0 0 0 0 A família de Eustáquio da Silva e Oliveira na História e na fundação de Uberaba, pelo Vigário Silva e Borges Sampaio, Eustáquio e a Fundação de Uberaba por Hildebrando Pontes

=

Eustáquio e sua mulher

=

Leia aqui texto maravilhoso do Vigário Antônio José Silva, primo do Capitão Domingos, filho de Luis da Silva Cardoso (que é irmão do Capitão João da Silva e Oliveira,) contando o heroísmo e os perigos enfrentados na Entrada que fez o sargento-mor  Eustáquio, nosso tio e fala de meu avô por minha genealogia paterna, Antônio Rodrigues da Costa.

Luis da Silva Cardoso como vimos é antepassado do Presidente Fernando Henrique Cardoso.

=

História Topographica da Freguesia do Uberaba vulgo Farinha Podre (*)

Entre o Rio Grande e o Rio das Velhas na Provincia de Minas Geraes, Comarca de Paractú do Principe, julgado do Dezemboque Prelasia de Goyaz, está a Povoação de St°. Antônio e Sam Sebastião do Uberaba.

Os lugares que ela compreende, erão incultos e desertos até 1807, e apenas conhecida a estrada, que a atraves de S. Paulo para Goyas, onde residião alguns Indios, que tinhão sahido da Aldeia de Santa Anna, os quaes nunca tiverão animo de alongar-se para algum dos lados da mesma estrada, nem ao menos meia legoa, como depois se conheceo pelas culturas sempre visinhas as suas habitações: então Januario Luis da Silva, Pedro Gonsalves da Silva, José Gonsalves Eleno, Manoel Francisco, Manuel Bernardes Ferreira, e outros moradores na Freguezia de Dezemboque entrarão até a distancia de algumas lagoas de Sertão, e descobrindo lindas campinas, e optimos matos, appossiarão algumas Fazendas, e voltarão tanto por falta de mantimentos, como pelo terror, que lhes inspirava o Gentio Caiapó, cujo vestígio incontrarão em diversas partes.

Communicarão o resultado da sua entrada o S. Mr. Antonio Eustaquio da Silva, e a outros, e aquelle por gênio emprehendedor de novas descobertas projectou logo explorar todo o Sertão, que podesse, e convidou muitas pessos das Geraes para companheiros: entretanto passou para o Norte da Provincia de Goyaz o Coronel José Manoel da Silva e Oliveira, e sabendo e pertenção, que tinha e do Sargento Mor seu Irmão, a declarou o Eximo. Marquez de S. João de Palma, que então governava aquella Provincia que pertencia o Julgado do Desemboque, e este conhecendo quanto podia interessar esta nova descoberta, intervindo a direcção do referido S. Mr. de quem tinha muito boas noticias, o nomeou Commandante Regente dos Sertoes da Farinha Podre por Portaria de 27 de Outubro de 1809.

Nos primeiros dias do mez de Julho de 1810 o Sargento Mr. munido das necessárias provisões de mantimentos, associando-se os que primeiro havião entrado, e alguns outros Geralistas, formando todos huma bandeira de 30 homens ingredirão pelo Sertão dentro até o Rio da Prata na distância de 30 legoas, a contar-se o caminho em direitura, encontrando a cada passo o embaraço, já de Rios, já de pântanos, que dificultosamente transivão, sempre temerosos do Gentio, cuja existência se conhecia, os dos aqui, e ali.

He de notar se o perigo, que se achavão expostos estes emprehendedores, quanto aos animaes silvestres e ferozes, pelo o que aconteceu a Antonio Rodrigues da Costa, o qual acomettido cara a cara por uma onça pintada, que avançou furiosamente ao cavalo, em que hia montado, e o segurou com unhas e dentes, pode com destreza (depois de falhar-lhe o recurso da espingarda, cujo gatilho nunca mais o encontrou) defender-se com a espada, que trazia o lado, dando algumas estocadas, com a dor das quase largou a onça o cavalo, e fugio até morrer a chumbo, depois de perseguida pelos cães em um capão, que se achava vizinho, e que pelo acontecimento ficou denominado o capão de onça.

O referido Sargento M. e toda a sua comitiva depois de lançar algumas posses, ou sinaes pelo Sertão na decurrencia de dois meses, e feitas algumas pequenas rossas, voltou a cuidar de meios para transportar-se, assim como alguns de seus companheiros; pois havião todos conhecido a transcedencia, tanto dos campos, como dos matos.

Em 1812, quando a Povoação constava de uns poucos de moradores, alem dos Indios da estrada, fez segunda entrada, trazendo consigo muitas pessoas, que de novo convidará e alguns das quases o haviam acompanhado a primeira vez, entre as quases se contava o Reverendo Hermogenes Casimiro d’Araujo, que dormia junto a ele em certa noite, quando huma grande cobra Jararaca-assú passou por cima de ambos e sendo percebida, a expellirão com a colxa, e depois a matarão, antes de que mordeu a um cão, que imediatamente morreu, o que de certo aconteceria aos dois, se a fortuna os não bafejasse.

Depois desta segunda entrada, as noticias, que derão os que haviam acompanhado a S. Mr. os convites e as persuações deste atrahirão em breve muitas pessoas, que vinham das Geraes a procurar novos estabelicimentos, não obstante o medo de Gentio, que se antolhava.

Em 13 de Fevereiro de 1811 obtiverão o mesmo S. M.  Eustaquio e outros Provisão da Meza da Conciencia e Ordens para erigirem uma Capela com o Orago da Senhora do Monte de Carmo; mas até o presente não levarão a pratica sua pertenção, sem duvida, porque a povoação do lugar, onde querem e rigir a referida Capella, ainda hoje é muito pouco considerável.

Em 1812 se levantou no sitio chamado o Legeado uma pequena Caza de Oração, onde se colocarão Santo Antonio e Sam Sebastiam: celebrou ali por pouco tempo os Santos Mistérios com Autoridade de Reverendo Antonio Jose Tavares Vigario do Desemboque o P. José de Moraes; e depois se transferiu por comodidade para a margem do (Rio) Uberaba junto a estrada de Goyaz, onde está hoje formado o Arraial.

O referido P. Moraes demorou-se apenas até junho de 1813, e despediu-se, ficando os poucos moradores que estão existiam com os recursos espirituais muito distantes até Maio de 1814, quando entrou por Capellão o Padre Silverio da Costa Oliveira legitimamente autorizado, o qual esteve até 7 de Setembro, dia ‘em que se retirou’ para a Capela de N. Senhora S.S. Sacramento do Burá.

Em 17 deste mesmo mês de Setembro e ano de 1820 tomou posse de Vigario da Freguezia, erecta alguns meses antes a requerimento do S. Mr. Antonio José da Silva, que atualmente serve:

Tem a Freguezia de longitude mais de 40 legoas, e de latitude mais de 20, e de sua Filial a Capela de N. Senhora das Dores distante da Matriz 10 legoas, erecta em 1823.

Divide pelo Nascente com a Freguesia do Desemboque pelo Ocidente com o Sertão, pelo Norte com as Freguesias do Araxá, e Aldeia de Santa Anna, e pelo Sul com a Freguesia da Villa Franca do Imperador.

Dista o Arraial do Uberaba da Cabeça do Julgado 18 legoas, do Araxá 22, da Aldeia de S. Anna 15, da Villa Franca 15, e da Cabeça da Comarca(Paracatu) 60.

Contem a Freguezia dentro do Arraial 91 fogos habitados, e fora 300. A sua Povoação, que em 1820 constava de 1.300 almas monta hoje a 3.000 a fora os Indios Aldeianos a margem do Rio Grande na distancia de 40 lagoas do Arraial, cujo numero excede a 1.000 de ambos os sexos.

Este Indios (Caiapos) passeião de tempos em tempos por toda a Freguesia; mais não commettem a menor hostilidade, o que se deve sem duvida ao jeito, e ao amor, com quem tem sido sempre tratados pelo Sarg. Mor Antonio Eustáquio da Silva, que os visita todos os anos, prodigalizando-lhe roupas, e ferramentas, ora a sua custa, ora a custa da Fazenda Pública e também em cooperado muito para a sua pacificação João Baptista de Siqueira, que mora visinho aos mesmos indios, com que tem freq. Comunicações e os supre, muitas vezes, com mantimentos do seu Paiol.

He por lamentar-se a desgraças destes Entes embrutecidos; por isso que não se tem adoptado as necessárias e urgentes medidas para a sua cathequisação.

 

=

=

=

=

=

–      CAPITULO III      –

O Sargento Mor (22) Antônio Eustáchio da Silva e Oliveira, (23) era natural da Freguesia de Santo Antônio da Casa Branca de Ouro Preto antiga Capitania de Minas Gerais. Em um depoimento que prestou, no Desemboque, aos 26 de março de 1821, dizendo “ser homem branco, solteiro, agricultor, com 51 anos de idade”.

Devia estar com 54 anos de idade quando se casou por contrato de arras, e Uberaba, aos 13 de junho de 1826, com Antônia de Jesus Angélica, natural de freguesia do Bonfim de Congonhas, ela filha legítima de Bento de Araújo Filho e Florentina Angélica de Jesus.

O Sargento Mor, ou melhor, major Antônio Eustachio da Silva e Oliveira, mais conhecido por Major Eustachio, foi fundador de Uberaba. Esta grande obra por ele começada e amparada, com energia que lhe era peculiar, tem, com orgulho, até hoje progressivamente atravessando os anos e chegado até nós, atestando a continuação de seus esforços.

O busto do venerando Major Eustachio, impondo-se á gratidão dos uberabenses, não pode, infelizmente, ser perpetuado num monumento porque na escura noite do passado, se perderam todos os seus traços fisionômicos; mas, a cada passo poderá ser lembrado seu nome, nas placas das ruas de Uberaba, e os seus feitos na história local.

Tanto basta para que a sua memória rebrilhe em nosso meio e o legado de suas ações prodigalize aos seus pósteros energia e tenacidade dignas de serem imitadas.

Sabia imprimir aos seus atos severos, cunho.

No cumprimento de deveres nunca logrou o desânimo de vencê-lo, muito embora viessem ao seu encontro variadas sortes de tropeços, como adiante veremos no ingente conquista dos sertões sulgoianos, hoje TRIÂNGULO MINEIRO.

Não é fácil a tarefa de fazer passar diante da vista do leitor a grande série de benefícios prestados pelo incansável mineiro a este torrão Triângular – Farinha Podre, notadamente Uberaba que ele tanto estremeceu.

Região naqueles tempos inteiramente despovoada, e inculta na sua conquista o consequente desenvolvimento, empregou toda a sua capacidade e energia, superando grandes dificuldades.

Amparado pela bafeijo oficial e de distintos amigos, pode afinal, ver aos poucos se erguer a sua grande obra e hoje que, garbosamente atravessou a locomotiva o solo do Triângulo Mineiro, faz admirar ao itinerário a sua eloquente audácia e bendizer o seu homérico feito.

Nos últimos anos do século XVIII, alguns abastados mineiros saídos das imediações do Ouro Preto, vieram se estabelecer no Arraial do Desemboque, Julgado da Capitânia de Goiás.

O ouro, eterna cobiça dos aventureiros, opulentava sobre tudo naqueles tempos, esta localidade que, como astro de primeira grandeza, despendia raios luminosos em todas as direções.

Esses ilustres itinerantes eram o Major Eustachio e seus irmãos.

Portadores de sólidos haveres e inteligência culta, apenas ali chegaram se alistaram ao número dos benfeitores e não se fizeram de rogados na conquista, propaganda e desenvolvimento deste parto.

Com prorrogação de “Julgado”, necessitava o Desemboque de Intervenção do Major Eustachio, para tomar parte ativa na gestão  do seu governo. Nestas condições exerceu os cargos de Juiz Comissário e Juiz Ordinário demarcando por essa ocasião muitas Fazendas a diversos peticionários da Farinha Podre.

Permanecendo até então inexplorada a grande faixa da terra compreendida entre os Rios Grande e Paranaíba, pelos lados do poente, aventurou-se uma comitiva bandeira, partida daquele lugar Julgado em demanda daquelas terras. De volta, comunicou ao Major Eustachio o êxito da sua feliz viagem. Este animado com o resultado, organizou uma segunda “Bandeira” de mais de trinta homens dentre os quais se encontravam diversos que fizeram parte da primeira, e internaram pelos desconhecidos sertões do Oeste. A cada passo surgiram embaraçados de toda sorte, como rios, pântanos, féras, indígenas, etc., como tentando frustrar o seu plano.

Mas, ao cabo de sessenta dias, regressaram todos ao ponto de partida trazendo magníficas impressões de tudo o que haviam visto.

Era mister, para a exploração de tantas terras incultas, estabelecer um núcleo colonial que, aos poucos, fosse radiando a civilização por onde andaram.

Nestas condições, abalou-se ele a vir se centralizar aqui (Uberaba) ás margens esquerda do Córrego das Lages, em terras aldeianas ou dos Índios, que margeavam légua e meia á direita e a esquerda da estrada, que de S. Paulo, atravessando o Rio Grande no Porto da Espinha, conduzia a fio Sul-Norte, ao Porto Velho, no Paranaíba, e dai com pequena inclinação ao Nordeste de Goiás.

Passando o Major Eustachio a residir no local indicado, ai edificou uma grande casa de moradia à margem esquerda do Córrego das Lages, mais ou menos um quilometro acima a sua fez no rio Uberaba. A essa morada deu o nome de “Chácara da Boa Vista”, posteriormente chácara de Lopes, Chácara D. Escolástica, “Instituto Zootécnico”, e atualmente “Fazenda Experimental”.

Para mais comodamente afetar-se de certos movimentos de fazenda, veios a dois quilômetros e pouco acima e pela mesma margem, edificar um retiro, onde mantinha a sua criação de terreiro e tenda de ferreiro, a cargo de seu escravo Manoel, que adotou por Sobrenomes o de seu Ofício.

Pelos anos de 1807 a 1809, mais ou menos, diversas pessoas saídas do Desemboque vieram se estabelecer em modestas choupanas construídas á margem esquerda da Ribeirão do Lageado, afluente do Rio Uberava. Esta pequena povoação que chegou a mais do vento casas de construção toscas e uma pequena capela que, a princípio era, como casas, cobertas de folhas de palmeira baguassú, teve o nome de Arraial da Farinha Podre ou Arraial da Capelinha e como oragos Santo Antonio e São Sebastião.

Fora seu fundador o sertanista José Francisco de Azevedo.

Esta gente, devido aos esforços do Major Eustachio, foi aos poucos se transferindo para as imediações do seu retiro que ficava situado a 15 quilômetros a oeste daquele arraial, edificando em seguida boas casas, das quais nos dá testemunha o arrojado naturalista francês Saint – Hilaire, quando em 17 de Setembro de 1819, por aqui passou. Contava então cerca de 30 anos.

Parece fora de dúvida que a nascente povoação logo assumisse grandes proporções, visto como, aos 2 de março de 1820, era elevada a categoria de Freguesia.

Esta regalia era justamente devido aos ingentes esforços do Major Eustachio que, naquele mesmo dia, fora, por Carta Regia, autorizado a abrir estradas no distrito que fica entre os Rios Grande e Paranaíba até a confluência do sobreditos rios e aldeiar os gentios que habitavam naqueles lugares, ao mesmo tempo El-Rei ordenava ao Governador da Província que lhe prestasse auxílios, fornecendo-lhes numerário por conta da Real-Fazenda, vem como os vestuários e ferramentas que fosse necessárias aos índios.

Na abertura dessa estrada o Major Eustachio, teve do Governo de Metrópole, o auxilio de mil cruzados.

Interessado na colonização dos Sertões da Farinha Pedro, o Major Eustachio não ocultou esse desejo a seu irmão Coronel José Manoel da Silva e Oliveira, que muito intimamente, privava com o Governador da Capitania do Goiás, que então era o Marquez do São João da Palma.

Este, ao saber da pretensão do Major Eustachio, reconhecendo que seus serviços muito poderia lucrar e seu governo em descobertas e conquistas, mesmo porque “ Tinha do Sargento-Mor muito boas noticias “, por isso o nomeava, como efetivamente nomeou, por uma portaria datada de 27 de Outubro de 1809, “ Comandante Regente dos Sertões da Farinha Podre “ e depois que, por ate de 13 de Fevereiro de 1811, só criará aqui o distrito dos índios, fora ele nomeado “ Curador dos Índios”, do distrito.

A estrada, a cujas margens se reservam as terras aldeianas, fora em 1722, aberta de S. Paulo á Goiás, por Bartolomeu Bueno da Silva Filho – o Anhanguera. A esse tempo a região era povoada por índios da noção dos “ Caypós “.  Estes, enquanto bem tratados pelo brando conservaram-se amigos, mas decorrendo-se os tempos, os papeis foram trocados: passando o índio a ser escravo, maltratando pelo branco colono; daí a inimizade rancorosa do selvagem contra os brancos que a todo momento era ao longo da estrada, atacados pelos gentios “Cayapóes”.

Para opor um dique a tantos perigos e flagelos, os governos de Goiás e Cuiabá se puseram em ação.

Isto foi precisamente, em meios do século atrasado.

Desempenhando as funções de policias, fora pelo Coronel Antonio Pires de Campos, – á ordem daqueles governos, – estabelecidos em 18 aldeias marginais da estrada de S. Paulo a Goiânia, somente na parte compreendida entre os Rios Grande e Paranaíba – índios amansados de diversas tribos, dentro as quais se encontravam “Bororós”, em maior número “Javahis”, “Parecis”, “Carajás”, “Chicriabás” etc., contra os ferozes “Cayapos”, que por isso, aos poucos recuando para o oeste, na confluência dos Rios Grande e Paranaíba.

Para desmanchar tamanha intimidade entre os selvagens e civilizados, era preciso lançar mão de um meio branco, chamando aqueles ao grêmio de Paz, por meio da catequese. Nesse propósito a ação benéfica do Major Eustachio não se fez esperar.

É assim que o vemos dar cumprimentos ás autorizações daquela Carta Régia, levando ao gentio internato nas brenhas e selvas, a roupa, a ferramenta, a paz, enfim.

E a verdade deste acerto nos é transmitido pelo lustro vigário, mais não cometem menor habilidade, o que se deve ao jeito, ao amor com que tem sido tratados, pelo Sargento-Mor Antonio Eustachio da Silva e Oliveira, que os visita todo os anos, prodigalizando-lhos roupas e ferramentas, ora á sua custa, ora a custa da Fazendo Publica.

Em 1826, quando Uberaba contava 91 casas, com uma população de 1.300 almas, a população dos Cayapós, elevava-se a mil, estabelecidos pela margem direita do Rio Grande, para Oeste.

Pacificada a região, pela catequese dos Cayapós, verificara-se que os índios policiais das margens das estradas de S. Paulo a Goiás diminuíam em números e as terras que habitavam, sendo desocupadas, ao passo que o número dos colonos imigrantes para a Farinha Podre era diariamente aumentado.

Para acomoda-los o Major Eustachio requereu ao Governo de Minas – a quem já então estava sujeita a região, a transferência dos índios ainda restante entre os rios Grande e da Velhas, (atual Araguari) do Julgado Do Desemboque, para o Araxá, compreendido entre os Rios Paranaíba e das Velhas (hoje Araguari).

O desmembramento destes dois julgados (Araxá e Desemboque) da Capitania de Goiás causava-lhes a sua falência, porque sem os seus rendimentos, achava-se ela impossibilitada de ocorrer as suas despesas. Em virtude desse fato ordenou El-Rei que não obstante pertenceram os dois Julgados a Minas, as suas rendas seriam, no entanto, arrecadadas pela Fazenda de Goiás, isto por uma decisão de 8 de Fevereiro de 1817.

Descontentes com esse ato do Governo, os habitantes da Farinha Podre solicitaram do Major Eustachio que por eles intercedesse perante o Governo, no sentido de serem as rendas arrecadadas para Minas. Em dois ofícios que o Major Eustachio dirigiu ao Governo mostro “o quanto aspiravam os povos respectivos pela continuação da administração civil e militar por parte desta Pocilia (Minas) e sustentasse ele maior tropa militar em destacamento na Corte, Bahia, Comarca de S. Francisco etc. , não podia  prescindir de suas rendas e nem deixar de corresponder ás folhas civil e Eclesiástica”.

Foi certamente em virtude dessa reclamação que o Governo houve por bem mandar proceder á arrecadação em favor de Minas algum tempo depois.

Como Comandante do Distrito, esta na alçada do Major Eustachio zelar pelas repartições da Fazenda Nacional e deste modo ei-lo a consultar o Governo, em data de 24 de Maio de 1827, que, tendo sido recolhidos ao patrimônio nacional, as terras dos índios, na parte compreendida no Julgado do Desemboque, se devia considerar como verdadeiros proprietários, independentes de títulos de sesmeiros, todos aqueles que nas mesmas terras tivessem estabelecido lá.

Eis porque algumas fazendas situadas dentro dos limites das terras dos índios, não constam de títulos de posse.

Em Janeiro de 1823, o Major Antonio Eustachio e o Vigário Antonio José da Silva, reconhecendo o encurtamento de distância entre distância esta então simples freguesia e a da França, com a abertura de um novo Porto na barra do Ribeirão de Ponte Alta, logo se puseram em atividade, e dentro em pouco teve o viajante estrada mais curta para se por em comunicação com São Paulo e Santos.

Com abertura do Porto de Ponto Alta, o da Espinha foi em parte sendo abandonado, mesmo porque a maleita a tanto dava causa.

O vigário Silva, falando em 1826, ainda sobre serviços que o Major Eustachio prestou a Uberaba, remata pelas palavras seguintes:

“ Seja-me permitido, em obsequio ao merecimento, dizer em conclusão – que estando a Freguesia de Uberaba em circunstância de poder pela natureza do seu fértil solo interessar muito ao Império e aos particulares nela residentes e que vieram depois – deve-se tudo em grande parte ao Sargento-Mor Antonio Eustachio da Silva que não se tem poupado nem a despesas, nem a fadigas, nem a percursões, para aumentar a sua povoação, por em atividade o seu comércio o animar a agricultura. “

O major Antonio Eustachio da Silva e Oliveira não era um espírito culto, segundo se depreende do pouco que deixou escrito. Contudo, havia vivido na escola de sua terra natal a necessária instrução capaz de guia-lo na vida prática. Como homem de grande preponderância, parece-nos, foi completando aos poucos, e á sua custa própria, a sua educação.

A primeira fase da vida, isto, é aquela compreendida desde o seu nascimento, até a sua vinda, aos vinte e poucos anos para os sertões do Novo Sul, atual Triângulo Mineiro, não é conhecida. Sabemos, no entanto, que na sua terra natal dispunha de boas relações de amizade, com pessoa de reconhecido conceito.

Era energético no cumprimento dos seus deveres. Uberaba, nos seus primeiros dias de fundação, dava guarida ao grande número de criminosos foragidos das Gerais, que entravam a cometer toda sorte de atropolias. Para então refreiar essa caterva de malfeitores, o Major Eustachio obrigava-os a trabalhar na construção de muros, casa de taipas (terra socada) e outros serviços em roças.

Daqueles muros ainda se podem ver vestígios na chácara do Instituto, alguns trechos dos quais apesar de haver decorrido quase um século de existência, se conservam ainda intactos.

Isso disse-nos, o saudoso Capitão Manoel Joaquim da Silva Prata falecido em 1906, nesta cidade, aos 97 anos de idade. O Capitão Manoel Prata conviveu com o Major Eustachio, cerca de 13 anos.

Foi ainda este ilustre ancião quem nos transmitiu alguns traços fisionômicos do fundador de Uberaba: Era de mediana estrutura, cabelos louros, olhos azuis e voz semi-rouca.

A sua fisionomia foi melhor fotografada na do seu neto Capitão Antônio Tomaz de Miranda, falecido nesta cidade em idade avançada. Trajava calções de veludo, trazendo pendente a capa e a espada.

Trazia a barba feita. Em ocasiões precisas apresentava-as fardado com a banda o dragonas.

Amante do divertimento, por excelência, se entregava a caçadas de veados, antas e capivaras, o por muitas vozes, o interessante, e que estas caçadas se realizavam até em lugares que as edificações desta cidade já invadiram e ultrapassam até seus limites, tais como as partes compreendidas no quarteirão das ruas Vigário Silva, Padre Antônio, Nunes Viana, Praças da Cadeia e Santa Rita, e rua dos Bandeirantes, naqueles tempos extensos vargeados de brejos.

Nestas caçadas sempre o acompanhava o ajudante Pedro Gonçalves da Silva.

O Major Eustachio da Silva e Oliveira fez o seu testamento em 1º de março de 1827, contando ele de 58 itens.

Por sua morte verificou-se que deixou bens no valor de 31:874$419, gastando em custas 2:212$370, verificando-se um saldo de ……… 29:659$079.

Faleceu na segunda feira de 6 de fevereiro de 1832, em sua Chácara Bôa-Vista, rodeado de filhos e amigos.

O eu enterro realizou-se no dia seguinte com o acompanhamento do Vigário Antonio José da Silva, Padre Francisco Ferreira da Rocha e o coadjutor Padre Zeferino Batista do Carmo, músico (banda de Bernardo Relógio) e grande número de amigos e admiradores, segundo nos afirmou o referido Capitão Manoel Joaquim da Silva Prata, que também o acompanhou até a sepultura, ainda temos outra prova a quantidade de cêra (26) que gasta importou naqueles dias em 75$000, segundo consta de uma conta que no seu inventário foi apresentada pelo coadjutor Padre Zeferino Batista Carmo.

Depois de só lhe haverem celebrado três missas de corpos presente foram os seus restos inhumados no pequeno cemitério que em 1856, foi demolido por Frei Eugenio Maria de Genova, e incluído na área do grande S. Miguel.

Nem uma pedra foi colocada sobre a sua sepultura para assinalar aos seus sucessores o lugar onde repousam as precisas cinzas de um benfeitor.

Em suas disposições testamentárias instituiu diversas deixas, Em dentro as quais citaremos apenas mais as importantes:

Uma de 50$000 para auxilio da construção da cadeia que se projetava fazer, debaixo da direção da Juiz de paz Capitão Joseph da Silva Rodrigues e o Juiz de Orfãos Capitão Domingos da Silva e Oliveira, seu irmão e nosso amado avô.

O retiro (tenda) atual casa do Major Zeferino Sampaio, a seu genro Adriano, avaliado em 100$000.

Deixou livre o seu escravo Manoel Ferreiro com a obrigação de fazer todas as obras de ferro empregadas na construção da Matriz Nova de Santo Antônio e S. Sebastião de Uberaba e também 4 arrobas de ferro e uma de aço, para o começo das mesmas obras.

A chácara Boa Vista (Instituto) com engenho de cana e todos os seus pertences, á sua esposa dona Antonia.

Legou a N. S. do Carmo de Morrinhos (Prata) as torres dos Morrinhos, para logradouros dos habitantes, com expressa condição de ali senão fazem roças, sob pena de nulidade na deixa.

Declarou possuir terras havidas na herança materna na Fazenda Santo Antônio (da Canastra), bem como uma outra parte entre a “Fazenda Velha” e o Córrego de Cascavel.

Era muitíssimo católico, pois ordenou em o seu testamento que os padres que se achavam presente no dia de sua morte, cada um celebrasse uma missa em sufrágio de sua alma, “além de seiscentas que deveriam ser ditas no prazo de um ano”, obedecendo á seguinte determinação; 300 por sua alma; 100 segundo a sua intenção; 100 por intenção daqueles com quem teve negócios; 50 por alma de seus pais, e outras tantas pelas almas do purgatório, mais necessitadas.

Declarou se irmão (remido) de S. Francisco, em Tamanduá, e do Senhor de Matosinhos em Congonhas.

Instituiu como seus testamenteiros o Vigário Silva, Capitão Domingos da Silva e Oliveira e seu filho Valeriano Antônio Mascarenhas, aos quais autorizou distribuir a quantia de 200$000 aos pobres do dia de sua morte, e a de 200$000 a três filhas de viúvas pobres, que vivessem honestamente.

A Câmara Municipal de Uberaba, grata á sua memória de seus benfeitos, fez gravar nas placas de uma de suas ruas o nome do Major Eustachio, para que assim ele fosse, a todo momento, lembrado e venerado pelos seus filhos.

Do seu matrimônio com D. Antônia Angélica de Jesus, não teve geração; mais deixou três filhos naturais, dos quais os dois primeiros reconheceu, em testamento, como filhos legítimos, herdeiros e foram eles:

1-1  Valeriano Antônio Mascarenhas, natural do Desemboque. Falecido solteiro em Uberaba, em idade avançada.

1-2  Francisca Maria, casada com Adriano José Fernandes. Consta-nos que deste casal á numerosos descendentes no extremo oeste do Triângulo Mineiro, Municípios de Frutal e Vila Platina.

1-3  Sebastiana Maria do Espírito Santo, natural do Desemboque onde se casou em 1815, com o Capitão Tomaz José de Miranda Porto, natural da cidade deste nome em Portugal, falecido em Uberaba a 16 de Junho de 1843, filho legítimo dos portugueses Manoel José de Miranda Porto e Maria Joaquina Diniz Wauxiller, foi agricultor e proprietário da antiga Fazendinha, por ele Crismada com o nome de Badájos, no distrito de Uberaba. D. Maria Sebastiana do Espirito Santo, faleceu nesta cidade, aos 87 anos de idade, a 6 de Novembro de 1880. Teve os seguintes filhos:

Anúncios

25 Respostas to “0 0 0 0 A família de Eustáquio da Silva e Oliveira na História e na fundação de Uberaba, pelo Vigário Silva e Borges Sampaio, Eustáquio e a Fundação de Uberaba por Hildebrando Pontes”

  1. marcos maurício mendes lima Says:

    Sou da parte materna,do tronco genealógico de Manuel de Sousa Pinto/ou Portugual-português que foi fazendeiro na Serra dos Caixetas(Congonhas do Campo),no Século Dezenove. Lendo o Almanak Civil e Industrial de Minas(1865), pude identificar as curiosas figuras de Uberaba daquela época: Vereadores…Alferes:Venceslau Pereira de Oliveira;Dito paroquial/Capitão:Joaquim José de Oliveira Penna:Tenente Coronel:José Teixeira Alves de Oliveira:Juiz de Paz….Antônio Gonçalves da Costa;Substitutos…Major Antônio de Oliveira;Promotor Público…José Avelino da Silva Diniz;Escrivão de Órfãos…Luiz da Silva e Oliveira;Ditos Particulares…Joaquim José de Oliveira Lima e Coletor…José de Oliveira. Queria saber informações de algum parente do genalogista,político,farmacêutico e republicano:Arthur Alves de Alcântara Campos(1868/1954(?),uma vez que ele foi casado com a filha de Juscelino Pacheco de Sousa(meu parente),que foi primeiro prefeito nomeado de Entre Rios de Minas;curiosamente o casarão de minha avó pertenceu ao grande cultor Arthur Campos.Na cidade de Ibirité,tem uma rua e o fórum com seu nome. mlmlmarcoslima@gmail.com.

    • capitaodomingos Says:

      procure neste site que tem o livro do artur campos online. em pdf. esse almanaque de 65, onde voce leu?
      antonio gonçalves da costa juiz de paz foi preso na confusão da eleição, veja pagina antonio carrilho de castro boiadeiro
      jose da silva diniz tambem tem neste site e no artur campos. porem nunca soube que era avelino. luiz da silva e oliveira é filho do capitao domingos.

  2. marcos maurício mendes lima Says:

    Possuo o livro Almanak Administrativo,Civil e Industrial de Minas Gerais(1865),dos pesquisadores:Capitão:Antônio de Assis Martins e Alferes:José Oliveira; imfelizmente o livro é incompleto.Pois faltam as páginas de 74 a 99. É talvez a referência mais antiga sobre Minas Gerais que conheço. Me parece que este livro foi impresso em Portugal. No Ebay eles vendem a cópia Xerox.
    Mas prefiro o original.Somente a Fundação Amilcar Martins possue o livro completo.Vou ver a referência sobre o Juiz Antônio Gonçalves da Costa(os Costa é sobrenome forte em Minas) que você me falou.Obrigado.

    • capitaodomingos Says:

      sim, eu já vi na biblioteca municipal de sao joao del rey onde havia muitos livros antigos um livro deste tipo. parece que estes livros antigos foram para a universidade federal.
      como acessar este ebay?
      quanto ao gonçalves da costa, há umm mistério nisso. a minha tia ana, sempre batizava os filhos como filhos naturais e no inventario todos são Costa.
      vou verificar isso no arquivo de uberaba. há outros livros muito antigo e raros Miliet de Saint adolphe, coreografia de mg, e os viajantes franceses.

  3. marcos mauricio mendes lima Says:

    Cap.Domingos,estive em Ibirité/MG, e conheci parentes de Arthur Alves de Alcântara Campos, fiquei sabendo que ele faleceu em 16 de Março de 1956.Fui presenteado com uma medalha “Arthur Campos”,cedido por seu parente o Sr.Paulo Campos Taitson.Foi de uma homenagem que fizeram ao saudoso polígrafo em Ibirité. Arthur Campos,foi também advogado.Estou tentando conseguir uma foto dele para poder fazer-lhe uma homenagem.

    • capitaodomingos Says:

      o livro dele é de 1.900. não acredito que morreu em 56. deve ser um filho dele.

      • Maria Elizabeth Says:

        Prezado Senhor. Sou sobrinha-bisneta de Arthur Campos. Possuo uma foto dele, na ordenação de seu sobrinho-neto, padre José Campos Taitson. Posso enviar-lhe esta foto digitalizada. Obrigada por citar meu culto tio.
        Maria Elizabeth

  4. marcos mauricio mendes lima Says:

    Arthur Campos,nasceu em 1868, portanto morreu em 1956,com 88 anos incompletos.Tinha somente uma filha legítima.Foi o primeiro juiz de paz no distrito de Vargem do Pantana(hoje Ibirité),no ano de 1890.

  5. marcos mauricio mendes lima Says:

    Arthur Campos,que trabalhou na APM,escreveu 2 livros,um de genealogia e,outro sobre a Irmandade de Nossa Sra das Brotas(?). Eu tenho digitalizado o livro:”Traços Genealógicos”. Caso vieres em BH, levo uma cópia pra você lá no Edifício Arcângelo Maletta/Augusto de Lima c/Bahia. Meu amigo Tião tem um cebo lá no 2º piso. É só me mandar um gmail pro mlmlmarcoslima@gmail.com.

    • capitaodomingos Says:

      sim, este texto está aqui no site do Capitão Domingos, só que a história das teresas está errada. Eu tenho o correto aqui no site também.

  6. marcos mauricio mendes lima Says:

    Caro amigo,a gente vai pesquisando e descobrindo.Na verdade Arthur Campos,entre outros, escreveu dois artigos: “O Jornalismo em Sabará” (1901) e “Relatório da Irmandade do Santíssimo Sacramento da Cidade de Entre-Rios de Minas”(1920).Saiu um homenagem ao polígrafo Arthur Campos,na Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais(Volume XXXIII-Dezembro de 2009,instituição que teve ele como um dos cadeirantes;tem até uma foto rara do distinto.

  7. josé roberto isabel Says:

    Tenho um livro com a assinadura de Arthur alves de Alcantara campos de 1920, doando para o instituto histórico e geografico de minas gerais em 1954, do qual era sócio

  8. marcos mauricio mendes lima Says:

    No primeiro texto que mencionei, falei do Capitão Joaquim José de Oliveira Penna(1829-1902)- era meu parente colateral .Somente agora é que descobri que ele era natural da cidade de Entre Rios de Minas. Mudou-se para Uberaba e tornou-se uma pessoa de prestígio.

    • capitaodomingos Says:

      vou procurar mais sobre eles nos livros do primo hidelbrando. sim ele foi muito importante. vou procurar o inventario dele no arquivo. muito obrigado. eu não lembro o que escreveu sobre ele, em que comentario foi?

  9. Giselda Campos Says:

    BELEZA DE SITE!!!!!!!!!!!

    • capitaodomingos Says:

      esta página está no começo. não conseguimos ainda transcrever e corrigir o restante do livro do primo Hildebrando. VC é de Uberaba, sabe se o doutor Silvio Pontes Prata, neto do velho Hildebrando, já morreu? Poderia avisar os netos do Artur de Melo Teixeira e outros da Familia e os Terra, da Tia Senhorinha e do primo Maneco Terra, queria que eles lessem este site, queria entrevista-los e escanear fotografias.
      iremos agora a vila rica e glaura pesquisar, filmar e fotografar.

  10. marcos maurício mendes lima Says:

    Maria Elizabeth, você é de Ibirité?. Por gentileza, me envie a imagem do genealogista, Arthur Campos para meu gmail. Mmeu gmail é: mlmlmarcoslima@gmail.com. Conheço bem da história do Padre José Campos Taitson. Seu nome consta na Genealogia da Família de Joaquina de Pompêu.Duas descendentes dela de sobrenome Abreu, casaram-se na família dos Campos, de Ibirité.Ficarei muito grato com a imagem, se possível colocar o ano.Desde já obrigado.

  11. Maria Elizabeth Taitson Bueno Says:

    Olá Marcos. sou de Ibirité, da família Campos Taitson. Minha avó D. Alcina Campos Taitson, pelo lado materno descendia da Joaquina do Pompéu. E pelo lado paterno era sobrinha de Arthur Alves de Alcântara Campos. O historiador Marcio Jardim escreveu uma biografia do também seu antepassado Arthur, que deve estar disponível no Instituto Histórico e Geográfico de MG. Márcio ocupa a cadeira que foi do seu tio bisavô. Vou te enviar a foto por e-mail. Em tempo: você conhece a edição atualizada do livro sobre a genealogia de D. Joaquina do Pompéu, de Deusdedit Ribeiro de Campos? Não sei se está esgotada. Um abraço. Elizabeth

  12. maria amelia osorio ronchi Says:

    pesqiso, porque sou desta familia silva e oliveira
    meu pai francisco da silva oliveira

  13. Luciana Miranda (@lucianamiranda_) Says:

    Tenho algumas erratas com nomes e datas para passar sobre a parte da Maria Rita de Miranda e Antonio Bernardino da Costa (ambos meus antecedentes).

    Para quem posso passar os nomes e dados?

  14. ANTONIO CAIXETA Says:

    Marcos me envie uma fotinha do Arthur Alves de Alcântara Campos. Pesquiso a Família Caixeta há 29 anos.

  15. ANTONIO SERGIO DA SILVA Says:

    OLA, VC ACHOU MAIS ALGUM DOCUMENTO SOBRE A FAMILIA DE RITA CONSTANCIA DA SILVA CARDOSO ,DE NOVA LIMA .
    ESPERO QUE ESTEJA BEM E QUE VC POSSA CONTINUAR COM ESTES RELATOS MUITO OBRIGADO .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: