00 Manuel Pinheiro Diniz, patriarca da família Silva Diniz

 DINIZ por ser filho de DIONÍSIO:

O lugar de Vilarinho, em Sever de Vouga é o nosso berço:

http://avei.ro/noticia.aspx?id=35372&notic=Cedrim%20debaixo%20de%20fogo 

Amamos Vilarinho e Cedrim:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Talhadas

Amamos: Vilarinho é um lugar (aldeia)  na Freguesia de Talhadas, Conselho de Sever de Vouga.

MANOEL PINHEIRO DINIZ: é o tronco dos “SILVA DINIZ” de Minas Gerais.

=

Batistério de Manoel Pinheiro Diniz:  março de 1680, na Freguesia de Cedrim, Sever de Vouga, filho de DIONISIO JOÃO e MARIA JOÃO, que eram primos entre si:

CLIC AQUI no link abaixo PARA AMPLIAR:

é o primeiro manoel desta folha, filho de dionísio joão

Clic duas vezes  para ver a foto grande:

Casamento de Dionísio João e Maria João, em Cedrim, em 1674:

Não dá os nomes dos pais de Dionísio e de Maria. Os quais sabemos devido ao processo de Genere, em Mariana-MG, de padre Manuel Francisco da Silva Diniz, neto de MANUEL PINHEIRO DINIZ:

=

Os “SILVA DINIZ” sempre foram da região de SABARÁ, CONTAGEM, BETIM, Belo Horizonte, ESMERALDAS, BRUMADINHO, Paraopeba e Curvelo. Todas ela são cidades de  MINAS GERAIS.

=

Batismo de Maria João, filha de AGADA, solteira, filha de Simão Jorge e Isabel João em 1645: (na época escrevia-se aguada).

acento de batismo de Maria João

=

Outro clichê do batismo de Maria João: Como deveria ser a situação de uma mãe solteira em 1645? A Agada.

=

Batizado do Pai de Manoel Pinheiro Diniz, o Dionízio João

=================================

O Manoel Pinheiro Diniz tinha uma sesmaria de terras concedida, em 1739 na Serra do Itatiaiuçu, na região que hoje tem minério de ferro, tudo perto de BH. ERA A FAZENDA DO PAULO PRETO, fica perto de Belo Horizonte, perto da rodovia Fernão Dias.

===

BH se chamava na época Curral del Rey.

A família DIAS, do português casado com filha do  Manoel Pinheiro Diniz , nossas avó JOSEFA MARIA tinha a Fazenda do Pintado onde é hoje a refinaria da Petrobrás em Betim-Mg.

==

A Família também foi dona da Fazenda Serra Negra, entre Contagem e Esmeraldas, por onde passou a revolução liberal de 1842.

Tem livro raro e antigo sobre a Revolução de 1842 que fala da fazenda Serra Negra e de muitos outros parentes nossos.

=================================

RESUMO:

MANOEL PINHEIRO DINIZ, casado com CLAÚDIA de AZEVEDO e SILVA é o pai de:

JOSEFA MARIA DE JESUS , ou JOSEFA MARIA DA SILVA DINIZ que é mãe de: (Tem, em Mariana, processo de casamento dela, em 1750 mais ou menos).

JOAQUIM FRANCISCO DA SILVA DINIZ que é pai de:

JOAQUIM VENANCIO DA SILVA DINIZ que é o pai de:

JOSE DA SILVA DINIZ que é o pai de:

MARIA ASSIDALIA DA SILVA DINIZ:

que é a VOVÓ DADAIA.

========================================

Amamos a VoVó Dadáia.

ver mais sobre a Vovó Dadáia na página João da Silva e Oliveira

========================================

Vovó Dadáia é mulher do VOVÔ

JOAO DA SILVA OLIVEIRA, filho do CAPITAO DOMINGOS.

==========================================

A origem, a raiz de MANOEL PINHEIRO DINIZ  é a Freguesia de São João Baptista de Cedrim, Concelho de Sever de Vouga, Distrito de Aveiro, Portugal.

http://www.netual.pt/par-pessegueirodovouga/cedrim.htm

http://www.fisicohomepage.hpg.ig.com.br/svv-cedrim.htm

====================================

NOS SITES ABAIXO, VEJA MAIS SOBRE CEDRIM E SERVER DE VOUGA.

http://www.sever-vouga.net/

http://www.cm-sever.pt/

http://www.olhares.com/sever_de_vouga_ii/foto631043.html

==================================================

AMAMOS O RIO VOUGA,

Amamos Vilarinho

AMAMOS SEVER DE VOUGA,

AMAMOS CEDRIM.

=============================

MANUEL PINHEIRO DINIZ é filho de Dionizio João e Maria João. 

Sim, Diniz quer dizer: filho de Dionísio.

Manoel Pinheiro Diniz nasceu em 03 de março de 1680.

========================================

Manoel Pinheiro Diniz estabeleceu-se em Sabará-Mg, tendo terras perto da antiga Igreja de Sabará-Mg, sendo um dos pioneiros de Minas Gerais.

===========================

MANOEL PINHEIRO DINIZ casou-se com uma menina de 16 anos, em 11 de novembro de 1.723, em Sabará-MG.

=======================================

Sim, CLAUDIA DE AZEVEDO E SILVA, nasceu em 1707, em São Lourenço da Mata-PE, capital do PAU BRASIL.

Sua mãe BEATRIZ DE SOUZA, era de Santo-Amaro-BA no recôncavo baiano.  Portanto usineiro casando com usineiro.

=======================================

 SITES DE MINAS GERAIS, DE SABARÁ-MG e SAO LOURENÇO DA MATA-PE:

http://www.sabaranet.com.br/

http://www.idasbrasil.com.br/idasbrasil/cidades/Sabara/port/apresent.asp

http://www.descubraminas.com.br/home/default.asp

http://www.municipios.pe.gov.br/municipio/municipios/Geral/index.asp?municipio=15

O MANOEL PINHEIRO DINIZ era pobre e de família numerosa morando numa roça montanhosa que produzia pouco alimento.

Certa vez um português recém chegado pediu sua filha e Manoel Pinheiro Diniz pediu e conseguiu dispensa do dote da filha, alegando que não tinha dinheiro para pagar o dote da filha josefa.

========

Sim, Vovó JOSEFA DA SILVA DINIZ , NASCIDA EM 1727, CASOU SE EM 1759 com o português MANOEL FRANCISCO DIAS, que morreu em 1822.

=====

Josefa e Manoel Francisco tiveram, em 1770, o JOAQUIM FRANCISCO DA SILVA DINIZ que se casou, em 11 de outubro de 1787, em Contagem-MG, com Mariana Rosa de Lima, nascida em 13 de abril de 1767.

JOAQUIM FRANCISCO e MARIANA Rosa de Lima foram os pais de Joaquim Venâncio da Silva Diniz, que se casou, em 1807, em contagem-mg com Ana Rodrigues de Assunção natural de Raposos-Mg, e tiveram o filho JOSE DA SILVA DINIZ em Contagem-Mg em 1810.

 Ele, José da Silva Diniz foi o pai da Vovó Dadáia.

==

Foram três dias de terror»
// //
Durante três dias, Cedrim foi notícia nos principais jornais nacionais e noticiários televisivos, embora pelos piores motivos. Uma visibilidade mediática que chegou repentinamente à pacata aldeia de Sever do Vouga no passado dia 11, por força das chamas que irromperam na tarde de sexta-feira e teimaram em lançar o pânico e a devastação na zona, durante 72 horas consecutivas. Doze dias depois do «horror», o rasto do fogo não deixa ninguém esquecer-se dos «três dias de inferno». Ao intenso cheiro a queimado, junta-se um cenário triste. Quilómetros e quilómetros de floresta e mato completamente reduzidos a cinzas, troncos queimados, mangueiras de água retorcidas, placas de sinalização pretas e uma sensação de perda e revolta partilhada pelos populares. No combate às chamas chegaram a estar envolvidos mais de 300 bombeiros, «homens incansáveis e de grande coragem», afirma convicta Isilda Jesus, que recorda a «pena que sentia em vê-los esgotados e já sem forças, a descansarem por aí fora como podiam». Valeu-lhes «a boa-vontade do povo que, além de ajudarmos a apagar as chamas e a molhar os campos, dávamos-lhes leite, sandes, fruta, água, enfim, tudo o que podíamos», lembra Isilda Jesus, a residir no centro de Cedrim e que embora não tenha sofrido prejuízos com o incêndio, «não ganhei para o susto». Pior sorte lamenta Maria Vieira dos Santos, que além de se ter visto rodeada de chamas e, por várias vezes, ter receado o pior, perdeu completamente um pinhal, curiosamente, destruído há cerca de seis anos por outro incêndio, embora de menores dimensões. «Agora que as árvores estavam todas a rebentar e a ganhar tronco, voltei a ficar sem nada. Uma tristeza!». E sem esconder a revolta refere, «não temos provas, mas de certeza que isto foi fogo posto. Se o apanhássemos, não saía daqui vivo». Casas rodeadas por chamas de 30 metros Considerado um dos piores e dos mais preocupantes deste ano a nível nacional, o incêndio de Cedrim começou na tarde de sexta-feira, numa zona conhecida como Vale do Loureiro. Cerca de 24 horas depois, as chamas «galgaram» impiedosas para o concelho de Oliveira de Frades, no distrito de Viseu e a devastação continuou. Rui Pereira, a residir em São Julião, numa zona de intensa mancha florestal, assistiu à subida das chamas serra a cima e, algumas horas depois, à sua descida pelo outro lado da serra. No meio do incêndio esteve a sua residência, construída há apenas sete anos e que, por momentos, este severense receou perder. «As chamas estiveram a poucos metros dos muros da casa e, sinceramente, temi o pior», referiu ao Diário de Aveiro. Recuando àquele fim-de-semana dramático, Rui Pereira recorda que a primeira preocupação foi para os dois filhos menores, que depressa foram retirados de casa para junto de familiares, «depois, a preocupação foi para a casa, pois estivemos aqui rodeados de fogo». Doze dias passados, as paredes brancas da casa e o verde do jardim, salvos pelos bombeiros e pela sorte, contrastam vivamente com o preto da paisagem. «Vivíamos rodeados de árvores e verde, agora estamos cercados de preto e de carvão», diz com pesar. Cerca de cinco anos, é a estimativa mais optimista de Rui Pereira para que as árvores desta zona voltem a cobrir-se de verde, «é muito triste assistir-se a um incêndio que em algumas horas destrói o que a natureza e as pessoas levam anos a construir», referiu. «Tão mau como este, só mesmo o incêndio que deflagrou nesta zona em 1985, até fez vítimas mortais». Fazer contas aos prejuízos O incêndio de Cedrim, embora sem vítimas humanas, deixou um pesado rastro de destruição em Sever do Vouga. Aos pinhais particulares totalmente destruídos, junta-se a morte de animais de criação, a destruição de vinhas, campos de trigo e quintais, além de danos em empresas da Zona Industrial de Cedrim. O mesmo incêndio que chegou a ser dado como extinto, mas que reacendeu durante a madrugada de sábado, atingindo Oliveira de Frades e ameaçando Lagoa e Talhadas. Com a mudança do vento, o curso do fogo voltou a Cedrim e estendeu-se para Ribeiradio. Na passagem por Cedrim, as populações residentes em Carezedo, Vilarinho e Santo Adrião foram as que mais sofreram com a proximidade das chamas. Particularmente Santo Adrião, que chegou a estar cercado pelo fogo, sem água e sem electricidade. Agora é tempo de fazer contas à vida, somar os prejuízos e começar a recuperar as perdas.Sandra Simões.
 

22 Respostas to “00 Manuel Pinheiro Diniz, patriarca da família Silva Diniz”

  1. Henrique Barbosa Diniz Silva Says:

    Achei interessante. Minha familia de sobrenome Diniz é de Brumadinho, então possivelmente tenho parentesco com Manoel Pinheiro Diniz. O meu sobrenome Silva vem de outra parte da famlia, essa parte foi coinscidencia. Tenho muitos parentes em Esmeraldas e gosto muito de saber sobre minhas raizes. Sei que o pai do meu bisavô, meu trisavô que se chamava (se não me engano) Francisco Jorge Diniz, conhecido em Brumadinho como Chico Jorge teve grande importância histórica para a cidade. Abraço a todos os Diniz, hehe!

    • MARCELO PEREIRA Says:

      Sou neto da familia “silva diniz” meus pais sempre falaram dessas fazendaS da petrobras em betim. agora fiquei curioso. será que tenho direito nessas terras que foram arrendadas pelo Governo na epoca. tenho documentos e certidões de pais e avos que comprovem…

  2. Antonio paulo diniz Says:

    Guero sabe o primeiro diniz no brasil

  3. Márcia Andréa Armond Says:

    Sobre este livro raro falando da Fazenda Serra Negra, gostaria de saber se vocês têm acesso a este livro e se poderiam me fornecer uma cópia. Somos de Esmeraldas, antigo município de Santa Quitéria, onde ocorreu a Revolução de 1842 e estamos fazendo um levantamento histórico sobre este evento e Fazenda Serra Negra para elaborar o roteiro para um filme. Atenciosamente, Márcia Armond

    • capitaodomingos Says:

      no arquivo publico mineiro tem um, muito provavelmente. há um outro feito pela itatiaia editora e usp há 30 anos atrás. O livro dos silva diniz que coloquei em pdf tem erros. mas achei tudo certinho e está em uma das paginas o correto. que é a pagina das teresas.

  4. izabelly Says:

    O Borba Gato era parente da minha vo 😉

  5. Cibele Braga Silva Says:

    Parabenizo-lhe por seu brilhante trabalho. Também descendo de Manoel Pinheiro Diniz, por parte de Josepha e Francisca Xavier. Ao pesquisar, consegui identificar que os pais de Dionízio são Francisco Joam e Cecília Fernandes. Caso queira trocar “figurinhas”, entre em contato. Feliz Páscoa!

  6. Margaret A. Gonçalves S. C. Says:

    O livro do escritor esmeraldense Avelar Rodrigues, mostra um pouco da história da Fazenda Serra Negra. É intitulado: Esmeraldas-uma contribuição à história de Minas.

  7. marcos mauricio mendes lima Says:

    Segundo o livro de Arthur Campos(1868-1956),”Traços Genealógicos”(1900),era o vigário Manuel Roberto da Silva Diniz(neto de Manuel Pinheiro Diniz),tendo falecido em 1890, na Fazenda do Pintado,e,por alguns anos foi vigário da Igreja Nossa Sra.da Boa Viagem do antigo Curral Del Rey(hoje BH,capital de Minas), depois foi transferido para a capela de Betim.Acredito eu,que foi o padre Manuel Roberto que tenha influenciado a família Diniz na política.Dizem que em sua época era eleitor,sendo um cidadão muito respeitado e considerado pela suas nobres qualidades.No livro de Silvio Gabriel Diniz “Pesquisando a História de Pitangui”(de 1965),traz referências de várias Sesmarias concedidas na região Sul de Minas,inclusive faz referência ao português Manuel Souza Pinto(ou Portugal),que gerou a família de minha mãe,natural de em Entre Rios de Minas)e muitos outros Entrerianos.

  8. clarissa de souza diniz Says:

    Meu nome é Clarissa de Souza Diniz , meu pai é clóvis da Silva Diniz e meu avô ,a muito já falecido era Ântònio da Silva Diniz . Moramos na cidade de Visconde do Rio Branco Minas Gerais ,meu pai sempre me contou que nossa família veio de Rio Pomba e ficou nesta região entre Coimbra ,Viçosa E v. r. b. .Eu não consigo encontrar outros “Diniz” aqui ,nem na política ,nem em nada .Queria tanto saber de nossas raízes .

    • capitaodomingos Says:

      Este site tem várias páginas sobre nossos Silva Diniz e sobre Alckimin , limas que se juntaram a nós, e tem na integra texto do Artur campos sobre nós.

  9. adriana da silva diniz Says:

    Achei bem interesante o fato de estar na aula neste momento e um dos assunto de hoje é fazer sua árvore genealógica e me deparei com esta página que fala sobre os sobrenomes e o meu é da Silva Diniz, sou filha de José Antonio Diniz e de Ivone da Silva Diniz natural de Porto Alegre RS.

  10. JULIO DINIZ DE ARAUJO Says:

    me chamo,julio DINIZ,AQUI DO ACRE,NOSSA FAMILIA E MUITO GRANDE AQUI NO ESTADO.

  11. Geraldo Henrique Drummond Diniz Says:

    Resido em Contagem -MG e aqui temos uma rua com o nome Do Manoel Pinheiro Diniz.

  12. Reinaldo Celso Diniz da Silva Says:

    Me chamo Reinaldo Celso Diniz da Silva. Meu pai, Sebastião Diniz da Silva, Avô, Brás Diniz da Silva, Bisavô, Joaquim Diniz da Silva e Tararavô, Antonio Diniz da Silva. Eles eram do estado de Minas Gerais, Santa Margarida. Migraram para São Manoel de Mutum e posteriormente, para Ferruginha. Sempre tive interesse em buscar a origem da nossa família. Vendo agora este blog, começo a pensar que muito provavelmente temos algum laço com vocês.

    • GENEALOGIA SILVA OLIVEIRA Faleiros, Leme, UBERABA-MG FRANCA-SP MADRINHA DA SERRA Says:

      estas fotos eu posso conseguir em resolução melhor. eu tenho o livro. posso enviar um xerox.

  13. lourdes diniz costa Says:

    Adorei a sua pesquisa, meu pai era sobrinho do manoel pinheiro, já fui várias vezes a fazenda dele , quando criança, e me veio várias lembranças , principalmente de um filho surdo e mudo que veio morar em minha casa, em Betim.

    • GENEALOGIA SILVA OLIVEIRA, Faleiros, Leme, UBERABA-MG, FRANCA-SP, MADRINHA DA SERRA, Três Ilhoas Says:

      me de as coordenadas para eu chegar à fazenda e mande fotos dela.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: