é em Morro do Ferro perto de Oliveira-MG.

A filha SIBILA também assinava SIBILA ALVES GONDIM.

Por algum motivo esta familia alterava Alves com Rodrigues, assim uma irmã da Sibila assinava ANA RODRIGUES GONDIM.

Estes Rodrigues Gondim, pioneiros em Itapecirica-MG e Formiga-MG, já estavam nesta região desde 1720, foram eles que construíram a PICADA DE GOIÁS:

Aqui, leia sobre Formiga-MG

https://capitaodomingos.wordpress.com/000-vila-de-formiga-itapecirica-e-a-picada-de-goias-construida-pelos-rodrigues-gondim/

A PICADA DE GOIÁS:

A Picada de Goiás foi uma iniciativa de moradores da Comarca do Rio das Mortes (dentre eles Caetano Rodrigues Álvares de Horta, Matias Barbosa da Silva, José Alves de Mira Maximiliano de Oliveira Leite, Caetano da Silva, André Rodrigues Elvas, Francisco Pais de Oliveira, José Pires Monteiro, Francisco Rodrigues Gondim).

O historiador Waldemar de Almeida Barbosa, em sua obra “A Picada de Goiás” (1.963) comprova cabalmente tal fato. A afirmativa do historiador Dr. Leopoldo Corrêa de que as cidades de Bom Sucesso, Candeias, Santiago, Oliveira e Itapecerica são provenientes da Picada de Goiás traz, por si só, uma contestação de cunho geográfico. Em linha reta, surgem as cidades de Santiago, Oliveira, Itapecerica e as regiões de Bambuí, Arcos e Iguatama.

Em outro traçado, partindo de São João Del Rey, encontramos as cidades de Bom Sucesso, Candeias e, em linha reta… Piumhi (respeitamos a recente decisão do povo da vizinha cidade e utilizamos a grafia atual), de onde partiu Bartolomeu Bueno do Prado, em 1.769. “Este parágrafo, portanto, merece maiores estudos”.

O chamado Caminho de Goiás ou Picada de Goiás foi uma das Estradas Reais surgidas no Brasil em função da mineração, no século XVIII.

Foi estabelecido em função da descoberta de ouro no sertão de Goiás, região que, em 1748 seria elevada à condição de capitania.

A sua importância era de tal ordem que, em 1720 a Coroa Portuguesa estipulou a pena de morte para quem abrisse, sem autorização, outros caminhos entre a capitania de Minas Gerais e Goiás, determinações reiteradas em 1733 e 1758.

Os responsáveis pela abertura da “picada” foram Francisco Rodrigues Gondim (1738-1763) e Manuel Rodrigues Gondim, que se radicaram em Itapecerica.

Essa via iniciava-se em Pitangui, em Minas Gerais, permitindo o abastecimento da nova região aurífera, a imigração e o escoamento da sua produção mineral. O troço adiante de Meia Ponte, na estrada para Vila Boa de Goiás, prolongamento da chamada Estrada Real, era calçado. O Caminho de Goiás prolongava-se daí em diante, alcançando Vila Bela da Santíssima Trindade no sertão do Mato Grosso.

No total, o chamado Caminho de Goiás estendia-se por 266 léguas (c. 1.596 quilômetros), separando Vila Boa de Goiás do Rio de Janeiro, e consumindo cerca de três meses de viagem.

====

Em 1820 já estava em Uberaba-MG, o Alexandre Alves Gondim, também do começo de Uberaba são MANUEL BERNARDES NANZIZENO DA SILVEIRA, de cujas terras surgiu Conquista-MG, Tarquelina e Lizarda Bernardes da Silveira casada na familia Gondim.

MARIA BERNARDES chegou a Uberaba por volta de 1820, Sibila é nascida em Formiga-MG em 1818.  O Drama de orfã da Sibila foi grande. Foi mãe solteira com 17 anos, quando teve em 1837, a filha natural Maria, cujo pai foi Manuel José da Silveira,  também neto de BERNARDO HOMEM DA SILVEIRA.

=

Mapa de População de Uberaba de 1827 onde aparecem Sibila e Maria Joaquina da Silveira:

014

=

Aqui no destaque a família, os solteiros, não aparecem as filhas casadas:

mapa maria joaquina

Ver página abaixo neste site sobre a família BERNARDES DA SILVEIRA:

z inventário de José de Andrade Braga

Sibila casou-se duas vezes sem ter filhos nos casamentos.

A Filha natural MARIA BERNARDES DA SILVEIRA casou-se com o Alferes ANTONIO CARRILHO DE CASTRO, chegado a Uberaba-MG por volta de 1850 e seu primo em 3ª grau.

MAria Bernardes e O Alferes Carrilho tiveram: Tarquelina casada em primeira vez com seu tio que era filho de Manuel José da Silveira, e  Elisa casada com João de Aquino da Silva e Oliveira, e Antonio Carrilho de Castro Filho casado com sua sobrinha Maria Teodora de Castro filha de Elisa.

e Polidoro Carrilho de Castro, sem filho, casado com tia MAria Lima, e depois com Tia Etelmisa.

=

O Barão de Ituverava, irmão de Manuel José da Silveira:

ITABERAVA

O barão de ITABERAVA foi Alexandre José da Silveira que faleceu em S.João Del Rei em 14 de Junho de 1880.Comandante Superior da Guarda Nacional,foi várias vezes membro da Assembléia Provincial da Província de MG.Era Comendador da Imperial Ordem de Cristo.  

Adenda
Alexandre José da Silveira – agraciado com o título ( Dec 01.12.1854 ) de Barão de Itaberava. Título de origem toponímica. Coronel. Falecido a 14.06.1880 em S. João d´el Rei -MG. Residiu muito tempo em Uberaba, onde foi juiz municipal e de órfãos. Militou na política, sendo vereador na primeira Câmara Municipal da mesma vila por ocasião de sua instalação a 07.01.1837.
Colaboradora
Regina Cascão – Fonte: Dicionário das Famílias Brasileiras, de Carlos Eduardo Barata e AH Cunha Bueno – Verbete: Itaberava, Barão.

=

Inventário de bens que ficaram de MARIA JOAQUINA DA SILVEIRA,  falecida em Uberaba-MG em 1828 na Fazenda Cachoeira do Bom Sucesso, tinham casa na rua Manuel Borges no centro de Uberaba.  Descreve o drama da orfã Sibila.

=

Primeiro: Herdeiros de Maria Joaquina da Silveira, estado civil e idade.

GE DIGITAL CAMERA

=

GE DIGITAL CAMERA

=

3 Respostas to “0 1 c Antônio Carrilho de Castro, Sibila sua avó Bernardes da Silveira”

  1. João Andrade Says:

    Olá, creio que sou descendente de Maria Joaquina da Silveira, mas ainda necessito de confirmação. Acho que sou descendente de Ana Rodrigues Gondim (filha de Maria Joaquina) e Antônio Corrêa da Costa. Seria excelente se pudesse receber uma cópia do inventário de Maria Joaquina da Silveira para poder buscar por pistas em todo o documento. Grato de antemão! João Andrade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: