0 0 0 0 0 0 A Família do Capitão Domingos da Silva e Oliveira, Sargento Mor Eustáquio da Silva e Oliveira, Coronel José Manuel da Silva e Oliveira – Filhos, netos e bisnetos em diversas famílias de Uberaba-MG

Aquilo que ouvimos e aprendemos e nossos pais nos contaram,

não o encobriremos aos nossos filhos,

nós o contaremos de geração em geração.

Aqui, nesta página, escrito por Hildebrando Pontes de Araújo, os descendentes de:

JOÃO QUINTINO DE OLIVEIRA, Capitão Mor de Itapecerica-MG, antiga Vila de Tamanduá, a décima vila de Minas Gerais.

familia de joao quintino de oliveira

Tenente Joaquim da Silva e Oliveira, pioneiro e segundo introdutor do gado em Uberaba-MG

tenente joaquim da silva e oliveira e descententes

CAPITÃO DOMINGOS DA SILVA E OLIVEIRA, primeiro presidente da Câmara Municipal de Uberaba-MG quando a Câmara Muncipal  governava as vilas e não existia Prefeitura Municipal.

Capitao Domingos sua família PAULO CESAR NAO APAGAR !

Antonio Eustáquio da Silva e Oliveira, sargento mor, fundador de Uberaba-MG.

familia do eustáquio

José Manuel da Silva e Oliveira, Coronel, Líder do Desemboque-MG, descobridor de Minas de Ouro em Goiás, tetra avo do Presidente Fernando Henrique Cardoso.

descendentes de jose manuel da silva e oliveira

E o filho natural Silvestre da Silva e Oliveira, tido com Ana Maria da Silva:

alferes silvestre da silva e oliveira

ASSIM VIEMOS DE PORTUGAL NOSSA TERRINHA

caravela

em formato doc:

familia de joao quintino de oliveira

capitao domingos texto

OLIVEIRA É UMA ÁRVORE QUE DÁ EXCELENTES FRUTOS E DURA MAIS DE MIL ANOS

 oliveira

SOMOS DURIENSES – A MARAVILHOSA REGIÃO DO DOURO

somos-durienses

Leia aqui esta página em PDF para facilitar a consulta de nomes, use o Ctrl F:

capitao domingos 20 jan 15

Em  2010, fez 70 anos da morte do velho Hildebrando de Araújo Pontes, portanto seus trabalhos caíram em domínio público, e, aqui, serão publicados na íntegra.

Parte do texto são acréscimos feitos, nos anos 1950, depois de Hildebrando ter falecido. Provavelmente feitos por Dalila Soares de Azevedo.

Publicaremos também o “DIALECTO CAPIAU“, escrito por Hildebrando Pontes de Araújo.

Já está conosco, o microfilme.

desemboque dois

E, publicaremos textos sobre o Desemboque, raiz dos Silva e Oliveira no Triângulo Mineiro, onde governamos como comandante de Ordenanças e como juiz do Julgado do Desemboque.

desemboque um

=-

HILDEBRANDO PONTES DE ARAUJO escreveu a genealogia de 4 famílias de Uberaba-MG:

Silva e Oliveira, Rodrigues da Cunha, Marques e Araujo (estes primos maternos do CAPITÃO DOMINGOS..

O TÍTULO Silva e Oliveira abrange os descendentes dos “Irmãos Silva e Oliveira”, filhos do Sargento-Mor JOÃO DA SILVA DE OLIVEIRA e de Joana Francisca de Paiva.

No “Título Silva e Oliveira”, o Capítulo 4, abaixo transcrito, se refere aos descendentes do Capitão Domingos da Silva e Oliveira, “quarto filho”de JOÃO DA SILVA DE OLIVEIRA.

Assim, por exemplo, nas notas deste texto, “Ver Título Silva e Oliveira, Capítulo 4,  § 5”, se refere, no texto abaixo, ao quinto filho do Capitão Domingos.

Veja aqui em PDF com o espaçamento correto:

OS DESCENDENTES DO CAPITÃO DOMINGOS DA SILVA E OLIVEIRA

=

INVENTÁRIO DO TIO EUSTÁQUIO – ASSINATURA DO VOVÔ CAPITÃO DOMINGOS COMO JUIZ DE ÓRFÃOS DE UBERABA EM 1833.

Ver mais abaixo a transcrição deste seu testamento:

=

Nós viemos de Oliveira do Douro, Concelho de Cinfães, Distrito de Viseu, Portugal, Nos Estabelecemos em Casa Branca – Ouro Preto Minas Gerais, onde nasceu o CAPITAO DOMINGOS E SEUS IRMÃOS

Situada na margem esquerda do rio Douro, Oliveira do Douro é uma povoação antiquíssima, que se estende desde o Cabrum até Porto Antigo e sobe as encostas até às confrontações de Ferreiros de Tendais e Ramires. Tem ligações com a pré-história o remotíssimo povoamento do seu território, onde a toponímia mostra a existência de fortificações castrejas, no monte eminente às povoações por tal motivo chamadas Paredes e Castelo.

Oliveira do Douro reúne os lugares de Adragoso de Baixo, Água d’ Alta, Barbeita, Boassas, Boavista, Bouça, Bouças, Calçada, Carregosa, Carvalhal, Casal dos Desamparados, Castanheira, Castelo, Cinco Rodas, Costa do Barro, Desamparados, Deserto, Ermida, Espadela, Facho, Feitoria, Finzes, Fundoais, Igreja, Lameira, Levandeira, Lodeiro, Montão, Oliveira do Douro, Paçô, Paredes, Picão, Porto Antigo, Quinta Nova, Quintela, Revogato, Renda, Ribas, Salgueiral, São Domingos, Seixedo, Seixo, Tojal, Valmelhorado e Vila Nova.

Aqui viveu o explorador Serpa Pinto, após regressar de África, e também aquele que foi o autor da estátua erigida em sua homenagem, o pintor e escultor António Joaquim Fernandes Lima (Lima Machado Pereira).

Freguesia predominantemente rural, a olivicultura tem aqui forte implantação.

Até à conclusão e entrada em funcionamento da barragem de Carrapatelo, no rio Douro, as gentes desta freguesia tinham uma ligação quase umbilical com o rio. Embora a sua subsistência proviesse, em grande parte, da agricultura, esta era complementada com as atividades ligadas ao Douro.

A pesca do sável, do muge, do barbo e da lampreia, também sendo atividade comercial, era, basicamente, a grande fonte de alimento fresco dos naturais desta freguesia.

Por outro lado o rio funcionava como via de transporte de pessoas e produtos agrícolas, como a azeitona, para o grande mercado da cidade do Porto..

Outras Informações:
Distância à sede do Concelho: 14 km
Área: 1240 ha
Lugares: Boassas, Desamparados, Fundoais, Oliveira, Porto Antigo e Vila Nova.
Nº de Habitantes: 1785 (Ano de 2001)
Nº de eleitores: 1600 (Ano de 2001)
Orago: S. Miguel

=

PRIMEIRO O TIO EUSTÁQUIO e depois os filhos, netos, bisnetos, trinetos etc do CAPITÃO DOMINGOS da Silva e Oliveira.

–      CAPITULO III      –

NOTA: O Hildebrando não sabia o exato nascimento do Capitão Domingos e de seus irmãos e eu descobri e coloquei com detalhes na página inicial deste site:

Aqui o assento de casamento do Eustáquio:

2- SARGENTO-MOR ANTONIO EUSTÁQUIO DA SILVA E OLIVEIRA. Fundador de Uberaba-MG.

Abra o PDF:

familia do eustáquio

Batizado em Casa Branca, (Glaura), em 11 de outubro de 1769.  Fundador de Uberaba-MG, e construtor da primeira casa de Uberaba-MG. Um homem culto como se prova com as centenas de cartas que ele mandou para o Governador de MG. Estas cartas estão no Arquivo Público Mineiro em BH-MG.

“”AOS ONZE DIAS DO MÊS DE OUTUBRO DO PRESENTE ANO DE MIL SETECENTOS E SESSENTA E NOVE NESTA IGREJA MATRIZ DE SANTO ANTONIO DA CASA BRANCA BATIZOU E PÔS OS SANTOS ÓLEOS O REVERENDO DOUTOR ANTONIO ALVES PORTELA (tio de Eustáquio) A ANTONIO INOCENTE FILHO LEGÍTIMO DO ALFERES JOÃO DA SILVA DE OLIVEIRA E DE SUA MULHER JOANA FRANCISCA DE PAIVA, NETO PELA PARTE PATERNA DE MANUEL DA SILVA CARDOSO E DE ISABEL FRANCISCA, NATURAIS DA FREGUESIA DE SÃO MIGUEL DE OLIVEIRA DO DOURO, BISPADO DE LAMEGO, e PELA PARTE MATERNA DO ALFERES JOÃO ALVARES PORTELA NATURAL DA FREGUESIA DE SANTA MARIA DO CANEDO ARCEBISPADO DE BRAGA E DE JOANA MONTEIRA DE PAIVA NATURAL DA FREGUESIA DE SÃO PAULO DO PATRIARCADO DE LISBOA.

FORAM PADRINHOS, O CAPITÃO MATIAS GONÇALVES MOREIRA SOLTEIRO MORADOR NA FREGUESIA DE ANTONIO DIAS DO OURO PRETO E ANA MARIA DE PAIVA MULHER DE JOÃO GONÇALVES CAMPOS. DO QUE FIZ ESTE ACENTO E ASSINEI. VIGÁRIO ENCOMENDADO MANOEL DE BARROS.””

O Capitão Matias é na verdade Matias Távora da Silveira.

Santo Eustáquio morreu queimado, portanto o nome Eustáquio lembra o martírio dos Távoras.

Nota: O padrinho Mathias era Mathias de Távora da Silveira, (filho de Matias Gonçalves de Proença e Bárbara da Távora da Silveira}, mas não podia, na época, ninguém, usar o sobrenome (apelido)  Távora.

O dia de Santo Eustáquio é 20 de setembro que pode ser a data do nascimento do Tio Eustáquio. Mas é simbólico em todo caso. Este santo morreu queimado.

eustaquio um eustaquio dois

Antônio Eustáquio é irmão do Capitão Domingos, fundador de Uberaba-MG, Primeiro Presidente da Câmara Municipal.

Santo Eustáquio morreu queimado, portanto o nome Eustáquio lembra o martírio dos Távoras.

Nota: O padrinho Mathias era Mathias de Távora da Silveira, (filho de Matias Gonçalves de Proença e Bárbara da Távora da Silveira}, mas não podia, na época, ninguém, usar o sobrenome (apelido)  Távora.

=

BIBLIOTECA NACIONAL DO RIO DE JANEIRO- BRASIL:

Localização: C-0092,035
Autoridade: OLIVEIRA, Antonio Eustaquio da Silva
Título: Requerimento encaminhado ao Ministerio do Imperio, solicitando Habito de Cristo.
Local: [S.l.]
Data: [s.d.]
Paginação: 2 docs.
Coleção: Documentos biográficos
Notas: Orig. Ms.

Traslado de testamento feito em 1827, em que faleceu da vida presente o sargento mor Antonio Eustaquio da Silva e Oliveira e um livro razão que faz parte do mesmo testamento como adiante se lê:

Em nome da Santissima Trindade Padre Filho e Espírito Santo Tres pessoas … Deus..

Saibam quanto este instrumento virem como no Ano do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de hum mil oitocentos e vinte e sete em o primeiro de março neste arraial de Santo Antonio do Uberaba, eu Antonio Eustaquio da Silva e Oliveira estando em meu perfeito juízo desejando por minha alma no caminho da salvação faço este meu testamento na forma seguinte: primeiramente encomendo minha alma que a … e ao terno padre que pela morte de seu filho unigênito a queira a seu bem e a Virgem Maria e ao anjo da minha guarda e ao santo … e  a todos os santos da coorte do CEO são meus anteceçores quando minha alma quando deste mundo partir para que vá gozar a Bemaventurança para que foi criada por que como verdadeiro cristão … viver e morrer na Santa fé catholica e creio tudo que  tem e ora a Santa Madre Igreja … em cuja fé .. pretendo salvar a minha alma pelos merecimentos da paixão de Nosso Senhor Jesus Christo.. Declaro que sou natural da freguesia de Santo Antonio da Casa Branca filho legítimo do Sargento mor  João da Silva de Oliveira e Joana Francisca de Paiva já falecido que sou casado por (escrito) … com Dona Antônia Angélica e tenho dois filhos naturais Francisca casada com Adriano (josé fernandes), Valeriano Antônio de Mascarenhas o qual fora exposto em casa de meu cunhado Jerônimo Fernandes da Silva Macedo, (marido de Tia Rita e SOBRINHO de João Rodrigues de Macedo da inconfidência mineira, e, para o qual vovô João da Silva de Oliveira recolhia impostos), instituo ambos por meus legítimos herdeiros e universal de tudo depois de pagar todas as minhas dívidas e cumpridos os meus legados, … de minha fazenda declaro declari? que todos os bens que possuo verse hão declarados em um livro a quanto numerado e rubricado por mim aos vinte e sete de junho de mil oitocentos e vinte  treis no qual tenho descripto e descreverei todas as minhas disposições e legados que deixo e deixarei para que se cumprissem promptamente se aqui as escrevesse//Declaro que instituo por meus testamenteiros em primeiro lugar o vigário Antônio José da Silva em segundo o Capitão Domingos da Silva e Oliveira, (CAPITAO DE ORDENANÇAS EM 1827, e não da Guarda Nacional criada em 1831), e em terceiro ao meu filho Valeriano Antonio de Mascaranhas aos quais rogo que  ( … serviço? de Deos) queiram ser meus testamenteiros. Deixo a quem aceitar a premio de trezentos mil reis e hum anno para dar conta no juízo competente (……) que meu corpo seja acompanhado pelo pároco ou capelão do lugar que eu falecer e os mais clérigos que estiverem ao alcance os quais dirão missas de corpo presente

com a esmola de hum mil e quatrocentos .. que a atinge…. a cada hum hum …. a missa que quiserem pela esmola de oitocentos reis a cada huma.

Declaro que sou irmão remido de São Francisco em Tamanduá (Itapecerica-mg) do senhor do Matozinhos em Congonhas e meu testamenteiro mandará dizer seiscentas missas trezentas pela minha alma cem seguindo minha intenção cem por intenção das almas daqueles com quem tenho tido negocio sincoenta por alma de meus pais sincoenta por almas do purgatório por mais necessidade tivessem almas das quais missas serão ditas dentro de hum ano e por quanto esta minha ultima vontade esse faço ate minha letra e punho e assigno neste arraial de Santo Antonio da Uberaba no primeiro de março de mil oitocentos e vinte e sete // Antonio Eustachio da Silva e Oliveira//

Este texto manuscrito está na página da Arquidiocese de Uberaba-MG:

Eustáquio e sua mulher

CONHEÇA AQUI FILHOS NETOS E BISNETOS DO SARGENTO MÓR EUSTÁQUIO:

Abra o PDF:

familia do eustáquio

TEXTO DO HILDEBRANDO PONTES QUE NÃO CONHECIA O ASSENTO DE BATISMO DO SARGENTO MOR ANTONIO EUSTAQUIO – o qual descobri no Arquivo da Cúria de Mariana.

Este texto tem acréscimos da Dalila Alves.

“””””””””O Sargento Mor (22) Antônio Eustáchio da Silva e Oliveira, (23) era natural da Freguesia de Santo Antônio da Casa Branca de Ouro Preto antiga Capitania de Minas Gerais. Em um depoimento que prestou, no Desemboque, aos 26 de março de 1821, dizendo “ser homem branco, solteiro, agricultor, com 51 anos de idade”.

Devia estar com 54 anos de idade quando se casou por contrato de arras, e Uberaba, aos 13 de junho de 1826, com Antônia de Jesus Angélica, natural de freguesia do Bonfim de Congonhas, ela filha legítima de Bento de Araújo Filho o Florentina Angélica de Jesus.

O Sargento Mor ou melhor, major Antônio Eustachio da Silva e Oliveira, mais conhecido por Major Eustachio, foi fundador de Uberaba. Esta grande obra por ele começada e amparada, com energia que lhe era peculiar, tem, com orgulho, até hoje progressivamente atravessando os anos e chegado até nós, atestando a continuação de seus esforços.

O busto do venerando Major Eustachio, impondo-se á gratidão dos uberabenses, não pode, infelizmente, ser perpetuado num monumento porque na escura noite do passado, se perderam todos os seus traços fisionômicos; mas, a cada passo poderá ser lembrado seu nome, nas placas das ruas de Uberaba, e os seus feitos na história local.

Tanto basta para que a sua memória rebrilhe em nosso meio e o legado de suas ações prodigalize aos seus pósteros energia e tenacidade dignas de serem imitadas.

Sabia imprimir aos seus atos severo, cunho.

No cumprimento de deveres nunca logrou o desânimo de vencê-lo, muito embora viessem ao seu encontro variadas sortes de tropeços, como adiante veremos no ingente conquista dos sertões sul-goianos, hoje TRIÂNGULO MINEIRO.

Não é fácil a tarefa de fazer passar diante da vista do leitor a grande série de benefícios prestados pelo incansável mineiro a este torrão Triângular – Farinha Podre, notadamente Uberaba que ele tanto estremeceu.

Região naqueles tempos inteiramente despovoada, e inculta na sua conquista o consequente desenvolvimento, empregou toda a sua capacidade e energia, superando grandes dificuldades.

Amparado pela bafeijo oficial e de distintos amigos, pode afinal, ver aos poucos se erguer a sua grande obra e hoje que, garbosamente atravessou a locomotiva o solo do Triângulo Mineiro, faz admirar ao itinerário a sua eloquente audácia e bendizer o seu homérico feito.

Nos últimos anos do século XVIII, alguns abastados mineiros saídos da imediações do Ouro Preto, vieram se estabelecer no Arraial do Desemboque, Julgado da Capitânia de Goiás.

O ouro, eterna cobiça dos aventureiros, opulentava sobre tudo naqueles tempos, esta localidade que, como astro de primeira grandeza, despendia raios luminosos em todas as direções.

Esses ilustres itinerantes eram o Major Eustachio e seus irmãos.

Portadores de sólidos haveres e inteligência culta, apenas ali chegaram se alistaram ao número dos benfeitores e não se fizeram de rogados na conquista, propaganda e desenvolvimento deste parto.

Com prorrogação de “Julgado”, necessitava o Desemboque de Intervenção do Major Eustachio, para tomar parte ativa na gestão  do seu governo. Nestas condições exerceu os cargos de Juiz Comissário e Juiz Ordinário demarcando por essa ocasião muitas Fazendas a diversos peticionários da Farinha Podre.

Permanecendo até então inexplorada a grande faixa da terra compreendida entre os Rios Grande e Paranaíba, pelos lados do poente, aventurou-se uma comitiva bandeira, partida daquele lugar Julgado em demanda daquelas terras. De volta, comunicou ao Major Eustachio o êxito da sua feliz viagem. Este animado com o resultado, organizou uma segunda “Bandeira” de mais de trinta homens dentre os quais se escontravam diversos que fizeram parte da primeira, e internaram pelos desconhecidos sertões do Oeste. A cada passo surgiram embaraçados de toda sorte, como rios, pântanos, féras, indígenas, etc., como tentando frustrar o seu plano.

Mas, ao cabo de sessenta dias, regressaram todos ao ponto de partida trazendo magnificas impressões de tudo o que haviam visto.

Era mister, para a exploração de tantas terras incultas, estabelecer um núcleo colonial que, aos poucos, fosse radiando a civilização por onde andaram.

Nestas condições, abalou-se ele a vir se centralizar aqui (Uberaba) ás margens esquerda do Córrego das Lages, em terras aldeianas ou dos Índios, que margeavam légua e meia á direita e a esquerda da estrada, que de S. Paulo, atravessando o Rio Grande no Porto da Espinha, conduzia a fio Sul-Norte, ao Porto Velho, no Paranaíba, e dai com pequena inclinação ao Nordeste de Goiás.

Passando o Major Eustachio a residir no local indicado, ai edificou uma grande casa de moradia á margem esquerda do Córrego das Lages, mais ou menos um quilometro acima a sua fez no rio Uberaba. A essa morada deu o nome de “Chácara da Boa Vista”, posteriormente chácara de Lopes, Chácara D. Escolastica, “Instituto Zootécnico”, e atualmente “Fazenda Experimental”.

Para mais comodante afetar-se de certos movimentos de fazenda, veios a dois quilômetros e pouco acima e pela mesma margem, edificar um retiro, onde mantinha a sua criação de terreiro e tenda de ferreiro, a cargo de seu escravo Manoel, que adotou por Sobrenomes o de seu Ofício.

Pelos anos de 1807 a 1809, mais ou menos, diversas pessoas saídas do Desemboque vieram se estabelecer em modestas choupanas construídas á margem esquerda da Ribeirão do Lageado, afluente do Rio Uberava. Esta pequena povoação que chegou a mais do vento casas de construção toscas e uma pequena capela que, a princípio era, como casas, cobertas de folhas de palmeira baguassú, teve o nome de Arraial da Farinha Podre ou Arraial da Capelinha e como oragos Santo Antonio e São Sebastião.

Fora seu fundador o sertanista José Francisco de Azevedo.

Esta gente, devido aos esforços do Major Eustachio, foi aos poucos se transferindo para as imediações do seu retiro que ficava situado a 15 quilômetros a oeste daquele arraial, edificando em seguida boas casas, das quais nos dá testemunha o arrojado naturalista francês Saint – Hilaire, quando em 17 de Setembro de 1819, por aqui passou. Contava então cerca de 30 anos.

Parece fora de duvida que a nascente povoação logo assumisse grandes proporções, visto como aos 2 de março de 1820 era elevada a categoria de Freguesia.

Esta regalia era justamente devido aos ingentes esforços do Major Eustachio que, naquele mesmo dia, fora, por Carta Regia, autorizado a abrir estradas no distrito que fica entre os Rios Grande e Paranaíba até a confluência do sobreditos rios e aldeiar os gentios que habitavam naqueles lugares, ao mesmo tempo El-Rei ordenava ao Governador da Província que lhe prestasse auxílios, fornecendo-lhes numerário por conta da Real-Fazenda, vem como os vestuários e ferramentas que fosse necessárias aos índios.

Na abertura dessa estrada o Major Eustachio, teve do Governo de Metrópole, o auxilio de mil cruzados.

Interessado na colonização dos Sertões da Farinha Pedro, o Major Eustachio não ocultou esse desejo a seu irmão Coronel José Manoel da Silva e Oliveira, que muito intimamente, privava com o Governador da Capitania do Goiás, que então era o Marquez do São João da Palma.

Este, ao saber da pretensão do Major Eustachio, reconhecendo que seus serviços muito poderia lucrar e seu governo em descobertas e conquistas, mesmo porque “ Tinha do Sargento-Mor muito boas noticias “, por isso o nomeava, como efetivamente nomeou, por uma portaria datada de 27 de Outubro de 1809, “ Comandante Regente dos Sertões da Farinha Podre “ e depois que, por ate de 13 de Fevereiro de 1811, só criará aqui o distrito dos índios, fora ele nomeado “ Curador dos Índios”, do distrito.

A estrada, a cujas margens se reservam as terras aldeianas, fora em 1722, aberta de S. Paulo á Goiás, por Bartolomeu Bueno da Silva Filho – o Anhanguera. A esse tempo a região era povoada por índios da noção dos “ Caypós “. Estes, enquanto bem tratados pelo brando conservaram-se amigos, mas decorrendo-se os tempos, os papeis foram trocados: passando o índio a ser escravo, maltratando pelo branco colono; daí a inimizade  rancorosa do selvagem contra os brancos que a todo momento era ao longo da estrada, atacados pelos gentios “Cayapóes”.

Para opor um dique a tantos perigos e flagelos, os governos de Goiás e Cuiabá se puseram em ação.

Isto foi precisamente, em meios do século atrasado.

Desempenhando as funções de policias, fora pelo Coronel Antonio Pires de Campos, – á ordem daqueles governos, – estabelecidos em 18 aldeias marginais da estrada de S. Paulo a Goiânia, somente na parte compreendida entre os Rios Grande e Paranaíba – índios amansados de diversas tribos, dentro as quais se encontravam “Bororós”, em maior número “Javahis”, “Parecis”, “Carajás”, “Chicriabás” etc., contra os ferozes “Cayapos”, que por isso, aos poucos recuando para o oeste, na confluência dos Rios Grande e Paranaiba.

Para desmanchar tamanha intimidade entre os selvagens e civilizados, era preciso lançar mão de um meio branco, chamando aqueles ao grêmio de Paz, por meio da catequese. Nesse propósito a ação benéfica do Major Eustachio não se fez esperar.

É assim que o vemos dar cumprimentos ás autorizações daquela Carta Régia, levando ao gentio internato nas brenhas e selvas, a roupa, a ferramenta, a paz, enfim.

E a verdade deste acerto nos é transmitido pelo lustro vigário, mais não cometem menor habilidade, o que se deve ao jeito, ao amor com que tem sido tratados pelo Sargento-Mor Antonio Eustachio da Silva, que os visita todo os anos, prodigalizando-lhos roupas e ferramentas, ora á sua custa, ora a custa da Fazendo Publica.

Em 1826, quando Uberaba contava 91 casas, com uma população de 1.300 almas, a população dos Cayapós, elevava-se a mil, estabelecidos pela margem direita do Rio Grande, para Oeste.

Pacificada a região, pela catequese dos Cayapós,verificara-se que os índios policiais das margens das estradas de S. Paulo a Goiás diminuíam em números e as terras que habitavam, sendo desocupadas, ao passo que o número dos colonos imigrantes para a Farinha Podre era diariamente aumentado. Para acomoda-los o Major Eustachio requereu ao Governo de Minas – a quem já então estava sujeita a região, a transferência dos índios ainda restante entre os rios Grande e da Velhas, (atual Araguari) do Julgado Do Desemboque, para o Araxá, compreendido entre os Rios Paranaíba e das Velhas.

O desmembramento destes dois julgados (Araxá e Desemboque) da Capitania de Goiás causava-lhes a sua falência, porque sem os seus rendimentos, achava-se ela impossibilitada de ocorrer as suas despesas. Em virtude desse fato ordenou El-Rei que não obstante pertenceram os dois Julgados a Minas, as suas rendas seriam, no entanto, arrecadadas pela Fazenda de Goiás, isto por uma decisão de 8 de Fevereiro de 1817.

Descontentes com esse ato do Governo, os habitantes da Farinha Podre solicitaram do Major Eustachio que por eles intercedesse perante ao Governo, no sentido de serem as rendas arrecadadas para Minas. Em dois ofícios que o Major Eustachio dirigiu ao Govêrno mostro “o quanto aspiravam os povos respectivos pela continuação da administração civil e militar por parte desta Pocilia (Minas) e sustentasse ele maior tropa militar em destacamento na Corte, Bahia, Comarca de S. Francisco etc. , não podia  prescindir de suas rendas e nem deixar de corresponder ás folhas civil e Eclesiástica”.

Foi certamente em virtude dessa reclamação que o Governo houve por bem mandar proceder á arrecadação em favor de Minas algum tempo depois.

Como Comandante do Distrito, esta na alçada do Major Eustachio zelar pelas repartições da Fazenda Nacional e deste modo ei-lo a consultar o Governo, em data de 24 de Maio de 1827, que, tendo sido recolhidos ao patrimônio nacional, as terras dos índios, na parte compreendida no Julgado do Desemboque, se devia considerar como verdadeiros proprietários, independentes de títulos de sesmeiros, todos aqueles que nas mesmas terras tivessem estabelecido lá.

Eis porque algumas fazendas situadas dentro dos limites das terras dos índios, não constam de títulos de posse.

Em Janeiro de 1823, o Major Antonio Eustachio o d Vigário Antonio José da Silva, reconhecendo o encurtamento de distância entre distância esta então simples freguesia e a da França, com a abertura de um novo Porto na barra do Ribeirão de Ponte Alta, logo se puseram em atividade, e dentro em pouco teve o viajante estrada mais curta para se por em comunicação com S. Paulo e Santos.

Com abertura do Porto de Ponto Alta, o da Espinha foi em parte sendo abandonado, mesmo porque a maleita a tanto dava causa.

O vigário Silva, falando em 1826, ainda sobre serviços que o Major Eustachio prestou a Uberaba, remata pelas palavras seguintes:

“ Seja-me permitido, em obsequio ao merecimento, dizer em conclusão – que estando a Freguesia de Uberaba em circunstância de poder pela natureza do seu fértil solo interessar muito ao Império e aos particulares nela residentes e que vieram depois – deve-se tudo em grande parte ao Sargento-Mor Antonio Eustachio da Silva que não se tem poupado nem a despesas, nem a fadigas, nem a percursões, para aumentar a sua povoação, por em atividade o seu comércio o animar a agricultura. “

O major Antonio Eustachio da Silva e Oliveira não era um espírito culto, segundo se depreende do pouco que deixou escrito. Contudo, havia vivido na escola de sua terra natal a necessária instrução capaz de guia-lo na vida prática. Como homem de grande preponderância, parece-nos, foi completando aos poucos, e á sua custa própria, a sua educação.

A primeira fase da vida, isto, é aquela compreendida desde o seu nascimento, até a sua vinda, aos vinte e poucos anos para os sertões do Novo Sul, atual Triângulo Mineiro, não é conhecida. Sabemos, no entanto, que na sua terra natal dispunha de boas relações de amizade, com pessoa de reconhecido conceito.

Era energético no cumprimento dos seus deveres. Uberaba, nos seus primeiros dias de fundação, dava guarida ao grande número de criminosos foragidos das Gerais, que entravam a cometer toda sorte de atropelias. Para então refreiar essa caterva de malfeitores, o Major Eustachio obrigava-os a trabalhar na construção de muros, casa de taipas (terra socada) e outros serviços em roças.

Daqueles muros ainda se podem ver vestígios na chácara do Instituto, alguns trechos dos quais apesar de haver decorrido quase um século de existência, se conservam ainda intactos.

Isso disse-nos, o saudoso Capitão Manoel Joaquim da Silva Prata falecido em 1906, nesta cidade, aos 97 anos de idade. O Capitão Manoel Prata conviveu com o Major Eustachio, cerca de 13 anos.

Foi ainda este ilustre ancião quem nos transmitiu alguns traços fisionômicos do fundador de Uberaba: Era de mediana estrutura, cabelos louros, olhos azuis e voz semi-rouca.

A sua fisionomia foi melhor fotografada na do seu neto Capitão Antônio Tomaz de Miranda, falecido nesta cidade em idade avançada. Trajava calções de veludo, trazendo pendente a capa e a espada.

Trazia a barba feita. Em ocasiões precisas apresentava-as fardado com a banda o dragonas.

Amante do divertimento, por excelência, se entregava a caçadas de veados, antas e capivaras, o por muitas vozes, o interessante, e que estas caçadas se realizavam até em lugares que as edificações desta cidade já invadiram e ultrapassam até seus limites, tais como as partes compreendidas no quarteirão das ruas Vigário Silva, Padre Antônio, Nunes Viana, Praças da Cadeia e Santa Rita, e rua dos Bandeirantes, naqueles Tempos extensos vargeados de brejos.

Nestas caçadas sempre o acompanhava o ajudante Pedro Gonçalves da Silva.

O Major Eustachio (Eustáquio em grafia atual) da Silva e Oliveira fez o seu testamento em 1º de março de 1827, contando ele de 58 itens.

Por sua morte verificou-se que deixou bens no valor de 31:874$419, gastando em custas 2:212$370, verificando-se um saldo de ……… 29:659$079.

Faleceu na segunda feira de 6 de fevereiro de 1832, em sua Chácara Bôa-Vista, rodeado de filhos e amigos.

O eu enterro realizou-se no dia seguinte com o acompanhamento do Vigário Antonio José da Silva, Padre Francisco Ferreira da Rocha e o coadjutor Padre Zeferino Batista do Carmo, músico (banda de Bernardo Relógio) e grande número de amigos e admiradores, segundo nos afirmou o referido Capitão Manoel Joaquim da Silva Prata, que também o acompanhou até a sepultura, ainda temos outra prova a quantidade de cêra (26) que gasta importou naqueles dias em 75$000, segundo consta de uma conta que no seu inventário foi apresentada pelo coadjutor Padre Zeferino Batista Carmo.

Depois de só lhe haverem celebrado três missas de corpos presente foram os seus restos inhumados no pequeno cemitério que em 1856, foi demolido por Frei Eugenio Maria de Genova, e incluído na área do grande S. Miguel.

Nem uma pedra foi colocada sobre a sua sepultura para assinalar aos seus sucessores o lugar onde repousam as precisas cinzas de um benfeitor.

Em suas disposições testamentárias instituiu diversas deixas, Em dentro as quais citaremos apenas mais as importantes:

Uma de 50$000 para auxilio da construção da cadeia que se projetava fazer, debaixo da direção da Juiz de paz Capitão Joseph da Silva Rodrigues e o Juiz de Orfãos Capitão Domingos da Silva e Oliveira.

O retiro (tenda) atual casa do Major Zeferino Sampaio, a seu genro

Adriano, avaliado em 100$000.

Deixou livre o seu escravo Manoel Ferreiro com a obrigação de fazer todas as obras de ferro empregadas na construção da Matriz Nova de Santo Antônio e S. Sebastião de Uberaba e também 4 arrobas de ferro e uma de aço, para o começo das mesmas obras.

A chácara Boa Vista (Instituto) com engenho de cana e todos os seus pertences, á sua esposa d. Antonial.

Legou a N. S. do Carmo de Morrinhos (Prata) as torres dos Morrinhos, para logradouros dos habitantes, com expressa condição de ali senão fazem roças, sob pena de nulidade na deixa.

Declarou possuir terras havidas na herança materna na Fazenda Santo Antônio (da Canastra), bem como uma outra parte entre a “Fazenda Velha” e o Córrego de Cascavel.

Era muitíssimo católico, pois ordenou em o seu testamento que os padres que se achavam presente no dia de sua morte, cada um celebrasse uma missa em sufrágio de sua alma, “além de seiscentas que deveriam ser ditas no prazo de um ano”, obedecendo á seguinte determinação; 300 por sua alma; 100 segundo a sua intenção; 100 por intenção daqueles com quem teve negócios; 50 por alma de seus pais, e outras tantas pelas almas do purgatório, mais necessitadas.

Declarou se irmão (remido) de S. Francisco, em Tamanduá, e do Senhor de Matosinhos em Congonhas.

Instituiu como seus testamenteiros o Vigário Silva, Capitão Domingos da Silva e Oliveira e seu filho Valeriano Antônio Mascarenhas, aos quais autorizou distribuir a quantia de 200$000 aos pobres do dia de sua morte, e a de 200$000 a três filhas de viúvas pobres, que vivessem honestamente.

A Câmara Municipal de Uberaba, grata á sua memória de seus benfeitos, fez gravar nas placas de uma de suas ruas o nome do Major Eustachio, para que assim ele fosse, a todo momento, lembrado e venerado pelos seus filhos.

Do seu matrimônio com D. Antônia Angélica de Jesus, não teve geração; mais deixou três filhos naturais, dos quais os dois primeiros reconheceu, em testamento, como filhos legítimos, herdeiros e foram eles:

1-1  Valeriano Antônio Mascarenhas, natural do Desemboque. Falecido solteiro em Uberaba, em idade avançada.

1-2  Francisca Maria, casada com Adriano José Fernandes. Consta-nos que deste casal á numerosos descendentes no extremo oeste do Triângulo Mineiro, Municípios de Frutal e Vila Platina.

1-3  Sebastiana Maria do Espírito Santo, natural do Desemboque onde se casou em 1815, com o Capitão Tomaz José de Miranda Porto, natural da cidade deste nome em Portugal, falecido em Uberaba a 16 de Junho de 1843, filho legítimo dos portugueses Manoel José de Miranda Porto e Maria Joaquina Diniz Wauxiller, foi agricultor e proprietário da antiga Fazendinha, por ele Crismada com o nome de Badájos, no distrito de Uberaba.  D. Maria Sebastiana do Espirito Santo, faleceu nesta cidade, aos 87 anos de idade, a 6 de Novembro de 1880. Teve os seguintes filhos:

Abra o PDF:

familia do eustáquio

=

Leia aqui no PDF os descendentes do Tenente Joaquim da Silva e Oliveira, irmão do CAPITÃO DOMINGOS e do SARGENTO MOR ANTONIO EUSTAQUIO:

tenente joaquim da silva e oliveira e descententes

Tio Joaquim morreu em 1839, em Uberaba-MG, deixando as fazendas para tia Maria Violante cuidar;
nota: Sesmaria eram matos que os Governadores das Capitanias davam para bravos que queriam plantar e colher sem ajuda do Governo.

DESCENDENTES DO CAPITAO MOR DE TAMANDUA JOÃO QUINTINO DE OLIVEIRA, irmão mais velhos do CAPITAO DOMINGOS E DO Sargento Mor Antonio Eustáquio da Silva e Oliveira:

familia de joao quintino de oliveira

=

3- CAPITÃO GENERAL JOSÉ MANUEL DA SILVA OLIVEIRA: Batizado em Casa Branca (Glaura), em  29 de abril de 1771. IRMÃO DO CAPITÃO DOMINGOS E DO SARGENTO MOR ANTONIO EUSTAQUIO DA SILVA E OLIVEIRA.

Tetravô do PRESIDENTE DE REPÚBLICA FERNANDO HENRIQUE CARDOSO.

dicionario aristocratico jose manuel

Aqui os filhos e netos e bisnetos do CAPITÃO GENERAL JOSÉ MANUEL DA SILVA E OLIVEIRA.

PDF, use CTRL F para pesquisar nomes.

Você terá a Genealogia da Família Esselin, Família França e Pereira Cardoso.

descendentes de ose manuel da silva e oliveira

Barbaramente assassinado, em 1814, em Traíras-GO. Traíras agora são ruínas históricas abandonadas.

Nome dado em homenagem aos seus avós (José e Manoel). Herói sertanista. Homem culto, seu padrinho de batismo foi o político mais importante de Minas Colonial:  o Capitão Mor de Vila Rica do Ouro Preto José Álvares Maciel.  Seu filho José Álvares Maciel Filho foi inconfidente.

O Capitão General José Manuel da Silva e Oliveira foi grande conhecedor de mineralogia, influente no Governo de Minas e Goiás.
Existem estudos seus guardados no Instituto Histórico do Rio de Janeiro e na Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro.  Ele fez um estudo sobre as minas de ouro e diamantes de Goiás. Este estudo está na Biblioteca Nacional. Nós pretendemos copiar este estudo brilhante e  postá-lo neste site.

JOSÉ MANUEL Foi líder da Região do Desemboque (atual Triângulo Mineiro), na época que a região pertencia a Goiás. Faleceu assassinado em Traíras-GO, em 1814. PESQUISAMOS: inventário do José Manuel em Goiás Velho, cartas e patentes dele no arquivo publico goiano, eventual processo crime sobre seu assassinato.

Tio José Manuel é tetra avô do Presidente Fernando Henrique Cardoso.  Não se casou, mas deixou órfãos muito novos. Traíras hoje em dia é apenas ruínas históricas. O PRESIDENTE e sua família também gostam de genealogia e de preservar a memória da família, o que muito nos honra.

=

BIBLIOTECA NACIONAL DO RIO DE JANEIRO- BRASIL:

A biblioteca nacional quer muito caro pela cópia do documento e diz que está em péssimo estado. Mas onde estão os outros 2 textos de José Manuel, doados ao Instituto Histórico do RJ?

=

: OLIVEIRA, José Manuel da Silva e
Título: Descrição sobre o estado atual da navegação dos rios Araguaia, Tocantins, e Maranhão, encaminhado a d. Rodrigo de Souza Coutinho.
Datas: Rio de Janeiro 14/07/<1808>
Dimensão e suporte: 07 p.
Nota: Capa e folhas soltas. Original e Autógrafo. Manuscrito.
Âmbito e Conteúdo: V rias informações sobre diversos rios com indicações e relatos da existência de várias minas de ouro.
Assuntos: Rios – Brasil
Navegação – Brasil
Minas e mineração – Brasil
COUTINHO, Rodrigo de Souza
Araguaia, rio
Tocantins, rio
Maranhão, rio

“”AOS VINTE E NOVE DIAS DO MÊS DE ABRIL DESTE PRESENTE ANO DE MIL SETECENTOS E SETENTA E UM NESTA IGREJA MATRIZ DE SANTO ANTÕNIO DA CASA BRANCA BATIZOU E POS OS SANTOS OLEOS O DE MINHA LICENÇA O REVERENDO DOUTOR PADRE FRANCISCO ANTONIO DUMIENSE, MORADOR NA FREGUESIA DE NOSSA  SENHORA DE NAZARE A JOSÉ INOCENTE FILHO LEGÍTIMO DO ALFERES JOÃO DA SILVA DE OLIVEIRA E DE SUA MULHER JOANA FRANCISCA DE PAIVA, NETO PELA PARTE PATERNA DE MANUEL DA SILVA CARDOZO E DE ISABEL FRANCISCA, NATURAIS DA FREGUESIA DE SÃO MIGUEL DE OLIVEIRA DO DOURO BISPADO DO PORTO, DIGO BISPADO DE LAMEGO, E PELA PARTE MATERNA DO ALFERES JOÃO ALVARES PORTELA NATURAL DA FREGUESIA DE SANTA MARIA DO CANEDO DO ARCEBISPADO DE BRAGA E DE JOANA MONTEIRA DE PAIVA NATURAL DA FREGUESIA DE SÃO PAULO DO ARCEBISPADO DE LISBOA, FORAM PADRINHOS O capitão-mor JOSÉ ALVARES MACIEL DA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DO PILAR DO OURO PRETO E MARIA TEREZA DE BARROS MORADORA NESTA FREGUESIA. DO QUE FIZ ESTE ACENTO E ASSINEI. VIGÁRIO MANOEL DE BARROS.”‘

TEXTO TAMBÉM DO HILDEBRANDO PONTES:

Agora o grande tio José Manuel da Silva e Oliveira, tetra avô do presidente Fernando Henrique Cardoso:

– Capítulo I –

Capitão General José Manoel da Silva e Oliveira, natural de Santo Antônio da Casa Branca, de Ouro Preto, sendo ignorada sua vida durante o tempo que residiu nessa localidade. A maior parte dos apontamentos biográficos do Capitão General José Manoel foi-nos fornecidas pelos seus netos. Por exemplo, o Coronel Antônio Augusto de Oliveira França e Francisco de Paula e Oliveira França, ambos há poucos falecidos, e que sempre os guardavam de memória.

Veio para o Desemboque como Capitão, encarregado pelo governador das Minas Gerais, de apurar os muitos criminosos que, neste lugar, assentaram-se.

Aqui chegando viu que existindo, de fato, tal gente es

…………………………………………….

* Este capítulo não pode ter continuidade devido o livro original estar muito estragado e irreconhecível sua escrita. O mesmo será os capítulos seguintes que não será descrito, pois, não há condição de prosseguir. (Faltam folhas daqui para frente ) ..

* Desemboque fica no município de Sacramento – MG.

—————–

Esta só cuidava, pacatamente, da extração de ouro abundante na região, pagando pontualmente o quinto real imposto. Diante disso deixou de dar cumprimento ao mandato e voltou a informar ao Governador, do que testemunhara, mais ou menos, no ano de 1788.

O governador aplaudindo a resolução de José Manuel elevou-o do posto de capitão a coronel e o nomeou fiscal da arrecadação do quinto real do ouro extraído na comarca do Novo Sul, hoje triângulo Mineiro.

Aqui chegando tomou o partido de Goiás, na antiga questão de divisas entre capitania e a de Minas. Foi nomeador pelo Governador de Goiás Comandante do Julgado do Desemboque, cargo que exerceu desde 1789 ate 1804.

Em 1794, ocupou no Araxá, o cargo de Juiz Ordinário do distrito depois o de Juiz Comissário da mesma localidade. Em 1799, em sociedade com Manoel Francisco, obter a concessão de uma sesmaria de terras denominada S. Manoel do A beneficio. Esta comarca, ou melhor, sesmaria depois passada a outros proprietários deu margem a uma longa chicana que durou cerca de 30 anos. Limitava-se com a de Santa Maria do Capim Branco, do Município de Sacramento e hoje conquista.

Os irmãos de José Manoel só vieram para o Novo Sul depois que ele regressará à Casa Branca.

Estes irmãos foram: Sargento Mor ou Major Antonio Eustáquio, Capitão Domingos, Tenente Joaquim da Silva e Oliveira, e mais primos: vigário Hermógenes e seu irmão Antônio Alves Portela Dumiense, também padre e primos filhos de Luís da Silva Cardoso.

O novo Sul, nesse tempo era parte integrante de Goiás, antigo distrito de Vila Boa.

José Manoel foi um notável sertanista; penetrando pelos sertões de Goiás, tocou as divisas de Mato Grosso, descobrindo as minas auríferas do córrego do ouro, hoje Caiapó, comarcas de Torres do Rio Bonito. Devido ao grande número de ranchos que ali deixou, ficou o local até hoje conhecido por Tapera do José Manoel.

De regresso a Rio de Janeiro, se apresentou, ao governador geral a quem presenteando com uma grande cópia de ouro, prestou magníficos informes sobre as riquezas de Goiás. Em recompensa nomeou-lhe o Governador Superintendente geral das minas de Goiás, passando dali por diante José Manoel a ser pessoa de alto conceito não só da Capitania como do Governo Geral.

Seguiu com numerosa contingente de escravos em direção á Serra das Pitombas, cujas minas auríferas ele iria explorar, mais aconteceu que em meio da jornada, perdendo maior parte dos escravos, devido a febres, teve de retroceder, deixando, contudo, revelada a existência de tais preciosas minas, mais tarde, proveitosamente, por outros exploradas.

Incrementou muito progresso de Goiás, era abrindo novas estradas, ora desenvolvendo a navegação de seus grandes e numerosos rios.

O Dr. Antonio Martins de Azevedo Pimentel, em seu “O Brasil Central”, publicado em 1907, citando o que Alencastro, escrevera sobre Goiás, em 1863, relata o seguinte, com referência a José Manoel:

“Em 26 de Maio de 1809, na foz do Rio Manuel Alves Grande, fundou-se um Presidio Militar para proteger o Comércio e a escola, entre Porto Real e S. João das Duas Barras. Ao desembargador  Teotônio Segurado e Coronel  José Manuel da Silva e Oliveira, aquele Ouvidor e este comandante Militar da nova Comarca, muita se deve o ter sido naquele tempo a navegação do Tocantins mais próspera do que é hoje. “

Em recompensa aos inestimáveis serviços prestados ao Governo Geral foi o Cel. José Manuel da Silva e Oliveira nomeado Capitão General e governador de Pará, mais ou menos no meados de 1814. (Isso nunca foi confirmado, Pará tinha uma junta governativa na época).

Para empossar-se do alto cargo, partiu do Rio de Janeiro, pelo interior do país em direção a Belém do Pará, tendo de fazer pelo Tocantins grande parte da viagem. Ao chegar, porém em Traíras, de Goiás, segundo se supõe, fora assassinado pelo próprio médico de sua comitiva. Isto já em principio de ano seguinte.

Este assassinato ocorreu de seguinte modo: Estando o recém-nomeado Governador de Pará, almoçando, aconteceu engasgar-se com um pedaço de frango. O médico imediatamente correu a prestar-lhe socorros, servindo-se, dizem uns, de uma vela para com ela empurrar o estranho corpo para o estômago; outros que se utilizara de uma pinça. O fato é que não se sabe se o osso foi ou não retirado e poucos momentos depois o ilustre enfermo se estorcia em agudíssimas dores no ventre e garganta e exalava o derradeiro alento. Os que afirmam ter o médico se servido de vela, dizem que este, perversamente, colocara certa porção de sosalgar na extremidade da mesma e os que afirmam o emprego da pinça por sua vez, dizem que médico produzira na garganta da vítima e ferimento necessário por onde aquele instrumento cirúrgico, também envenenado, inoculara violento veneno.

Este trágico acontecimento repercutiu dolorosamente por todos os lados onde era conhecido o Capitão General José Manoel.

Dizia-se que o médico ou físico (como estão eram conhecidos os discípulos de Asculapius) assim o fizeram por inveja.

Um dos irmãos da vítima ao saber disso, saiu em procura de médico assassino que encontrou no fim de seis anos a correr cavalhadas em uma localidade goiana.

Deu-lhe carteiro tiro de pistola em pleno peito fazendo tombar sem vida pagando assim uma divida de sangue.

Dentre os seus irmãos era José Manoel e de maior preparo Intelectual. Dele conheciam-se, ainda inéditas, quatro interessantes memórias históricas, cujos originais se acham no Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. São elas:

1° – Memória em que se relatam todas as Circunstâncias e Direitos e Acontecimentos que tem havido Julgado do Desemboque sobre as divisas dos limites desta Capitania de Goiás com a de Minas Gerais, dada o Desembargador Affonso Luiz de Souza Leal, em data de 18 de Junho de 1804.

2° – Memória do principio da povoação e criação de julgado do Desemboque, pertencente à Capitania de Goiás e estado em ao apresentar-se o mesmo. Não está datada, mais deve ser, mais ou menos, da data da procedente.

3° – Memória sobre a produção de ferro de Goiás. Idem.

4° – Descrição atual da navegação dos Rios Araguaia, Tocantins e Maranhão, dirigida em 1808, ao Ex. Sr. Rodrigo de Souza Coutinho.

Milliet de Saint Adolphe, em seu Dicionário Histórico, Geográfico e Topográfico do Império do Brasil, falando de Desemboque disse que esta localidade muito prosperou enquanto lá esteve á frente de sua administração o Coronel José Manuel da Silva e Oliveira. A este ilustre mineiro deveu o seu Irmão Major Antônio Eustáquio o haver conseguido em 1809, de Marquez de São João da Palma, então Governador de Goiás, a nomeação de Comandante Regente dos Sertões da Farinha Podre e mais tarde a de Curador de distrito dos Índios domiciliados ao longo da estrada de São Paulo e Goiás.

Ignora-se a idade que faleceu. Não foi casado, mas, em seu testamento, hoje desaparecido, reconheceu como legítimos os seguintes filhos os seis primeiros havidos com Ana Rosa da Candelária, falecida, em idade avançada, no Desemboque, aos 10 de julho de 1859, e o sétimo e ultimo, ignorava-se com quem:                          Página

1-1 Tte. Coronel José Manoel da Silva e Oliveira – § 1°        6

1-2 Rita Manoela da Silva e Oliveira – § 2               9

1-3 Alferes Manoel José da Silva e Oliveira – § 3      33

1-4 Capitão José Manoel da Silva e Oliveira – §   33

1-5 Tenente Joaquim Manoel da Silva e Oliveira – § 5°        44

1-6 Alferes Antonio Manoel da Silva e Oliveira – § 6         44

1-7 Rita Porfiria da Silva e Oliveira – §  7                    45

Aqui os filhos e netos e bisnetos do CAPITÃO GENERAL JOSÉ MANUEL DA SILVA E OLIVEIRA.

PDF, use CTRL F para pesquisar nomes.

Você terá a Genealogia da Família Esselin, Família França e Pereira Cardoso.

descendentes de ose manuel da silva e oliveira

===

AGORA A FAMÍLIA DO CAPITÃO DOMINGOS DA SILVA E OLIVEIRA

Os 14 filhos do CAPITAO DOMINGOS são os seguintes:

Do 1º casamento:
1- Francisco da Silva e Oliveira.
2- José Alexandre da Silva e Oliveira.
3- Rita de Cássia e Oliveira.
4- Maria dos Reis e Oliveira.
5- Luís da Silva e Oliveira.

Todos estes filhos ficaram órfãos, crianças ainda, quando a Rita Constância Cardoza faleceu no parto do tio Luís da Silva e Oliveira, em 1821, em Desemboque-MG.

Do 2º casamento:

6- Cândido da Silva e Oliveira.
7- João da Silva e Oliveira, nascidos em Desemboque-MG. ver sobre ele em

0 0 0 0 João da Silva e Oliveira, filho do Capitão Domingos, e nosso avô

E os seguintes nascidos em Uberaba-MG, também do 2º casamento:

8- Tereza Euzébia da Silva e Oliveira. Ver sobre ela em:

0 0 0 0 Tereza Euzébia da Silva e Oliveira, filha do Capitão Domingos, seu genro Joaquim Inácio de Souza Lima, vinhateiro, e a família Souza Lima de Uberaba e de Uberabinha, hoje Uberlândia

e em:

0 0 0 0 Tereza Euzébia, filha do Capitão Domingos, e nossa avó, esposa do Vovô Cunha Peixoto

9- Sinhorinha Cândida da Silva e Oliveira.
10- Domingos da Silva e Oliveira (Mingote).
11- José Joaquim da Silva e Oliveira.
12- Franscisco Gualberto da Silva e Oliveira.
13- Maria Rita Gomides de Oliveira.

O CAPITAO DOMINGOS também teve um filho natural com Maria do Carmo Pacheco:

O tio Antônio Cesário da Silva e Oliveira, pai de outro Antônio Cesário que aparece no livro “Inocência” do Visconde de  Taunay.

===

Todos estes filhos do segundo casamento ficaram órfãos crianças quando a Vovó Francisca de Salles Gomides faleceu em 1848.

A última filha do Capitão Domingos a falecer foi tia Senhorinha, matriarca da família Terra, falecida em 1926, e  cujo túmulo está  na avenida principal do cemitério de Uberaba.

Localizei, também, no Cemitério de Uberaba, o túmulo do tio Luís, falecido em 1896. Na última vez não o achei, estava um pouco danificado, é pequeno e alto e fica no meio não nas avenidas.

Não localizei mais o túmulo de Tereza Euzébia, falecida em 1917. Deve ter sido reformado e tirado o nome.

Os demais filhos foram enterrados no cemitério antigo que não existe mais.

==

=

HILDEBRANDO DE ARAÚJO PONTES escreveu a genealogia de 4 famílias de Uberaba-MG:

Silva e Oliveira, Rodrigues da Cunha, Marques e….

O TÍTULO Silva e Oliveira abrange os descendentes dos “Irmãos Silva e Oliveira”, filhos do Sargento-Mor JOÃO DA SILVA DE OLIVEIRA e de Joana Francisca de Paiva.

No “Título Silva e Oliveira”, o Capítulo 4, abaixo transcrito, se refere aos descendentes do Capitão Domingos da Silva e Oliveira, “quarto filho”de JOÃO DA SILVA DE OLIVEIRA.

Assim, por exemplo, nas notas deste texto, “Ver Título Silva e Oliveira, Capítulo 4,  § 5”, se refere, no texto abaixo, ao quinto filho do Capitão Domingos.

——————————————-

Título Silva e Oliveira, Capítulo 4: DESCENDENTES do CAPITÃO DOMINGOS da SILVA E OLIVEIRA:

O Capitão Domingos da Silva e Oliveira teve 14 filhos, sendo do número 1 a 5 do primeiro matrimônio, do número 6 a 13 do segundo matrimônio, e, o último, filho natural, legitimado, tido com Maria do Carmo Pacheco, natural de Itapecerica-MG, e falecida em Campina Verde-MG.

Os primeiros 6 filhos do Capitão Domingos e o filho natural Antônio Cesário nasceram no Arraial do Desemboque, atualmente pertencente ao município de Sacramento-MG. Os demais filhos nasceram em Uberaba-MG.

Do 1° matrimônio com sua prima Rita Constância Cardosa:

1-1          Francisco da Silva e Oliveira

1-2          José Alexandre da Silva e Oliveira

1-3          Rita de Cássia Oliveira

1-4          Maria dos Reis Oliveira

1-5          Capitão Luiz da Silva e Oliveira

Do 2° matrimônio com Francisca de Sales Gomides:

1-6          Cândido da Silva e Oliveira

1-7           João da Silva e Oliveira

1-8           Tereza Euzébia da Silva e Oliveira

1-9           Senhorinha Cândida de Oliveira Terra

1-10            Major Domingos da Silva e Oliveira

1-11            José Joaquim da Silva e Oliveira

1-12            Tenente Francisco Gualberto da Silva e Oliveira

1-13            Maria Rita Gomides de Oliveira

Filho natural com Maria do Carmo Pacheco:

1-14     Sargento Antônio Cesário da Silva e Oliveira

Os 14 Filhos do CAPITÃO DOMINGOS DA SILVA E OLIVEIRA e seus descendentes:

 

Filhos do 1° matrimônio do Capitão Domingos, com sua prima Rita Constância Cardosa, filha de Luís da Silva Cardoso:

  • §- 1° –

1-1 Francisco da Silva e Oliveira, faleceu solteiro.

  • §- 2° –

1-2 José Alexandre da Silva e Oliveira, natural do Desemboque, casado no Arraial da Ventania (Alpinópolis-MG), em 29 de abril de 1834, com Iria Francisca das Dores. Ignoramos se houve geração. (Procurar inventário e testamento dele em Passos-MG).

§- 3° –

1-3 Rita de Cassia Oliveira, natural do Desemboque, onde se batizou, a 16 de fevereiro de 1816, e faleceu, em Uberaba, a 8 de junho de 1842, casada, a 22 de Janeiro de 1836, com o Tenente Raimundo Soares de Azevedo (14), falecido a 1° de junho de 1847, filho legítimo do português Manoel Umbelino Soares de Azevedo, que, por muitos anos, residiu na Fazenda da Ponte Alta, onde faleceu em idade centenária, viúvo de Joana de Tal. Teve dois filhos, a saber:

2-1 Coronel Raimundo Soares de Azevedo (Filho?), nascido em Uberaba, a 4 de julho de 1838, chefe eminente e de grande prestígio do antigo Partido Liberal, do Império do Brasil, muito dado ao esporte da caça, agricultor, proprietário da Fazenda Veadinho, deste município. Casado em Uberaba, com Francisca de Assis Barcelos, nascida nessa cidade, a 3 de janeiro de 1843, aqui falecida a 16 de abril de 1885, e filha legítima do Tenente Coronel Francisco Rodrigues Barcelos e de Maria Rufina de Jesus. O Coronel Raimundo Soares de Azevedo faleceu, em Uberaba, a 2 de janeiro de 1884. Teve:

3-1 Tenente coronel Joaquim Soares de Azevedo (Titim), nascido na Fazenda das Toldas, distrito de Uberaba, a 15 de junho de 1858; Vereador especial pelo distrito desta cidade, no mandato 1908-1912. Casado, a 24 de novembro de 1888, com Maria Prima da Conceição, nascida em Uberaba, em 9 de junho de 1875, filha legítima do Major Joaquim Rodrigues de Barcelos (Quincota) e de Cornélia Rosa de Barcelos. Teve, nascidos em Uberaba.

4-1 Raimundo, nascido a 7 de julho de 1890, e falecido em pequeno.

4-2 Luiz Gonzaga Soares de Azevedo, nascido a 21 de junho de 1891, Casado, com geração.

4-3 Joaquim Soares de Azevedo Júnior, nascido a 30 de novembro de 1892.

4-4 José, falecido em pequeno.

4-5 Cornélia Soares, nascida 23 de março de 1904.

3-2 Maria Rufina de Jesus que faleceu casada com o Major Belarmíno Gomes da Silva, filho legítimo do Capitão Manoel Gomes da Silva, filho legítimo do Capitão Manoel Gomes da Silva e de Rita Caetano Pereira, sem Geração.

3-3 Rita de Cássia e Oliveira Barcelos, nascida, em Uberaba, a 5 de julho de 1861, casada, a 8 de julho de 1876, com Tenente Coronel Manoel Rodrigues de Barcelos, político eminente de grande prestígio desde o Império do Brasil, comerciante, de grande prestígio, industrial, fundador da grande serraria da Ponte Alta, (distrito de Uberaba), serraria hoje extinta, vereador municipal em diversos mandatos, filho legítimo do Tenente Coronel Francisco Rodrigues de Barcelos e de Rufina Maria de Jesus, falecido, nesta cidade, a 27 de junho de 1906, e sua esposa Dona Rita, falecida a 12 de setembro de 1901. Teve:

4-1 Maria Rufina Barcelos Junqueira, nascida a 25 de março de 1877, casada com José Junqueira, filho legítimo de Joaquim Junqueira. Teve:

5-1 José Junqueira Júnior.

5-2 Anita Junqueira, falecida.

5-3 Claudina Junqueira, casada com Edson Lopes Vaz. Teve:

6-1 Elmo

6-2 José

6-3 Nildo

5-4 Joaquim Junqueira, farmacêutico, solteiro.

5-5 Manoel Junqueira, casado com Iracema Marques. Teve :

6-1 Célio

6-2 Elmo

6-3 Edélcio

6-4 Ênio

4-2 Rufina Prócora de Oliveira, nascida a 9 de maio de 18×9, falecida a 12 de setembro de 1880. (A data de nascimento  está ilegível).

4-3 Francisca de Assis e Oliveira Barcelos, nascida a 4 de novembro de 1880, solteira.

4-4 Sargento Raimundo Rodrigues de Barcelos, nascido a 10 de março de 1882, falecido a 4 de junho de 1909, na expedição de linhas telegráficas de Mato Grosso ao Acre (Expedição Rondon).

4-5 Alfeu Rodrigues de Barcelos, nascido a 17 de novembro de 1883, formado pela Escola Militar.

4-6 Rufina Maria de Oliveira Barcelos, nascida a 20 de maio de 1885.

4-7 Joaquim Rodrigues de Barcelos Sobrinho, nascido a 14 de julho de 1886.

4-8 Maria de Ascensão, falecida a em 20 de maio de 1887.

4-9 Cornélia de Cássia e Oliveira Barcelos, nascida a 19 de abril de 1888, falecida.

4-10 Francisco, nascido a 3 de outubro de 1889, e falecido a 3 de julho de 1890.

4-11 João Rodrigues de Barcelos, nascido a 6 de novembro de 1890.

4-12 Maria da Conceição, falecida ao nascer, em 20 de maio de 1892.

4-13 Manoel Rodrigues de Barcelos Filho, nascido, a 28 de abril de 1893, e falecido a 27 de julho de 1894.

4-14 Victor Manoel Rodrigues de Barcelos, nascido a 13 de março de 1896, já falecido.

3-4 Francisca de Assis e Azevedo Costa, nascida, em Uberaba, a 8 de outubro de 1862, falecida em 22 de dezembro de 1922, casada, a 11 de setembro de 1886, com o Major José Bernardino da Costa, nascido, em Sacramento-MG, em 18 de Abril de 1861, e falecido a 22 de junho de 1924, filho legítimo dos falecidos Major Antônio Bernardino da Costa (por sua vez, filho de Bernardino Homem da Costa, de Piumhy-MG) e de Rita de Miranda, esta, por sua vez, ?filha de José Inácio da Costa Fagundes e de Rosa de Jesus?. Teve:

4-1 Antônio Bernardino da Costa, bacharel em Ciências e Letras, e médico pela Escola de Medicina do Rio de Janeiro-RJ, nascido a 20 de maio de 1888, casado.

4-2 Argemiro, nascido a 1° de abril de 1889, e falecido a 30 de abril de 1890.

4-3 Maria, nascida a 22 de março de 1891, e logo falecida.

4-4 José, falecido em pequeno.

4-5 Cristalino, nascido, a 17 de setembro de 1893, e falecido a 17 de janeiro de 1895.

4-6 Cristalino, nascido a 30 de julho de 1895.

 

4-7 Maria Bernardino da Costa, nascida a 6 de novembro de 1896, solteira.

4-8 Raimundo Costa, nascido a 6 de setembro de 1901, faleceu, solteiro, em 18 de Janeiro de 1927.

4-9 Maria do Espírito Santo, nascida a 22 de maio de 1904.

3-5 Rufina Maria de Sampaio, nascida, em Uberaba, a 4 de Agosto de 1864, aqui falecida a 18 de janeiro de 1900, casada com o Major Zeferino Borges Sampaio, filho legítimo do Tenente Coronel Antônio Borges Sampaio, (o historiador que comprou a Fazenda da Conquista dos herdeiros do Capitão Domingos) e de Maria Cassemira de Araujo Sampaio.Teve, nascidos em Uberaba:

4-1 Hermógenes Sampaio, redator comercial, e contador do “Jornal do Comércio” do Rio de Janeiro, nascido a 14 de maio de 1882, e, falecido a 12 de abril de 1927.

4-2 Antonio Borges Sampaio Neto, redator noticiarista do mesmo jornal, nascido a 5 de fevereiro de 1884.

4-3 Maria Conceição Sampaio, nascida a 29 de setembro de 1886, faleceu, solteira, no Rio de Janeiro-RJ, em 9 de maio de 1919.

4-4 José Maria Sampaio, nascido a 3 de fevereiro de 1888, negociante em Uberaba, faleceu no Rio de Janeiro-RJ.

3-6 Maria do Lado Ascensão, (Cota), faleceu solteira, aos 15 anos de idade.

3-7 Ana falecida com a idade do um ano.

3-8 Ana de Oliveira Gomes, casada em maio de 1884 com o seu ex-cunhado, Major Belarmino Gomes da Silva, falecido, em 14 de agosto de 1930, em Franca, em 1951. Teve, nascidos em Uberaba:

4-1 Maria Rufina Gomes, casada com Francisco Vaz da Costa. Residente em Goiás. Tem geração.

4-2 Manoel Gomes da Silva, bacharel em Ciências e Letras, ex-negociante em Uberaba, e residente em Belo Horizonte-MG.

4-3 Raimunda Gomes da Silva, casada com Dr. Antonio B. Costa.

4-4 Domingos Gomes da Silva. Casado com geração.

3-9 Tenente Coronel Raimundo Soares de Azevedo, (o terceiro deste nome), natural de Uberaba, nascido a 3 de julho de 1879, chefe político de grande prestígio do Partido Republicano Mineiro, Democrata industrial, criador de gado, vereador eleito à Câmara Municipal de Uberaba, no mandato 1912-1915; falecido, em 1º de Outubro de 1924, no Recife-PE, casado com Iveta de Souza Soares, nascida em 1875, filha legítima do Major João Inácio de Souza e de Ana Maria de Souza. (João Inácio de Souza é provável irmão de Joaquim Inácio de Souza Lima – Ver ). Teve:

4-1 Iveta Soares de Azevedo Mendonça, casada com o Capitão José Ferreira de Mendonça, (Juquinha), filho legítimo de José Inácio Ferreira de Mendonça, já falecido e de Bárbara Elvira de Araujo.

4-2 Raimundo de Soares de Azevedo Júnior, casado, com geração.

4-3 Maria Soares de Azevedo (Sinhá), falecida.

4-4 Francisca, falecida a 9 de fevereiro de 1897.

4-5 Ester, falecida casada, com geração.

4-6 Francisca, solteira.

4-7 Arturina, casada com geração.

4-8 Dalila Soares de Azevedo, solteira, herdou estes manuscritos de Hildebrando de Araujo Pontes, aqui transcritos, ampliou estes manuscritos, e, escreveu o livro “História Verídica”.

4-9 Creusa, casada com geração.

4-10 Ostário, casado sem geração.

4-11 José, casado com geração.

4-12 Hulda, casada com geração.

4-13 João, casado com geração.

4-14 Maria

4-15 Tomás, casado com geração.

3-10 Joana Soares Batista, nascida, em Uberaba, a 26 de junho de 1873, casada, nesta cidade, a 2 de fevereiro de 1889, com Balduíno Batista, negociante, nascido a 1° de junho de 1863, em Pirenópolis-GO, filho legítimo dos finados Cláudio da Silva Batista e de Ana Joaquina de Oliveira, naturais de Goiás. Balduíno Batista faleceu, no Rio de Janeiro-RJ, em 18 de Setembro de 1937. Teve, nascidos em Uberaba:

4-1 Georgina Batista do Nascimento, nascida a 15 de Janeiro de 1890, casada com Godofredo Alves do Nascimento, filho legítimo de Gustavo Alves Nascimento; teve, nascidos em Uberaba:

5-1 Hilda, casada com Ataíde
Martins.

5-2 Mário Nascimento, casado com Stela Lanes, com geração.

5-3 Marina Nascimento, casada com Leonildo Pinto, com geração.

5-4 Maria de Lourdes Nascimento, casada com Bruno da Silva e Oliveira Júnior, (Bruninho), nascido, em Uberaba, em 27 de dezembro de 1907, filho legítimo do Coronel Bruno da Silva e Oliveira e de Brasilina Cassemira da Silva e Oliveira.  Bruninho faleceu, em Uberaba, em 1991. (Veja Título Silva e Oliveira, Capítulo IV, $4, 2-5, 3-5).

6-1

6-2

5-5 Joana D’Arc, casada com o Dr. Omar Almeida.

5-6 Dóris, casada com o Sr. Hilton de Aguiar Scher.

4-2 Hermínia, nascida a 17 de Agosto de 1892, falecida a 24 de novembro de ano seguinte.

4-3 Coronel Luiz Batista, nascido em 25 de julho de 1894. Casado com dona Tília Sócrates Batista, filha do Marechal Sócrates de Tal, no dia 25 de fevereiro de 1917. Teve:

5-1 Lísio, nascido em 11 de dezembro de 1917, e falecido em 22 de janeiro de 1921.

5-2 Leonísio, oficial do Exército, casado, em 3 de junho de 1946, com Cidair Caldas da Costa Marques. Teve:

6-1 Luís Batista Neto, nascido no Rio de Janeiro-RJ, em 1948, falecendo horas depois.

6-2 Jorge Carlos, nascido em Barra Mansa-RJ, em 18 de agosto de 1950.

5-3 Luís Eduardo, nascido em 9 de março de 1922. Oficial do Exército. Casado, em Pouso Alegre-MG, em 5 de setembro de 1947, com Maria Aparecida de Andrade Resende, de Ituiutaba-MG, antigo Arraial do Tejuco.

5-4 Enilda, nascida em 18 de julho de 1929.

4-4 Maria da Conceição, nascida a 11 de novembro de 1896, casada com Francisco Neves, fazendeiro e grande comerciante de gado. Teve:

5-1 Lourdes Neves, casada com Jairo Adriano da Silva, com geração.

5-2 Lízio Neves, casado com Wanda Prata, (Não a encontrei no livro da Família Prata), com geração.

4-5 Otávio, nascido a 4 de Novembro de 1898, já falecido.

4-6 Hermínia, nascida a 3 de julho de 1901, casada com Lamartine Mendes, (filho de Carlos dos Santos Mendes e de Carolina da Silva), grande fazendeiro e comerciante de gado Zebu. Teve:

5-1 Edílton Batista Mendes, nascido em 6 de abril de 1932, falecido em pequeno.

5-2 Edília Terezinha Mendes, nascida em 9 de novembro de 1934.

5-3 Eldimar Batista Mendes, nascido em 2 de abril de 1936.

5-4 Edilson Batista Mendes, nascido em 2 de janeiro de 1937.

5-5 Edilce Maria Batista Mendes, nascida em 6 de abril de 1942.

4-7 Alice, nascida a 24 de julho de 1902, falecida em pequeno.

4-8 Vicente de Paula Batista, nascido a 24 de Julho de 1904, oficial do Exército. Casado, em 15 de outubro de 1929, na Igreja de Santa Terezinha, em Uberaba, com Dalila Barbosa, filha de Antônio Barbosa e de Alcina Cândida Barbosa.

5-1 Vicente de Paula Batista Júnior, nascido a 18 de julho de 1930, oficial do Exército.

4-9 Mário Batista, nascido em Uberaba, a 1° de outubro de 1905. Oficial do Exército. Casado, em 16 de maio de 1929, em São João Del Rey-MG, com Albertina Alves, filha de Acácio José Alves e de Maria das Dores Alves (falecida).

5-1 Mário Acácio Alves, nascido em 10 de abril de 1930, Oficial da Aeronáutica.

5-2 Marcelo Jackson Alves Batista, nascido em 6 de janeiro de 1933.

4-10 Maria Abadia, (Fiica), professora normalista.

3-11 Francisco e

3-12 Manoel, gêmeos, já falecidos.

3-13 Capitão Vitor Manoel Soares de Azevedo, nascido, a 3 de Setembro de 1876, em Uberaba, casado com Maria da Conceição Soares Barbosa, nascida em outubro de 1876, filha legítima do Coronel José Ferreira Barbosa e de Maria Rita Barbosa. Teve:

4-1 Maria

4-2 Raimundo

4-3 José

4-4 Francisco

4-5 Dolores

4-6 Rufina

4-7 Dr. Oscar Soares de Azevedo, casado com sua prima Maria Alice.

3-14 Domingos Soares de Azevedo, falecido com 3 meses de idade.

2-2 Maria, nascida em 1839, e falecida em 1842.

– § 4° –

1-4 Maria dos Reis Oliveira, nascida no Desemboque, a 21 de Janeiro de 1819, e, nesse dia batizada. Faleceu casada com José Lourenço de Araujo que, depois, casou com Joana Francisca de Paiva, filha legítima do Tenente Joaquim da Silva e Oliveira e de_____________ (Título Silva e Oliveira, Capítulo 4°, § 6°, 1-6). Teve uma filha:

2-1 Rita de Oliveira, nascida, em Uberaba, a 1846. Finou-se nesta cidade, casada com Joaquim Gonçalves de Resende, já falecido, que teve, nascidos em Uberaba.

3-1 Maria Rita de Oliveira, nascida a 22 de abril de 1876, casada com Heliodoro Souto, filho legítimo de Palmério José Souto e de Adelaide Hortência de Paula. Teve:

4-1 Maria, falecida em pequena.

4-2 Malvina Souto, nascida, em Conceição da Alagoas-MG, a 1° de Novembro de 1895, casada com Dr. Sezenando de Barros, falecido, Desembargador do Tribunal de Minas Gerais.

3-2 Francisca Rita de Oliveira, nascida em Uberaba, a 29 de junho de 1878, casada co Antônio Arlindo Prata (Tôco), Juiz de Paz no distrito de Conceição das Alagoas-MG, filho legítimo de José Joaquim da Silva Prata Sobrinho e de Matildes da Silva Prata, ambos falecidos. (Ver livro “Do Silva ao Prata”, página 99). Geração em 1905:

4-1 Abadia

– § 5° –

1-5 Capitão Luís da Silva e Oliveira, nascido no Desemboque, a 16 de fevereiro de 1821, dia que morreu sua mãe Rita Constança Cardosa; e batizado a 23 do mesmo mês. Foi escrivão de órfãos de Uberaba durante mais de meio século; casado, em primeiras núpcias, com Tereza da Silva França, e, em segundas núpcias, com Maria das Dores Cavalheiro, natural de Santa Maria de Arroio-RS, a 30 de Setembro de 1835. O Capitão Luiz da Silva e Oliveira faleceu, em Uberaba, a 26 de agosto de 1896. (Eu cheguei a encontrar o pequeno túmulo dele, no Cemitério de Uberaba, mas não o encontrei mais, na última visita, ao Cemitério, em 2012). Teve:

Do 1° matrimônio:

2-1 José Jorge de Oliveira, nascido a 23 de Abril de 1847, falecendo solteiro.

2-2 Rita da Silva e Oliveira, nascida, nesta cidade, a 25 de fevereiro de 1849, casada com Francisco Pereira de Oliveira, (Chico do Lalaó), natural de Congonhas do Campo, atual Nova Lima-MG, filho legítimo do Major Silvério Pereira de Oliveira e de Maria Francisca de Miranda. Teve, nascidos em Uberaba:

3-1 Maria das Mercês (Divé), nascida, a 4 de abril de 1867, e falecida, solteira, nesta cidade, a 15 de maio de 1890.

3-2 Marcilio Pereira de Oliveira, faleceu solteira.

3-3 Maria das Mercês Oliveira, casada com o Escrivão de Paz do Distrito de Conceição das Alagoas-MG, Mariano Batista de Moura, filho legítimo dos finados João Batista de Moura e de Ana Villaça de Moura. Teve:

4-1 João Batista de Moura, nascido, na sede do mesmo distrito, a 6 de Setembro de 1900.

3-4 Francisca Pereira de Oliveira, casada com José Alves Gondim, em Conceição das Alagoas. Tem geração ignorada….

2-3 Tenente Coronel Olímpio da Silva e Oliveira, nascido, em Uberaba, a 31 de Setembro de 1851, e, faleceu, em Uberaba, em 1905. Foi durante muitos anos negociante e coletor das rendas estaduais em Santana do Paranaíba-MS, onde ainda exerceu outros cargos de nomeação do governo e de eleição popular. Casado com Luis Guaritá (Lulú), filha legítima do finado Capitão Luiz Antônio Guaritá e de Cândida Guaritá. Teve 3 filhos, dos quais só sobreviveu o último:

3-1 Olímpia Augusta de Novais, nascida, em Uberaba, a 17 de Outubro de 1885, casada com o normalista e auxiliar do Escrivão de Órfãos, Joviano de Souza Novais, filho de Manoel Felipe de Souza e de Amélia de Novais, já falecido. Teve:

4-1 Rui, nascido em Uberaba, casado com Azália Campos Carvalho, jornalista.

4-2 Almerinda.

2-4 Ernesto da Silva e Oliveira, falecido em pequeno.

2-5 Major Ernesto da Silva e Oliveira, nascido em Uberaba, a 14 de fevereiro de 1854. Exerceu os cargos de Delegado de Polícia e Coletor Estadual, foi o segundo introduzir gado indiano Zebu, em Uberaba, em 1889; e um dos fundadores, neste mesmo ano, da “A Marcha”, hebdomadário, e segundo jornal republicano aqui publicado. Viúvo de Marta Cassimira de Oliveira, nascida em Uberaba, e falecida nesta cidade, a 26 de fevereiro de 1886, e filha legítima do comendador Antônio Elói Cassimiro de Araujo (posteriormente Barão da Ponte Alta) e de Marcelina Florinda da Silva e Oliveira. (Vide Título Silva e Oliveira, Capítulo 4, § 10°, 1-10 e 2-8). Teve 7 filhos, os dois últimos são naturais legitimados:

3-1 Cícero de Oliveira, faleceu, solteiro, no Rio de Janeiro-RJ.

3-2 Túlio de Oliveira, solteiro.

3-3 Júlia de Oliveira Vale, nascida, a 9 de outubro de 1879, casada, em 22 de fevereiro de 1896, com o Coronel Luiz Maria do Vale (Vide Título Silva e Oliveira, Capítulo 4°, § 4, 1-4, 2-1 3-2). Teve:

4-1 Olinda de Oliveira Vale, nascida a 21 de Dezembro de 1896.

4-2 Olegário de Oliveira Vale, nascido a 2 de fevereiro de 1899 e já falecido.

4-3 Marta de Oliveira Vale, nascida a 29 de janeiro de 1901.

4-4 Luciana, nascida a 3 de julho de 1903.

3-4 Almerinda de Oliveira, (Mindo), natural de Uberaba, casada com o professor e farmacêutico licenciado de Conceição das Alagoas, Olavo da Silva e Oliveira, nascido a 18 de Dezembro de 1885, em Descalvado-SP, filho legítimo de José Miguel de Oliveira (filho de Miguel Romeu de Toledo, natural de Barra Mansa-RJ) e de Marciana Juventina de Oliveira, natural de São João Del Rey-MG. Faleceu em janeiro de 1954.

Teve:

4-1 Jesus da Silva e Oliveira, nascido em Uberaba, a 6 de janeiro de 1907, casado com Amanda Rocha, com geração.

4-2 Olavo da Silva e Oliveira Júnior, nascido, na mesma cidade, a 1° de Junho de 1909, casado com geração.

4-3 Maria, casada com Antonio Nassif, com geração.

3-5 Ernestina de Oliveira Araújo, casada com o Alferes Ângelo Cassimiro de Araujo, filho do segundo matrimônio do Barão da Ponte Alta (Vide Título Silva e Oliveira, Capítulo 4, § 4°, 1-4, 2-7 e 3-5) e Francisca Augusto de Oliveira (Baronesa da Ponte Alta). Teve:

4-1 José

4-2 Maria, já falecida.

4-3 Noêmia.

4-4 Nysia e outros…

3-6 Lucrécia de Oliveira, nascida em 1890, casada com Santiago Sabino, com geração.

3-7 Cícero de Oliveira, nascido em Uberaba.

2-6 Henriqueta Augusta de Oliveira, nascida em Uberaba, a 1° de abril de 1856, casada com o seu primo Coronel Olindo de Oliveira (Olintinho), filho dos finados Major Antônio Francisco da Silva e Oliveira e de Joana de Oliveira Vale (Vide neste Título, Capítulo 4°, §4°, 1-4 e 2-10). Teve os seguintes filhos, residentes em Barretos-SP:

3-1 Arthur Augusto de Oliveira, casado.

3-2 Olindo de Oliveira Junior, casado.

3-3 Georgeta Augusta, casada.

3-4 Cesar de Oliveira, já falecido.

3-5 Aurélio de Oliveira, falecido.

3-6 Mário Augusto de Oliveira

3-7 Luiza de Oliveira

3-8 Maria Augusta de Oliveira

3-9 Antonieta de Oliveira

2-7 Capitão João Januário de Oliveira (Dão), natural de Uberaba, industrial no distrito de Conceição das Alagoas-MG, Fazenda da Cana Brava, solteiro, tem os seguintes filhos naturais:

3-1 Maria, casada com geração.

3-2 Luiz, casado com geração.

3-3 Julia, casada com Jeová de Castro, tem geração.

3-4 Adelaide, já falecida.

2-8 Maria das Dores e Oliveira Vale, (Talica), nascida, em Uberaba, a 17 de maio de 1858 (16), falecida, a 29 de junho de 1895 (17), casada com o Coronel Luiz Maria do Vale, filho legítimo dos finados Capitão Rodrigo Antônio do Vale e de Maria Luiza de Oliveira Vale (Vide no Título, Capítulo 7°, § 4°, 1-4, 2-1 e 3-2). Teve, nascidos em Uberaba:

3-1 Julieta Vale da Fonseca, nascida a 24 de Junho de 1882, casada com o Tenente Mário da Fonseca, nascido a 31 de julho de 1879, em Valença-RJ, filho do Capitão Diocleciano Pinto da Fonseca e de Joana da Fonseca. Teve, nascidos em Uberaba:

4-1 Maria das Dores, já falecida.

4-2 Maria Helena, já falecida.

4-3 Ruth

4-4 Sebastião, já falecido.

3-2 Olivério de Oliveira Vale, nascido em agosto de 1883, casado.

3-3 Adelino do Vale, nascido, a 26 de dezembro de 1884, e falecido a 18 de abril de 1901.

3-4 Maria, já falecida.

3-5 Luiza, já falecida.

3-6 Maria de Oliveira Vale.

3-7 Luiz de Oliveira Vale, casado tendo dois filhos, nascido a 21 de junho de 1889, e falecido a 27 de Junho de 1951.

3-8 Carolina de Oliveira Vale, nascida a 17 de agosto de 1890

3-9 Alzira de Oliveira Vale, nascida a 15 de dezembro de 1891.

3-10 Luiza de Oliveira Vale, nascida a 13 de abril de 1893.

3-11 Condolina Vale, nascida a 6 de Junho de 1895, todos solteiros em 1909.

2-9 Tenente Coronel Luiz da Silva e Oliveira Junior, nascido, em Uberaba, a 27 de Abril de 1860, residente no Rio de Janeiro, sócio fundador da antiga e acreditada casa comercial “Freitas, Oliveira e Cia”. Ali, casou-se, em primeiras núpcias, com Rosa Resende Oliveira, filha legítima de Pedro Luiz de Resende e de Maria Umbelina do Amaral Rezende, e, em segundas núpcias, com Maria Umbelina de Rezende, irmã da precedente, falecido, no Rio de Janeiro, em 13 de julho de 1930. Teve:

Do primeiro matrimônio:

3-1 Ofélia

3-2 Pedrina

3-3 Maria, já falecida.

3-4 Luiza Rezende de Oliveira

Do segundo matrimônio:

3-5 Luiz da Silva e Oliveira Junior

3-6 Maria de Rezende de Oliveira

3-7 Pedro da Silva de Oliveira

3-8 José da Silva e Oliveira

3-9 José da Silva e Oliveira

3-10 Maria, já falecida.

3-11 Paulo da Silva e Oliveira

2-10 Tenente Coronel José Bruno de Oliveira, nascido, em Uberaba, a 6 de outubro de 1860, aqui casado, a 11 de junho de 1892, com Paulina Reis e Oliveira, falecida a 31 de março de 1903, em Conceição das Alagoas-MG, filha legítima dos finados Tenente Fidélis Gonçalves dos Reis e de Escolástica Guilhermina dos Reis. Agricultor, industrial, e chefe político de grande prestígio em Conceição das Alagoas-MG. Teve:

3-1 Almira, nascida a 5 de Setembro de 1894, e falecida a 10 de março do ano seguinte.

3-2 Onor Oswaldo de Oliveira e

3-3 Oswaldo Onor de Oliveira, gêmeos, nascidos a 11 de maio de 1897.

3-4 Otávio de Oliveira, nascido a 14 de fevereiro de 1901.

3-5 Olavo de Oliveira, nascido a 28 de março de 1890.

3-6 Maria, nascida a 23 de março de 1903, e falecida, a 11 de novembro do mesmo ano, em Uberaba.

2-11 Capitão Augusto Brasil de Oliveira, nascido, em Uberaba, a 31 de dezembro de 1876, agricultor, solteiro, residente no Distrito de Conceição das Alagoas-MG, deste município.

Filhos do segundo matrimônio do Capitão Domingos, com Francisca de Sales Gomides:

– § 6  –

1-6 Candido da Silva e Oliveira, natural do Desemboque, onde foi batizado a 26 de março de 1830. Faleceu em pequeno.

– § 7  –

1-7 Capitão João da Silva e Oliveira (João Domingos), nascido, no Desemboque, a 1° de Novembro de 1831, onde foi batizado a 20 do mesmo mês. Último filho do Capitão Domingos a nascer no Desemboque. Casado, em Uberaba, com Maria Assidália da Silva Diniz, nascida, em 1838, na Freguesia do Curral Del Rey, hoje Belo Horizonte-MG, falecida, em abril de 1912, em Uberaba, filha legítima do finado Tenente José da Silva Diniz e de Cândida Balbina de Alckimin, esta falecida, a 30 de março de 1910, em Uberaba. O Capitão João da Silva e Oliveira foi negociante, durante muitos anos, nesta cidade, onde faleceu a 3 de julho de 1888, de desgosto por ver sua filha morrer logo após o casamento, um mês antes. Foi diretor do jornal manuscrito de Uberaba “O Suspiro”, em 1856, portanto pioneiro do jornalismo em Uberaba. Teve, aqui nascidos:

2-1 Tenente-Coronel da Guarda Nacional João de Aquino da Silva e Oliveira, nascido a 7 de março de 1856, faleceu, em viagem, a 30 de abril de 1907, (com óbito nos livros da Matriz de Uberaba em 8 de maio de 1907), no lugar denominado Açoita-Cavalo, distrito de Campo Belo do Rio Verde, (atual Campina Verde-MG), voltando de viagem quando atravessa o rio Açoita-Cavalo, casado com Elisa Cândida da Silveira Castro, nascida, em Uberaba, a 23 de janeiro de 1861, e falecida, em Uberaba, em 11 de junho de 1939, filha legítima do Alferes Antônio Carrilho de Castro e de Maria Bernardes da Silveira. Foi diretor-proprietário do “Jornal de Uberaba”, (1889), negociante, boiadeiro, e um dos mais prestigiosos chefes políticos locais. Foi sócio fundador do “Clube Lavoura e Comércio”. Teve, nascidos em Uberaba:

3-1 Maria Teodora de Castro, casada, em 1892, com o tio dela, o boiadeiro Antônio Carrilho de Castro Filho, nascido em Uberaba, em 5 de novembro de 1855, filho legítimo do Alferes Antônio Carrilho de Castro e de Maria Bernardes da Silveira. Teve, nascidos em Uberaba:

4-1 Agripina de Castro, nascida em 1893, e, faleceu, solteira, em 1973, em Uberaba.

4-2 Levindo de Castro, faleceu solteiro.

4-3 Amintas Eudoro de Castro, nascido em 1901, casado com Esmeralda de Melo Lima (Veja abaixo –  §  8  – 1-8, 2-1 ) Dóro é neto, pela parte paterna, do Vereador e Capitalista Alferes Antônio Carrilho de Castro e de Maria Bernardes da Silveira, e Dóro é neto, pela parte materna, do Tenente Coronel João de Aquino da Silva e Oliveira e de Elisa Cândida da Silveira Castro, irmã do Boiadeiro Antônio Carrilho de Castro Filho. Teve, nascidos em Uberaba:

5-1-  José de Castro, nascido em 1925, casado com Maria Aparecida Monteiro, filha de Urias Justino Monteiro e de Armanda de Souza Monteiro, a “Mandica”.  Adotou uma filha, a Maria Ângela, casada, com 3 filhos. Mandica e Urias são primos, em primeiro grau, duas vezes. Todos falecidos.  O pai da Mandica é irmão do pai do Urias, e a mãe da Mandica é irmã da mãe do Urias. José de Castro é o neto mais velho de Maximina Augusta de Melo

5-2- Maria Teresina de Castro, (conhecida como Tereza), nascida em 1927, casada, aos 15 anos de idade, em 1943, com José Bento de Figueiredo, já falecidos. Nove filhos. Todos chamados “Castro Figueiredo”, exceto Joaquim Pedro.   Consta que um décimo filho de Terezina de Castro faleceu bebê.

6-1- Romilda, neta mais velha de Esmeralda, (E ACREDITO SER A TRINETA MAIS VELHA DE MAXIMINA) é nascida em 02 de novembro de 1944, e, casada, em 20 de janeiro de 1968, com Alaor Bento de Freitas, filho de Sebastião Bento de Freitas e de Jerônima Barbosa de Freitas. Romilda tem quatro filhos, todos “Figueiredo Freitas”, Romilda mora em Goiás. Teve 4 filhos:  a- Eduardo, bisneto mais velho de Esmeralda, nascido em 7 de novembro de 1968, casado, com filhos. Mora em São Paulo-SP; b- Sandra, nascida em 9 de março de 1970, casada, com filhos. Mora em Goiás; c- Rogério, d- Paula.

6-2- Vânia, viúva de João Cândido que foi vereador em Miguelópolis-SP, teve a filha Jane, em 1970, e outros filhos, mora em Miguelópolis-SP.

6-3- Leda, casada com Luís, teve a filha Simone, (casada, com filhos) e filhos, mora em Goiás.

6-4- Tereza, viúva de Sebastião Frizzo, teve Heloísa, Ana Cláudia e filhos, mora em Ribeirão Preto-SP.

6-5- Joaquim Pedro de Figueiredo, casado, teve um casal de filhos, mora em Miguelópolis-SP.

6-6- Zilda, divorciada e viúva de Antônio Carlos Karan, tem 2 filhos, mora em Goiás.

6-7- Mirtes, divorciada do “Dinho” que é da família Silveira de Passos-MG, a mesma família de Alceu Júlio da Silveira, e (se não me engano) é sobrinho do falecido Sebastião Frizzo. Mirtes teve Betânia (casada) e dois filhos,

6-8- Maria Aparecida, solteira, teve um filho, Guilherme, moram em Goiás.

6-9- Lourdes, casada com Neif Alber Filho, com filhos.

5-3 Antônio Carrilho de Castro Neto, nascido em 1929, divorciado de Honorina Monteiro, irmã de Maria Aparecida Monteiro. Todos já falecidos. Sem filhos. Adotou uma filha, Maria Inês, irmã da Maria Ângela adotada por José de Castro. Maria Inês faleceu, criança, na grande epidemia de meningite de 1974.

5-4 gêmea, Maria Abadia, nascida em 1931, falecida em 1933.

5-5 gêmea, Maria Eulina, nascida em 1931, falecida em 1933.

5-6 Luciana de Castro, nascida em Uberaba-MG, em 06 de outubro de 1933, casada com Alceu Júlio da Silveira, nascido em Penápolis-SP, em 15 de fevereiro de 1924, filho de João Júlio da Silveira, natural de Franca-SP, e de Alcina Monteiro, natural de Uberaba-MG. Alceu é primo, em primeiro grau, de Honorina e de Maria Aparecida Monteiro. João Júlio (Juquinha) e Alcina (Chinica) são primos, em primeiro grau, pelo lado dos Monteiro de Araújo.  Alceu é falecido. São da família “Silveira Fernandes” de Conselheiro Lafaiete-MG, que passaram por Candeias-MG, e, se estabeleceram em Passos-MG.

6-1 Paulo César de Castro Silveira, autor deste site.

5-7 Suzana de Castro, nascida em 1935, casada com o finado José Batista Ferreira, (Zé Berto, Zéca). Já falecidos. Cinco filhos. Todos os filhos de Suzana são “Castro Ferreira”. Terezinha mora em Uberlândia e os demais filhos em Uberaba.

6-1 Terezinha,  casada com Sebastião,tem três filhos: Carla (que tem dois filhos, o Caio e o Lucas), Alessandra (que tem o filho Vitório) e Bruno, solteiro, mora em Uberlândia-MG.

6-2 Leci, casado com Márcia, três filhos, (Luciana, Tiago e Neto), Luciana, divorciada, tem filho tem o filho Paulo Júnior.

6-3 Sueli, divorciada, com dois filhos, (André e Gustavo), Gustavo é casado e tem uma filha, Florença.

6-4 Darci, casada, com 3 filhos: Nélio (que tem a Ana Beatriz e a Maria Eduarda), Ederson e Eslei;

6-5 Marli, casada com  Carlos, seu primo, em terceiro grau, também bisneto de Eulina, e filho de Olavo, tem 3 filhos: Leandro, Eduardo e Juliana.  Marli e Carlos também são primos, em terceiro grau, por parte de Cleonice de Castro, (esposa de Olavo de Lima), e irmã do Dóro, marido de Esmeralda, e, avô de Marli.

5-8- Roberto Carrilho de Castro,  (o “Betão”), nascido em 1937, falecido em 1994, de câncer, foi casado com Inedes Carvalho, viúva de Ari.  Roberto teve um filho adotivo, o Leandro, casado, com filhos. Teve uma filha: Roberta de Carvalho Castro, nascida em 17 de agosto de 1979, casada, com um(a) filho(a). Inedes ainda vive, e, é casada, em terceiras núpcias, com Gilberto. Inedes e Roberta moram em Franca-SP. Roberta é a neta caçula de Esmeralda.

4-4 Dinorá de Castro, casada, em 1925, com Sebastião Hilário Correia, (Ver §12; 2-6; 3-4).

5-1 Hélio de Castro Corrêa, casado em 25 de novembro de 1950, com Clarice Rossi Corrêa.

5-2 Noêmia Corrêa, casada em 30 de julho de 1955, com Antônio Capucci.

5-3 Lacy Corrêa, casada em 18 de setembro de 1954, com José Capucci, nascido em 29 de agosto de 1920, e falecido, em 4 de agosto de 1994, em Uberaba.

5-4 Alberto de Castro Corrêa, casado com 30 de julho de 1966, com Marlene Pinto.

5-5 Mário José Corrêa, casado em 22 de janeiro de 1977, com Eva Resende.

4-5 Dalva de Castro, faleceu solteira.

4-6 Cidália de Castro, casado com José Bento___, e teve 10 filhos:

5-1 Vanda,

5-2 Getúlio,

5-3 Antônio,

5-4 Arnaldo,

5-5 Gilberto,

5-6 João Carlos,

5-7 Belina,

5-8 Cidalinha

5-9  Beatriz.

5-10

3-2 João Cândido de Oliveira, nascido, em 27 de março de 1878, e falecido a 23 de novembro de 1900.

3-3 João da Silva e Oliveira, casado, já falecido.???

3-4 Natália, falecida em pequena.

3-5 Honorato da Silva e Oliveira, casado com Maria Porfíria de Jesus, com geração.

3-6 Nabor Abadia de Oliveira, casado, com geração.

3-7 Cornélia de Oliveira, casada com seu primo Amélio Arantes, filho de Tarquelina de Castro Arantes (também dita Tarquelina da Silveira Castro), nascida em Uberaba, em 6 de março de 1854, e falecida em Uberaba, em 18 de julho de 1916, e de Vicente Alves de Arantes Tutuna, com geração.

3-8 Libânia de Oliveira, falecida, casada com Olivério do Vale, também falecido.

3-9 Antônio de Oliveira, (Tonico) casado com Perpétua Crisóstomo, com geração.

2-2 Francisca de Oliveira, natural de Uberaba, onde faleceu solteira.??

2-3 Rita do Espírito Santo e Oliveira, nascida, em Uberaba, a 27 de Abril de 1866, onde faleceu a 23 de junho de 1888.

Era casada com Joaquim Gonçalves de Rezende, viúvo de Rita de Oliveira, (do § 4 anterior).

Dona Rita do Espirito Santo de Oliveira, momentos após a celebração de seu casamento, quando todos os convivas presentes se regozijavam pelo acontecimento, foi acometida de uma violenta enormidade, que, em pouco, levou-a ao túmulo, com a frente ainda cingida pela coroa das virgens. Depois em cartório, seus pais foram dispensados do dote e o noivo renunciou à herança dela.

–  §  8  –

1-8 Tereza Euzébia de da Silva e Oliveira, nascida em Uberaba a 14 de Agosto de 1833, batizada a 4 de Setembro do mesmo, casada, a 30 de novembro de 1848, com José da Cunha Peixoto Leal, nascido na Freguesia de São Ildefonso, cidade do Porto (Portugal), a 18 de Janeiro de 1829, filho legítimo  de  Joaquim da Cunha Peixoto Leal e Tereza Albina de Sousa Campos, já falecidos. José da Cunha Peixoto Leal (Vovô Cunha) veio muito jovem para o Brasil, (com aproximadamente 16 anos, provavelmente junto com Antônio Borges Sampaio), e se estabeleceu como empregado do comércio, mais tarde negociante, e, por fim se dedicou a terapêutica, adquirindo grande fama como charlatão que foi. Teve, nascidos em Uberaba:

2-1 Francisca Alvina da Cunha Campos, nascida em 29 de março de 1851, falecida em julho de 1927. Casado, em primeiras núpcias, com João Modesto dos Santos, filho legítimo de Felício Modesto dos Santos e de Maria Modesta dos Santos, ambos falecidos. Em segundas núpcias, casada com o Capitão Joaquim Inácio de Souza Lima, viúvo de Maria Rita Gomides de Oliveira, e segunda vez, viúvo de Joana Francisca de Paiva. Joaquim Inácio de Sousa Lima nasceu a 5 de setembro de 1836, em Ponte de Lima (Portugal), filho legítimo do Capitão Inácio José de Souza e de Ana Tereza de Matos (Ana Cândida da Trindade) (Ver §13; 1-13). Teve:

Do 1° matrimônio:

3-1 Afonso Modesto dos Santos, nascido em Uberaba por volta de 1880, que em 18 de Setembro de 1894, fundou o pequeno semanário intitulado “O Prego”, casado, em 23 de junho de 1900, com Emilia Isolina Tosta, filha legítima do antigo negociante desta praça, Capitão José Alves Tosta. Emília largou de Afonso e foi para Goiás. Tem Geração:

4-1 Katie King?

4-2 Ruth?

Do 2° matrimônio:

3-2 José Joaquim de Souza Lima, casado com Eulina Augusta de Melo, filha legítima de Antônio Valim de Melo e de Maximina Augusta de Melo, teve 12 filhos nascidos em Uberaba:

4-1, Joaquim,

4-2,

4-3 – Esmeralda de Melo Lima, (ver acima em 2-1 Tenente-Coronel da Guarda Nacional João de Aquino da Silva e Oliveira, depois Maria Teodora de Castro,  Amintas Eudoro),  filha legítima de Eulina Augusta de Melo e de José Joaquim de Sousa Lima, nascida, em Uberaba-MG, em 25 de maio de 1905, e, ali, falecida, em 11 de janeiro de 1996. Esmeralda casou-se, em Uberaba-MG, na Igreja da Abadia, em 12 de outubro de 1924, com Amintas Eudoro de Castro, o “Dóro”, (Uberaba, 05 de outubro de 1901 – Uberaba, 29 de março de 1975), filho legítimo do Boiadeiro Antônio Carrilho de Castro Filho e de Maria Teodora de Castro, (tio casado com sobrinha). Esmeralda e Dóro são primos, em quinto grau, sendo ambos, trinetos do Capitão Domingos da Silva e Oliveira.

Nota: Quando duas pessoas têm o mesmo trisavô, são primos em quinto grau. Quando duas pessoas têm o mesmo bisavô, são primos em terceiro grau. Quando duas pessoas têm o mesmo avô, são primos em primeiro grau. Esmeralda e Dóro tiveram seis filhos que chegaram à vida adulta, e tiveram duas meninas gêmeas, falecidas, ambas, com dois anos de idade, em 1933.

Tiveram filhos e filhas, de dois em dois anos, de 1925 até 1937. Ainda viva, em 2012, só a filha Luciana. Vive ainda a nora Inedes.

A primeira neta é nascida em 1944 (Romilda) e a última (Roberta) é nascida em 1979, portanto 35 anos entre a primeira e a última neta de Esmeralda.

Alguns bisnetos de Esmeralda, os mais velhos, (Eduardo, Jane, Sandra, Heloísa e a Simone), aparecem nas fotos das “Bodas de Ouro” de Dóro e Esmeralda, em 1974, na Igreja da Adoração Perpétua, em Uberaba-MG.

Não sei o nome de nenhum trineto de Esmeralda. Ela não chegou a conhecer nenhum trineto. Os primeiros trinetos nasceram pouco depois de Esmeralda falecer. O trineto mais velho deve ter uns 15 anos hoje, em 2012. Acredito que o trineto mais velho seja filho do Eduardo, que é o bisneto mais velho de Esmeralda, ou da Simone, filha da Leda.

4-4

4-5

4-6

4-7

4-8

4-9

4-10

4-11

4-12

3-3 Sebastião, falecido em pequeno.

3-4 Maria Rita, falecida em pequena.

3-5 Estevam de Souza Lima, viveu em Itumbiara-GO e Uberlândia-MG, dentista, teve:

4-1 Lourdes (Lurdinha) de Souza Lima

4-2 Dinah de Souza Lima

2-2 Dr. José Joaquim da Cunha Peixoto Leal, farmacêutico diplomado, nascido a 26 de novembro de 1856, faleceu a 14 de dezembro de 1889, casado com Augusta….. Teve quatro filhos, alguns dos quais, hoje casados, residindo no Rio de Janeiro-RJ.

2-3 Maria da Glória, nascida a 28 de junho de 1857, e falecida a 11 de fevereiro de 1863.

2-4 Maria Amélia da Cunha (Melica), nascida a 2 de julho de 1860, e aqui falecida, em 1909, de tuberculose, sendo que seu quarto foi desinfectado.

2-5 Maria da Glória, nascida, a 13 de fevereiro de 1863, e aqui falecida, a 21 de agosto de 1867.

2-6 Laurentina da Cunha, nascida a 3 de junho de 1867, e aqui falecida, a 26 de dezembro de 1895, casada com o Coronel Eduardo José de Moura, filho legítimo do Tenente Maximiano José de Moura e de Joana Francisca de Oliveira Moura (Vide neste Título Silva e Oliveira, Capítulo??  § 4, 1-4, 2-2 e 3-3); Teve, nascidos em Uberaba, os seguintes filhos, hoje todos falecidos:

3-1 Álvaro

3-2 Maria

3-3 Cláudio

3-4 Maria

2-7 Padre Francisco da Cunha Peixoto Leal, nasceu, em Uberaba, a 4 de outubro de 1869, e aqui recebeu os primeiros ensinamentos. Em obediência à vocação de “Chiquinho Cunha”, como era aqui geralmente conhecido. Os velhos pais, embora superando mil dificuldades, o mandaram para o seminário de Santa Cruz de Goiás, com o intento de seguir a carreira clerical.

A sua partida de Uberaba teve lugar no dia 20 de agosto de 1883, em companhia do virtuoso prelado Dom  Cláudio José Gonçalves Ponce de Leão, Bispo de Goiás Velho, e frei Raimundo Madre, dominicano.

Aos 5 de maio de 1885, foram conferidas ao jovem, as primeiras ordens de touçura. Nessa época, colaborava nos periódicos “Gazeta de Goiânia“ e “A Cruz”, editadas naquela capital.

Em 1894, adoecendo, viera para Uberaba a conselho médico. Aqui se restabelecendo, voltou ao Seminário a reencenar os seus estudos interrompidos. Durante o tempo, que de Goiás teve afastado, lecionou, em Uberaba, na Escola Normal e num Colégio em Mococa-SP.

O Subdiaconato lhe foi conferido pelo Reverendíssimo Senhor Bispo Dom Eduardo Duarte da Silva, Bispo de Goiás, sucessor de Dom Cláudio, a 8 de dezembro de 1895, sendo desse dia em diante membro do Corpo Docente do Seminário.

Transferido de Goiás para Uberaba, aqui chegou Francisco da Cunha a 10 de agosto de 1896.

Neste ano, aos 8 de dezembro, recebia ordens de diaconato e, finalmente, a 12 de junho de 1897, recebia as de presbítero, celebrando no dia seguinte a sua primeira missa. Foi uma festa memorável.

O padre Francisco da Cunha Peixoto Leal, foi sucessivamente, pároco em Conquista (Município de Sacramento), Morrinhos, Antas, Pirenópolis, Santa Rita do Parnaíba (atual Itumbiara) e Jaraguá, no Estado de Goiás.

Aqui esteve por três anos, sendo eleito chefe político do Partido Governista local. Faleceu, em Jaraguá, aos 23 de outubro de 1905. Era bom orador e manejador da pena. Em 1894, quando aqui esteve colaborou na “Revista Uberabense”, seminário fundado e dirigido pelo seu irmão Romão. Exerceu o magistério no Seminário de Uberaba, de 1896 a 1899.

Legou, em testamento, todos os seus haveres aos seus pais.

Gozou de universal estime no largo âmbito de suas relações, e, por ocasião de sua morte, a imprensa de Minas Gerais, Goiás, São Paulo e Rio de Janeiro, dedicou-lhe extensos e sentidos necrológicos.

2-8 Lucas da Cunha Peixoto Leal, nascido a 18 de outubro de 1871 faleceu, solteiro, em Uberaba, a 6 de novembro de 1890.

2-9 Romão Leal, nascido a 9 de agosto de 1874, fundou, em Uberaba, a “Revista Uberabense”, em maio de 1891, a Revista “A Espera” em 5 de agosto de 1892 e “O Tempo(18??°), em 6 de março de 1893, e, em Ituverava-SP, em 1904, “O Município” Atualmente reside, solteiro, nessa cidade paulista.

Nota: A Esmeralda de Melo Lima conta que procuraram o Tio Romão pelos lados de Igarapava-SP e Ituverava-SP e não o encontraram, nunca mais tendo notícias de Romão.

– §  9  –

1-9 Senhorinha Cândida de Oliveira Terra, nasceu, em Uberaba, a 22 de abril de 1838, aqui falecida, em 1926, casada com o professor normalista Capitão Manoel Garcia da Rosa Terra, português, falecido, nesta cidade, a 7 de novembro de 1881, filho legítimo de Manoel Garcia da Rosa Terra e de Maria Leonor Terra. Teve, nascidos em Uberaba:

2-1 Capitão Fernando Garcia da Rosa Terra, nascido a 28 de janeiro de 1855, já falecido em 21 de junho de 1901, em Prata-MG, foi casado em primeiras núpcias, com Amélia de Castro Terra, filha legítima de Vigiliato de Castro Terra, e, em segundas núpcias, com…… filha legítima do Capitão Antônio Hernandes e de Umbelina Cândida de Melo? Teve do segundo matrimônio:

3-1 Fernando Terra Júnior, foi presidente do Jockey Club de Uberaba, casado com Celeste Prata dos Santos Terra, filha legítima de Antônio Zeferino dos Santos, (Tonico dos Santos), e de Marieta Prata, (Ver o livro “Do Silva ao Prata”, páginas 164, e 168 a 170). Teve:

4-1 Rosália,

4-2 Regina,

4-3 Rodrigo,

4-4 Rachel,

4-5 Ronalda,

4-6 Rogério,

4-7 Romilda,

4-8 Rosa Maria,

4-9 Fernando Antônio,

4-10 Celeste Maria,

4-11 Fernanda,

3-2 Umbelina de Castro Terra, solteira.

3-3 Rui de Castro Terra, casado com …

2-2 Filomena Augusta Terra, nascida a 16 de julho de 1857, casada com o ?Coronel Teixeira e Umbelina Teixeira?.  Teve:

3-1 Senhorinha Teixeira Sereno, viúva do abastado negociante Capitão Antônio Sereno Júnior, falecido, a 22 de fevereiro de 1905, em Monte Alegre-MG, e filho legítimo de Antônio Sereno, sem geração.

3-2 Major Tito Lívio Teixeira, casado a 29 de setembro de 1904, com Cândida Chaves Teixeira, filha legítima do Major Cândido Rodrigues Chaves e de….

3-3 Arlindo Teixeira Filho, casado com Amanda Carneiro, filha legítima do farmacêutico Antônio da Costa Carneiro e de Rita Otília Carneiro, falecida em março de 1912.

3-4 Fernando Teixeira, solteiro.

3-5 Damartino Teixeira

3-6 Amélia Teixeira

3-7 Durval Teixeira

2-3 Coronel Manoel Terra, (Maneco Terra), nascido em Uberaba, a 24 de abril de 1859, e falecido em Janeiro de 1924. Proprietário da antiga casa comercial desta praça “Depósito de Joias” por ele fundadas em 1880. O Coronel Maneco Terra tem ocupado diversos cargos de nomeação pública do governo e de eleição popular, como Juiz de Paz e vereador à Câmara Municipal de Uberaba, da qual foi presidente, e foi agente executivo de Uberaba de 1903 a 1907.

Comandante superior de 94° Brigada de Guardas Nacionais deste município, criada pelo decreto de 27 de junho de 1904; foi membro da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia desta cidade e chefe político influente.

Casado, em primeiras núpcias, com Maria Constância de Castro. Em segundas nupciais, casou-se, a 23 de novembro de 1885, com Cândida de Castro Terra, filha legítima do ?Capitão Amâncio José Bernardes e de Umbelina Cândida de Melo?, teve, nascidos em Uberaba:

Do primeiro matrimônio:

3-1 Capitão Raul Terra, nascido a 27 de fevereiro de 1883; ex-inspetor escolar; um dos fundadores da Irmandade de Vicente de Paula desta cidade, tesoureiro da Santa Casa de Misericórdia local; fundador redator “D’ A Mocidade” aqui editada em 1901; sócio fundador da extinta “Sociedade de Instrução Mutua Cooperação de Ideias” em 1903; negociante de joias, casado a 12 de setembro de 1908, com Isoleta de Castro Terra, filha legítima do Coronel Teófilo Rodrigues da Cunha e de Gabriela de Castro Cunha. Faleceu em 18 de dezembro de 1934, Teve:

4-1 Maria Alice, nascida em Uberaba, a 24 de novembro de 1909, casada com o Dr. Carlos Smith.

3-2 Antonieta Terra, nascida a 8 de fevereiro de 1885, e falecida a 20 de junho do mesmo ano.

Do segundo matrimônio:

3-3 Dr. Carlos Terra, nascido a 20 de Abril de 1887, bacharel em Ciências e Letras e médico pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro-RJ (1912), casado na cidade de Prata-MG, de cuja cidade é vereador.

3-4 Edith de Castro Terra, nascida a 29 de Julho de 1888, casada com Bernardo de Melo, dentista.

3-5 Eurico Terra, nascido a 21 de maio de 1892, bacharel em Ciências e Letras pelo Ginásio Diocesano de Uberaba, faleceu solteiro.

3-6 Eurico Terra, nascido a 1° de dezembro de 1890, e falecido a 16 de julho de 1891.

3-7 Manoela Terra, nascida a 20 de julho de 1895, casada com o advogado Dr. Celso de Vasconcelos.

3-8 Amanejo Terra, nascido a 7 de setembro de 1897, casado com Julieta Cardoso, teve:

4-1 Marlene Terra.

3-9 Maria, nascida a 18 de agosto de 1900, e falecida a 8 de dezembro do ano seguinte.

– § 10  –

1-10 Major Domingos da Silva e Oliveira (Mingote), nascido em Uberaba, onde se casou, em primeiras núpcias, a 27 de maio de 1854, com Pofíria Celestina de Miranda, falecida a 31 de dezembro de 1861, filha legítima de Capitão Tomás José de Miranda Porto e de Sebastiana Maria do Espirito Santo (Vide neste Título, Capítulo 3° §, 1-3, e 2-8), e, em segundas núpcias, a 29 de maio de 1869, com Teodora Carolina de Castro, falecida a 8 de março de 1882, e filha legítima do Major Gregório José Teixeira, e, finalmente, em terceiras núpcias, a 7 de Setembro de 1885, com Marfisa Carolina de Oliveira, falecida em março de 1918, filha legítima do Major José Gregório Pereira da Silva.

Mingote faleceu, em Uberaba, a 21 de junho de 1899. Foi proprietário da Fazenda Velha, deste município; cavalheiro de espírito culto, gozou de grande estima popular, exerceu cargos públicos de nomeação do Governo. Teve:

Do primeiro matrimônio:

2-1 Aulo Gélio, nascido a 21 de Julho de 1855, falecido a 24 de janeiro de 1868.

2-2 Maria Porfiria de Oliveira, nascida a 28 de março de 1857, e, faleceu viúva de José Correia de Morais. Teve:

3-1 Maria Ernestina das Dores, casada com Maximiano da Silva e Oliveira, filho legítimo do Tenente Coronel Francisco Gualberto da Silva e Oliveira e de Ambrosina Leopoldina de Oliveira (Vide § 12° adiante 2-4). Geração em 1905:

4-1 José Antonio de Morais, nascido em junho de 1900.

4-2 Odílio Odilon de Oliveira

3-2 Aulo Gélio de Morais, casado com Maria da Conceição dos Reis. Sem geração.

3-3 Alcides Alceu de Morais

3-4 Porfiria Celestina de Oliveira, casada com Gregório de Oliveira.

3-5 Rita de Cassia Morais, casada com Antônio Alves da Rocha.

2-3 Domingos da Silva e Oliveira Filho, nascido a 4 de outubro de 1858, casado com Jerônima de Oliveira, sem geração.

2-4 Ambrosina, nascida a 7 de Fevereiro de 1860 e falecida a 31 de julho de 1861.

2-5 Capitão Porfirio Tomas Sinhô (20) casado com Maria Rosa de Oliveira, filha legítima do Capitão Horácio Tomaz de Miranda e de Antônia Amélia de Araujo Rosa. Geração em 1905: (Vide neste Título Silva e Oliveira, Capítulo § 3; 2-1 e 4-2).

3-1 José Escutel de Oliveira

3-2 José Felipe Saldanha da Gama

3-3 Maria

3-4 Maria

3-5 Maria

3-6 Maria

3-7 Maria

3-8 José

Filhos do Segundo Matrimônio:

2-6 Capitão Aulo Gélio da Silva e Oliveira (Zuza), solteiro, agricultor, criador, residente na Fazenda Velha, deste distrito, nascido em 18 de fevereiro de 1870.

2-7 Alcides da Silva e Oliveira, nascido a 25 de novembro de 1871, casado com Francisca de Oliveira. Geração em 1905:

3-1 Domingos

3-2 Teodora

3-3 Maria

2-8 Antônia Teodora de Oliveira Bernardes, nascida a 27 de agosto de 1875, casado com o Tenente Carlos Bernardes de Melo. Geração em 1905.

3-1 Amâncio

3-2 Alcides

3-3 Teodora, casada com João Uberabino.

3-4 Maria

2-9 Francisca de Sales Gomides, nascida a 21 de outubro de 1879, casada com Gestão Rodrigues da Cunha, filho legítimo do Major Eugênio Oscar Rodrigues da Cunha e de Filinta Elisa de Miranda, já falecida. Geração em 1910 (Vide Capítulo 3° adiante § 3°, 2-4 e 4-2):

3-1 José Gastão da Cunha, nascido, em Uberaba, a 4 de abril de 1903.

3-2 Saul Rodrigues da Cunha, nascido, em Uberaba, a 14 de maio de 1904.

3-3 Gastão Rodrigues da Cunha Junior, nascido, em Uberaba, em 10 de abril de 1906.

3-4 Mario Rodrigues da Cunha nascido, em Uberaba, em 26 de junho de 1907.

3-5 José Calmon da Cunha, nascido, em Uberaba, a 8 de dezembro de 1908.

2-10 Rita de Cássia e Oliveira, nascida a 5 de fevereiro de 1882, casada com Francisco Recife, filho legítimo do finado Major Antero da Rocha Ferreira e de Isaura Cândida da Rocha.

2-11 Teodora Carolina de Oliveira, casada com Olivério Mateus dos Reis, filho legítimo do Major Fernando Mateus Reis.

Do 3° Matrimônio:

2-12 Gregório Magno de Oliveira, nascido a 23 de junho de 1886, solteiro em 1905.

2-13 Carolina, nascida a 27 de setembro de 1887, e falecida a 1° de dezembro do mesmo ano.

2-14 João da Silva e Oliveira, nascido a 27 de agosto de 1888, residente em Araguari-MG, com geração. (Descendentes dele entraram em contato conosco no site).

2-15 Teodora, nascida a 14 de maio de 1890, solteira em 1905.

2-16 Ascânio Enéas de Oliveira, nascido a 21 de agosto de 1891, casado sem geração.

2-17 Gumercino Saraiva de Campos Osório, nascido a 16 de dezembro de 1893, casado com geração.

– § 11°  –

1-11 Major José Joaquim da Silva e Oliveira, nascido em Uberaba casado com Maria Cassimira de Araujo, filha legitima do Comendador Antônio Eloy Cassimiro de Araujo, Barão de Ponte Alta e Marcelina Florinda da Silva e Oliveira. Teve:

2-1 Capitão Inácio de Loyola da Silva e Oliveira, falecido em 24 de outubro de 1940, agricultor no Porto da Ponte Alta, distrito de Uberaba, casado, em 1912, com Alice Lopes, falecida em janeiro de 1950, Teve:

3-1 Ana

3-2 Geralda

3-3 Carolina

3-4 Benedito

2-2 Maria Justina Cassimira de Araujo, casada com o seu tio materno Major Elcy Cassimiro de Araujo, filho legítimo do Barão da Ponte Alta (Antônio Eloy Cassimiro de Araujo) e de Marcelina Florinda da Silva e Oliveira.  Ver, Teve:

3-1 Leôncio Cassimiro, casado com Rita Marques.

3-2 Osório Cassimiro, falecido.

3-3 Sebastiana Cassimira de Araujo Mendonça, casada com Lindolfo Cassimiro de Mendonça, filho legítimo de Cândido Luiz de Mendonça e de Joana Cassimiro de Araujo (Título Silva e Oliveira, Capítulo 4°, § 10°, 2-6 e 3-5) Teve:

4-1 Maria

4-2 José

4-3

4-4 Elcy

4-5 Joana

4-6 Jonas

4-7 Adelaide

4-8 Randolfo

3-4 Lírio Cassimiro, falecido.

3-5 Hortêncio Cassimiro de Araujo, casado com geração.

3-8 Sebastiana, falecida

3-9 Maria

3-10 Joana

3-11 Domingos

3-12 Togo, casado com geração.

2-3 Leopoldina Augusta de Araujo, nascida a 1 de Maio de 1869, casada com major Joaquim José de Oliveira, nascido em 27 de fevereiro de 1853, negociante, (filho legítimo do Major Antônio Francisco da Silva e Oliveira e de Joana Francisca de Oliveira Vale), falecido em 20 de fevereiro de 1929. Teve:

3-1 César da Silva e Oliveira, nascido em Uberaba a 28 de agosto de 1885, casado, em 24 de março de 1912, com Leonor Vieira, (Lorica), filha legítima de Saint-Clair Vieira Pontes e de Rachel Jonas Gomides.

3-2 Joaquim, falecido a 14 de junho de 1887.

3-3 Júlia da Silva e Oliveira, casada com Jorge Chocder.

3-4 Horades da Silva e Oliveira, casada com Ambrolino Borges.

3-5 Dr. Leopoldino da Silva e Oliveira, falecido em 18 de Agosto de 1929, bacharel pelo ginásio Diocesano de Uberaba, e bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Belo Horizonte-MG, diretor do Colégio Rio Branco, de Uberaba, jornalista, deputado.

3-6 Maria da Silva e Oliveira

3-7 José Maria da Silva e Oliveira, já falecido.

3-8 José da Silva e Oliveira, já falecido.

3-9 Francisco da Silva e Oliveira, casado, residente no Rio de Janeiro.

3-10 Antônio Alberto de Oliveira, fazendeiro, tem ocupado cargos públicos e atualmente é vereador à Câmara Municipal de Uberaba, e casado com Margarida Martins. Teve:

4-1 ……..

4-2………

3-11 Edith da Silva e Oliveira.

3-12 Maria, nascida a 18 de Novembro de 1903.

3-13 José, já falecido.

2-4 Marcelina Florinda da Silva e Oliveira, casada com o Major Antonio Inácio de Souza, (provável irmão do Joaquim Inácio de Souza Lima – Ver), industrial, residente neste distrito, e, falecido em 1915, em Uberaba. Geração em 1905:

3-1 Carlos Inácio de Souza, fazendeiro, casado com …..

3-2 José Inácio de Souza, casado com Maria Lacerda.

3-3 Avelino Inácio de Souza, engenheiro.

3-4 Edmundo Inácio de Souza, casado com Antônia de Oliveira.

3-5 Isoleta Inácio de Souza, casada com Waldez Prata, filho legítimo de José Joaquim da Silva Prata e de Adelaide Augusta Guaritá, (Ver o livro “Do Silva ao Prata”, página 42), teve:

4-1 Cleveland,

4-2 Rúbria,

4-3 Anésia,

4-4 Antônio José,

3-6 Maria Inácio de Souza

3-7 Leopoldina Inácio de Souza, (Leopoldina Sousa Oliveira), casada com Aguinaldo Prata, filho legítimo de Domingos José da Silva Prata e de Ana Eulália das Dores Prata, (Sinhaninha), (Ver o livro “Do Silva ao Prata”, páginas 65 e 66), teve:

4-1 Aparício,

4-2 Olavo,

4-3 Maria Alice,

4-4 Marconi

4-5 Orlando,

4-6 Paulo,

4-7 Aldo,

3-8 Aristides Inácio de Souza, casado com Maria da Rocha.

3-9 Luiza Inácio de Souza, casada com Luiz Bilharinho.

2-5 Senhorinha Cândida da Silva e Oliveira, casada com o Capitão Bruno Cezar Brunswick, nascido a 3 de outubro de 1870 e falecido a 5 de outubro de 1908, filho legítimo do Major Hermógenes Cassimiro de Araujo Brunswick e de Rosalina Ferraz Brunswick , falecida a 30 de novembro de 1909. Teve:

3-1 Arthur César Brunswick, nascido a 19 de janeiro de 1893, falecido em pequeno.

3-2 Cezar Arthur Brunswick nascido a 14 de Agosto de 1894.

3-3 Augusto César Brunswick, já falecido.

2-6 Aristides da Silva e Oliveira, solteiro em 1905.

2-7 Francisca Amélia de Oliveira, casada com negociante português Manoel Domingos Damas. Geração em 1905:

3-1 Maria Rosa Damas

3-2 José Domingos Damas

3-3 Marta Damas

3-4 Rosa Dama e outros.

 

2-8 Tito da Silva e Oliveira, casado com Floripas Gondim, em 1905, e teve:

3-1 Castorino e mais dois filhos, dos quais não apuramos.

2-9 Januária Brasilina de Oliveira, nascida em Uberaba, a 3 de fevereiro de 1879, casada, a 15 de junho de 1896, com o tipógrafo João Ricardo Ferreira da Rocha, nascido, nesta cidade, a 8 de novembro de 1864, e, aqui falecido, a 12 de abril de 1907, filho legítimo de Ricardo Ferreira da Rocha e de Maria Ricarda. Teve, nascidos em Uberaba:

3-1 José, falecido em pequeno.

3-2 Antônia Rocha, casada com Aristides Inácio.

3-3 Maria da Rocha, nascida a 27 de novembro de 1904, casada com José Tiradentes de Lima.

3-5 Joana, nascida em 1907, solteira.

– § 12°  –

1-12 Tenente Coronel Francisco Gualberto da Silva e Oliveira, natural de Uberaba, onde faleceu com a idade de 45 anos, casado com Ambrosina Leopoldina de Oliveira, filha legítima do Major Francisco José de Oliveira (Chico Gordo), geração em junho de 1905:

2-1 Maria de Oliveira, faleceu solteira.

2-2 Francisca Alvina de Jesus, casada com Antonio Alves Sobrinho, sem geração.

2-3 Augusto Galdino da Silva e Oliveira, casado com Maria Emília de Oliveira. Teve:

3-1 Ilídio

3-2 Maria

3-3 Maria Dolores

2-4 Maximiano da Silva e Oliveira, casado com sua Prima Maria Ernestina das Dores, filha legítima de José Correa de Moraes e de Maria Porfíria de Oliveira (Vide a geração descrita neste capítulo no § 10° 2-2 e 3-1).

2-5 Amélia Maria de Jesus, casada, em primeiras núpcias, com Procópio Ferreira Cândido, com quem não teve geração; e, em segundas núpcias, com José Florêncio Gomes, teve:

3-1 José Gomes

3-2 Benedito

3-3 Adélia (falecida)

3-4 Izabel

3-5 Maria Marcela

3-6 Graziela

2-6 Ana Leopoldina de Oliveira, casada com Francisco Correia da Costa, Teve :

3-1 José

3-2 Dolores

3-3 Bertolina

3-4 Sebastião Hilário Corrêa, casado com Dinorá de Castro, filha do boiadeiro Antônio Carrilho de Castro e de Maria Teodora de Castro. Ver a geração em ……..

3-5 Olívio

3-6 Euclides

3-7 Magnólia

3-8 Horades

3-9 João Argemiro

3-10 Nair, casado com Abílio Justino Monteiro (Bilico), filho de Carlos Justino Monteiro e de Maria do Carmo de Sousa, teve:

4-1 Adair, casado com o vereador de Uberaba, Arly Coelho, teve:

5-1 Jean Carlos

5-2 Erlon Carlos, que teve:

6-1 Manuela

4-2 Wanderlei, que teve:

5-1 André

5-2 Marcos

4-3 Elton Siles, casado com Lila, e teve:

5-1 Guilherme

5-2 Leandro

5-3 Ivan

4-4 Nilza Maria Monteiro Rodrigues, teve:

5-1 Pedro Augusto

5-2 Bernardo

 

3-11 Geraldo Correia da Costa, casado com Maria José, teve:
4 – 1 Wendell
4 – 2 Wédina
4 – 3 Welles4 – 4 Geraldino casado com Zuleica, que teve:5 – 1 Cristiano5 – 2 Alexandre casado com Andréa5 – 3 Eliane, que teve:6 – 1 Marília4 – 5 Maria Cristina

3-12 Odete (falecida em pequena)

3-13 Maria Adélia

2-7 Maria de Oliveira, casada com José Elias Gomes, falecido, Teve:

3-1 Sebastião

3-2 Maria Abadia

3-3 Domicilia (falecida)

3-4 José Boanerges

3-5 Bertolina

3-6 Irea

3-7 Antônia

3-8 Henrique

2-8 Guilhermina de Oliveira, faleceu solteira.

2-9 Domicilia de Oliveira, faleceu pequena.

2-10 Antonio de Oliveira, faleceu pequeno.

– § 13°  –

1-13 Maria Rita Gomides de Oliveira, professora de instrução primária, em Uberaba, de 1861 a 1863; faleceu a 29 de maio de 1863. Casada, em 1853, em Uberaba, com o Capitão Joaquim de Inácio de Souza Lima, nascido a 5 de Setembro de 1836, em Ponte Lima, Portugal, filho legítimo do Capitão Inácio José de Souza e Ana Tereza de Matos (Ana Cândida da Trindade). Não teve geração.  (Ver  §  8 , 1-8, 2-1).

Filho natural do Capitão Domingos com Maria do Carmo Pacheco:

– § 14°  –

1-14 Furriel Antônio Cesário da Silva e Oliveira, nascido no Desemboque, a 7 de fevereiro de 1818, casado com Maria Cândida Justiniana da Gama Lira, nascida no arraial de Uberaba, a 2 de maio de 1823, e, aqui falecida, aos 29 anos de idade, a 22 de março de 1852; era filha legítima do solicitador Cândido Justiniano de Lira Gama, natural de São João Del Rey-MG, e de ?Maria Teodoro da Silva Brandão e Rosa Gonçalves Pimenta?. (21).

O furriel Antonio Cesário prestou relevantes serviços na guarnição do município de Uberaba por ocasião da Revolução Mineira de 1842; foi político liberal muito dedicado; ferreiro habilíssimo. Cultivava com amor, a pintura e a música; muito dado às musas e à arte dramática.

Foi ele quem, de parceria com seu sogro Cândido Justiniano de Lira, Coronel Carlos José da Silva, Padre Zeferino Batista e outros, iniciou a arte do teatro em Uberaba, desde 1835.

O seu espírito, educado nas letras, muito contribuiu para o desenvolvimento do teatro entre nós. Ao furriel Antônio Cesário se deve a composição de uma interessante comédia intitulada “O Colégio de D. Abelha”. Esta peça de súbito valor literário deve ainda existir entre a família.

Faleceu em Uberaba, a 27 de Junho de 1846, Teve um único filho:

2-1 Tenente Coronel Antonio Cesário da Silva e Oliveira, nascido, em Uberaba, a 2 de Julho de 1842, casado, a 12 de Outubro de 1861, com Maria do Carmo Nascimento de Oliveira, filha legítima dos finados Capitão José Maria do Nascimento e de Lodemília Maria do Nascimento; advogado, poeta, literato, Jornalista, musicista (compositor), autor de muitos trabalhos jurídicos, de uma gramática musical (inédita), deputado a Assembleia Legislativa Mineira, de 1882 a 1884. Foi o único deputado de Uberaba na Assembleia mineira durante o Império do Brasil. Residiu em Uberaba. Foi homenageado, pelo Visconde de Taunay, que o colocou com personagem do romance “Inocência”, único personagem que manteve seu nome verdadeiro no livro. Não teve geração.

Anúncios

45 Respostas to “0 0 0 0 0 0 A Família do Capitão Domingos da Silva e Oliveira, Sargento Mor Eustáquio da Silva e Oliveira, Coronel José Manuel da Silva e Oliveira – Filhos, netos e bisnetos em diversas famílias de Uberaba-MG”

  1. Anonimo Says:

    Boa noite.

    Gostaria de saber quais os filhos de Domingos da Silva e Oliveira (Mingote).
    E possivel me informar?
    Sem mais para o momento
    Sergio.’.

    • capitaodomingos Says:

      em breve vou passar o texto para word, mas já está em formato imagem, e tem o mingote.

      vou passar sobre ele: MINGOTE, filho do capitao domingos, casado 3 vezes e teve 17 filhos.
      o décimo quarto filho do mingote se chama mingote também e nascido em 27 de agosto de 1888, e residente em araguari.
      só isso que tem.

      • Antonio Sergio de Oliveira Almeida Says:

        Boa tarde Capitaodomingos.

        Minha mae me disse que ele apos o almoço como sobremesa comia uma colher de pimenta malagueta apos o almoço e jogava um punhado de farinha de mandioca em seguida.
        O decimo quarto filho do Mingote que se chamava tambem Mingote por acaso vc sabe o verdadeiro nome dele ou era este o nome. Estou achando que era o Joao da Silva e Oliveira. Tem como vc confirma isto para mim?
        Grande abraço
        Sergio.’.

      • antonio sergio de oliveira almeida Says:

        Bom dia Paulo Cesar.
        Gostaria se possivel de ver a imagem do Mingote, meu bisavo se possivel.
        Como faço para localizar esta informação:
        (Veja Título Silva e Oliveira, Capítulo IV, $4, 2-5, 3-5).
        Gostaria de ver este capitulo.

      • capitaodomingos Says:

        temos uma reprodução de má qualidade em xerox de livro vou providenciar. voce poderia mandar de novo a ligação entre vocês e o mingote pois há vários homônimos.

  2. antonio sergio de oliveira almeida Says:

    Corrigindo. Nao é Anonimo e sim Antonio Sergio de Oliveira Almeida quer saber quais os filhos de Domingos da Silva e Oliveira (Mingote).
    Sem mais para o momento
    Sergio.’.

  3. Antonio Sergio de Oliveira Almeida Says:

    Paulo Cesar.

    Vc teria possibilidade de informar para mim o site do Registro Civil de Uberlandia? E Araguari?
    Porque na Cidade de Conquista, na Fazenda Conquista teve um tal de Domingos Villela que também teve o apelido de Mingote e foi o construtor da Estara de Ferro Mogiana. Estou muito desconfiado que deve ter alguma relaçao. Apesar que o Cel Domingos Villela teve sua origem na cidade de Ribeirao Preto, pelas informaçoes o limite da fazenda do Cel Domingos Villela se encontrava com os limites da fazenda do Capitao Domingos da Silva e Oliveira. E a estrada de Ferro Mogiana passava dentro das terras do Capitao Domingos da Silva e Oliveira.
    Com este esta inteirando o terceiro Mingote.
    Sem mais para o momento
    Grande abraço fraterno
    Sergio.’.

    • capitaodomingos Says:

      o cartorio da sua cidade pode te informar e entrar em contacto com outros cartorios, tudo pode ser conseguido pelo correio.

      sim, a mojiana passava na conquista que foi desapropriada mas isso já muito depois quando pertencia ao meu trisavo antonio valim de melo.

      Em 2012-04-02 15:54,

  4. Antonio Sergio de Oliveira Almeida Says:

    Os tios de minha mae era: Tio Zuza(Allu Gelio), Tio Cida(Alcides) e tio Ita nao lembra o nome mas assim que ela se lembrar te envio.
    Edstes eram filhos do avo dela o Cap Domingos.
    Se vc por acaso tiver alguma informaçao te agradeço muito.
    Grande abraço fraterno
    Sergio.’.

  5. Armando L. R. Penna Ríspoli Says:

    Paulo Silveira: no Google books, algum tempo atrás.baixei o interessante livro “História do Movimento Político que no anno de 1842 teve lugar na Provincia de Minas Gerais, escrito, em 1844, pelo Cônego José Antônio Marinho (1803-1853), outro brilhante professor do Colégio Caraça. Em sua leitura mais acurada deparei-me com referência ao Capitão Domingos – Vol. II – fls. 108 e 228, assim como ao Padre Zeferino. Se interessar, veja também a lista dos assinantes de Uberaba (227/9), e os de Formiga, dentre os quais destaco João Quintino Teixeira. Aliás, se me permite, sugiro uma anotação sobre o Livro destacado. Até logo.

  6. Armando L. R. Penna Ríspoli Says:

    Paulo Silveira: Bom dia. Cada dia gosto mais do seu site. Ainda agora, imprimi a biografia do pentavô paterno, Major Eustáquio, para ler com muito cuidado. A propósito, você tem uma cópia legível do testamento para me enviar ? A que tenho é manuscrita, gentilmente enviada pelo Arquivo Público de Uberaba, mas de difícil decifração. Um abraço do admirador, também parente.

    • capitaodomingos Says:

      obrigado. divulgue o site. temos muita coisa a acrescentar ainda.
      sobre o Eustáquio, vou ver se tem o testamento nos livros sobre uberaba. parece que sim. em todo caso, mande escaneado para mim tentar ler.
      há outro pesquisador do eustáquio que já postou aqui. procure nos comentários.

      • Luciana E Wandré Says:

        capitaodomingos sou da linhagem do Eustáquio tbm.
        Meu nome é Luciana Miranda de Carvalho Montanheiro, e estou buscando a parte que fala mais do meu bisavô Antônio Bernardino da Costa e da minha bisavó MARIA RITA DE MIRANDA.
        Tenho alguns dados que se encontram errados na descrição a partir desses nomes, inclusive não contém o nome do meu avô CLÓVIS BERNARDINO DA COSTA filho deles.
        Como podemos incluir o nome dele?
        E a data do nascimento da minha tia Leotina Lavrador não é 1910, na verdade, meu avô Clóvis que nasceu em 1910 (do segundo casamento da minha bisa Maria Rita de Miranda). A tia Leontina Lavrador nasceu em 1878.

  7. Correia Says:

    Paulo Silveira, bom dia. Sou neto do Geraldo aí da descendência, como acrescentar minha família no site? Aguardo retorno por email pode ser. Abraço.

  8. Elaine c. s .lopes Says:

    gostaria de obter mais detalhes a respeito de joaquim pedro de figueiredo , pois ele é meu bisavô e tais informações me interessam muito

    • capitaodomingos Says:

      eu tenho um livro dos figueiredo. o problema é que existe muitos joaquim pedro.
      qual os nomes dos pais dele? ou local que morava, ou filhos. que data mais ou menos morreu e nasceu?

      • antonio sergio de oliveira almeida Says:

        Achei o testamento do capitao Domingos como faço para te enviar.
        Abraços
        Sergio.’.

      • capitaodomingos Says:

        eu tenho. mas a primeira metade do inventario dele sumiu no labirinto do arquivo de uberaba. eu tenho porque a prima do livro verdade historica publicou…

  9. Glenda Pontes Says:

    Olá a todos, o Hildebrando de Araujo Pontes era o tio e Padrinho do meu avô e eu gostaria saber mais sobre eles.
    Alguem sabe como achar o registro de Conquista e Sacramento? Qual seria a numero 1 da regiao?

    Obrigada

    • capitaodomingos Says:

      não entendi a pergunta. eu conheci o dr. silvio pontes prata neto do velho hildebrando e casado com uma prima minha dos monteiro de araujo do badajos.
      terá que pesquisar na paróquia de sacramento, (um livro deles foi parar na curia de uberaba), e no forum onde estao os inventarios do desemboque, inclusive o inventario do primo Manuel Nanzienzano da Silveira em cuja fazenda conquista surgiu a cidade. em conquista nao vai achar nada, é muito nova.

  10. Sebastião Nogueira Says:

    Sou Sebastião Nogueira bisneto de Olindo de Oliveira Junior filho de Henriqueta Augusta de Oliveira , filha do Capitão Luis da Silva e Oliveira filho do Capitão Domingos da Silva e Oliveira , moro em Bebedouro.SP meu email é sn53@terra.com.br. Espero Contato
    Grato Sebastião Nogueira . ‘ .

  11. Sebastião Nogueira Says:

    Meu pai chamava-se Erasmo Nogueira filho unico de Ubaldina de Oliveira Nogueira casada com Gumercindo Nogueira , filha de Olindo De Oliveira Junior filho de Henriqueta Augusta de Oliveira ………………………..

  12. Eva Finardi Says:

    Major João Ignacio de Sousa e Anna Maria de Sousa (solteira Ferreira de Andrade ou de Andrade) são pais de Iveta Maria de Sousa Soares. O major era filho de José Ignacio da Silveira e Francelina Maria de Jesus (ou Francelina Maria Moreira ou Francelina cândida de Jesus). Anna Maria de Sousa era filha de Ananias Ferreira de Andrade e de Domithildes de Andrade (dos Santos)

  13. César Macahdo Says:

    Parabéns pelo trabalho! aliás, graças a você descobri que sou parente do FHC! o.0

    Descendo do Capitão Domingos da Silva e Oliveira, pelo lado da Carolina Oliveira do Valle

    Apenas gostaria de fazer uma observação, no filho nº 1-7, “Furriel Antônio Cesário da Silva e Oliveira”, Furriel é título, ex: Capitão, Doutor, etc…

    Outro detalhe, no item “2-8 Maria das Dores e Oliveira Vale”, ela teve dentre suas filhas, “3-8 Carolina de Oliveira Vale, nascida a 17 de agosto de 1890”

    Carolina é minha bisavó, pelo lado paterno, ela foi casada com “Antonio Theodoro Nogueira Filho”, prefeito de Colina, S.P e conhecido como “Dr. Tota Nogueira”, leva nome de uma rua na cidade de São Bernardo do Campo, SP, Brasil, ele nasceu em Resende-RJ e morreu em Colina,SP em 1933, dizem que morreu de desgosto por ter sido “convidado” a renunciar ao mandato de prefeito, durante a revolução de 1932.

    • capitaodomingos Says:

      eu sei que furriel é título. Se é Nogueira, leia as páginas sobre nós Nogueira neste site. Pelo que sei em 32 os prefeitos eram nomeados.

      • César Machado Says:

        Andei pesquisando os jornais de 1930, e eles publicavam a relação dos prefeitos que renunciavam aos cargos, junto com os que se mantinham, mas não sei em detalhes, o fato é que o Tota Nogueira não terminou o mandato. aliás, teve até uma carta de um primo, Francisco de Paula Nogueira, publicada no “O Colinense” de 07/12/1930, em que dá todo o seu apoio ao Tota, enfim, coisas de família….

        Descobri a pouco tempo que meu Nogueira vem do casal Tomé Rodrigues Nogueira do Ó e Maria Leme do Prado, aliás, ela judia, descendente do Rei Salomão. Segundo consta no testamento do Tomé eles nem desconfiavam disso!

        Estou digitalizando o seu blog no site Geni, se quiser dar uma olhada, o perfil do Capitão Domingos é este:
        http://www.geni.com/people/Domingos-da-Silva-e-Oliveira/6000000027802289231

        Também com ajuda do seu blog, fiz a árvore do FHC, link:
        http://www.geni.com/people/Fernando-Henrique-Cardoso/6000000027817109610?through=6000000027817904999

        Parabéns novamente pelo trabalho!

      • capitaodomingos Says:

        temos várias páginas sobre nós Nogueira e não há documento algum que diga que eram cristãos novos.

  14. Sebastião Nogueira Says:

    Os Nogueiras de Colina são meus parentes o Antonio Theodoro , Luciano de Mello Nogueira e outros são primos de meu avô todos advindos de Baependi MG e os Oliveira são por parte da minha avó , por parte de meu pai.

  15. Sebastião Nogueira Says:

    O tumulo da Sra. Henriqueta Augusta de Oliveira encontra-se am Colina.SP sendo o segundo a esquerda de quem entra no cemiterio local.Era minha tataravó casada com Olindo de Oliveira , filha do capitão Luis filho do Capitão Domingos.

  16. Sebastião Nogueira Says:

    Meu novo email é snogueira53@yahoo.com
    Sebastião Nogueira

  17. Sebastião Nogueira Says:

    Novo email : snogueira53@yahoo.com

  18. ANTONIO SERGIO DA SILVA Says:

    meus amigos ou primos , por favor me mande dados de ;RITA CONSTANCIA CARDOZO ,SUA ORIGEM ,SEUS PAIS ,MEU TETRA AVÓ ;ALFERES FRANCISCO DE PAULA SILVA CARDOZO PODE SER IRMÃO DELA QUERO CONFIRMAR ELE NASCEU EM 1805 .SEI QUE ELE VIVEU PERTO DE NOVA LIMA -MG .ONDE SE CASOU E FALECEU .mande por Email; silvasspmg@gmail.com

    • GENEALOGIA SILVA OLIVEIRA UBERABA-MG FRANCA-SP MADRINHA DA SERRA Says:

      Não é a mesma. A nossa já teve filhos nesta época e faleceu em 1820 no desemboque.

      • ANTONIO SERGIO DA SILVA Says:

        gostaria de saber se vc tem mais dados da ,rita constancia cardos nascida em em congonha de sabara ,atual hoje nova lima ,ex seus pais e irmaos.

  19. Luciana E Wandré Says:

    capitaodomingos sou da linhagem do Eustáquio tbm.
    Meu nome é Luciana Miranda de Carvalho Montanheiro, e estou buscando a parte que fala mais do meu bisavô Antônio Bernardino da Costa e da minha bisavó MARIA RITA DE MIRANDA.
    Tenho alguns dados que se encontram errados na descrição a partir desses nomes, inclusive não contém o nome do meu avô CLÓVIS BERNARDINO DA COSTA MIRANDA filho deles.
    Como podemos incluir o nome dele?
    E a data do nascimento da minha tia Leotina Lavrador não é 1910, na verdade, meu avô Clóvis Bernardino da Costa Miranda que nasceu em 16 de fevereiro de 1910 no Veríssimo|MG e faleceu em 17 de julho de 1968 em Frutal. Meu avô Clóvis é filho do segundo casamento da minha bisa Maria Rita de Miranda. A tia Leontina Lavrador nasceu em 1878 e casou-se em 1891.
    Bom, eu gostaria de um contato do senhor que eu poderia entrar com mais detalhes. Inclusive, estou buscando os nomes e documentos dos pais da minha bisavó Maria Rita de Miranda que eu não sei os nomes, só sei que um deles é de Portugal. O motivo é que estou tentando buscar a cidadania portuguesa.
    O senhor tem alguma fonte onde posso pesquisar?

    • GENEALOGIA SILVA OLIVEIRA UBERABA-MG FRANCA-SP MADRINHA DA SERRA Says:

      muito obrigado. vou colocar as informações no word e depois faço outro pdf e coloco. preciso achar primeiro onde está o texto em word. gostaria que mandasse também o local em que nasceu leontina. pode começar pesquisando inventario e torcendo para ver se tem testamento. os bem antigos faziam testamento dando o local em que nasceram. pode estar em uberaba ou locais proximos..

    • GENEALOGIA SILVA OLIVEIRA UBERABA-MG FRANCA-SP MADRINHA DA SERRA Says:

      desse clóvis, mande o que tiver data e local de nascimento casamento e morte; toda genealogia é incompleta, do meu avô o hildebrando parou em 1905. para saber mais sobre como pesquisar certidões em Portugal, leia está minha página que é bem acessada https://capitaodomingos.com/0-0-certidoes-so-com-certidoes-temos-certeza/

  20. Luciana E Wandré Says:

    Claro que ajudarei sim. Vou perguntar para minha mãe Clauria as datas e te passo tudo até no meio da semana. 😉

  21. kel Says:

    Ola, sou da linhagem de Joaquim da Silva e Oliveira, e primeiramente agradeço por esse lindo trabalho, pois atraves dele descobri a linhagem de minha familia, sou tataraneta de Florinda Maria de Oliveira, e Tobias Jose Pires, acrescento ao seu trabalho, que juntos eles tiveram tambem o filho Sebastiao Oliveira Pires, meu avô !!

  22. marcos mauricio mendes lima Says:

    Prezado amigo e genealogista, estou com dois documentos referente a Sesmaria do Tenente Joaquim da Silva e Oliveira digitalizados, pra enviar-lhe. Qual é mesmo seu gmail. O meu é: mlmlmarcoslima@gmail.com. Grato!….

  23. dinalva rocha de oliveira Says:

    Quero que entra no meu face Dinalva rocha de oliveira . Frutal minas gerais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: